terça-feira, 30 de novembro de 2010

Findou-se Arvoredo! 

O Jornal " Diário da Bahia ", edição do dia 09 de junho de 1934, trazia informações sobre a morte desse famoso cangaceiro. Matéria gentilmente cedida, pelo pesquisador e escritor Sérgio Dantas. Clique para ampliar




Créditos: Ivanildo Alves Silveira

Livro novo na praça

Diria quase novo!

Pois fora lançado em agosto, depois em outubro e aparentemente o autor não divulgou em nenhum dos nossos blogs parceiros... Mas tudo em tempo! Estamos aqui vez ou outra "escavacando" a web para deixar os rastejadores a par das novidades. Espiem mais essa!



Escrito por Gouveia de Hélias, “Dias Sem Compaixão - O épisódio da morte do ex cangaceiro Moreno e outras histórias" traz um apanhado de histórias de cunho regionalista, privilegiando certos personagens do período do cangaceirismo e traça ligeira biografia de Lampião. Traz igualmente histórias urbanas que encerram crítica à excessiva violência hodierna.

O poeta e músico pernambucano Mauri de Noronha declara que “Dias Sem Compaixão” o fez compreender com mais clareza a vida própria do seu sotaque nordestino, “que permanece presente apesar do tempo e da distância. Cada uma das cenas narradas pelo autor me é peculiar como se fosse meu, cada torrão ressequido da estrada, cada dor e cada amor conquistado e o amor desfeito”.

Em “Dias Sem Compaixão”, transborda a alma sertaneja e a inesgotável fonte de sonhos brota dos mandacarus, dos leitos vazios dos riachos e da essência de Gouveia de Hélias, capaz de tratar das amarguras com a benevolência das mães.

Sobre o autor

Gouveia de Hélias é formado em Filosofia pela Universidade de São Paulo, onde também frequentou o curso de História Antiga. Tem contos e ensaios veiculados em publicações culturais e revistas eletrônicas. Lança agora seu primeiro livro “Dias Sem Compaixão” e já tem pronto para publicação uma nova obra, intitulado “Através da Borborema”, uma alegoria burlesco-fantástica.

Serviço

“Dias Sem Compaixão”
Autor: Gouveia Hélias
Valor: R$ 24,90
ISBN: 978-85-7869-168-4
Editora: LivroPronto
Edição: 1
Publicação: 2010
Encadernação: Brochura 14 x 21 cm
Número de Páginas: 180

Contato: Gouveia de Hélias: gouveiadehelias@yahoo.com.br

Fonte: http://gouveiadehelias.blogspot.com/
Expectativa quanto... Aos ventos que virão 

Por Alcino Alves Costa

Poço Redondo está sendo palco da filmagem do longa metragem “Aos ventos que virão”, filme que tem em Hermano Penna o seu diretor, ainda André Lavener como diretor fotográfico e Ana Clara Rafaldi, na condição de produtora executiva.

Poço Redondo, terra querida do mestre Alcino.

O filme é estrelado pelo ator Rui Ricardo Diaz, aquele mesmo que fez o papel do presidente Lula no filme sobre a sua vida, ainda pelas atrizes globais Neuza Borges e Emanuelle Araújo, além do nosso sergipano Antônio Leite e outros atores da Bahia.

Este é o terceiro filme que Hermano Penna faz em Poço Redondo. Anteriormente, na década de 70, aconteceram duas filmagens em nosso município: “Mulher no cangaço” e “Sargento Getúlio”, este teve como ator principal o lendário Lima Duarte que passou alguns dias em nosso município, nos dando a honra de sua ilustre presença em nossa cidade.

Foi naquela época que Hermano, ao ler o livro de minha autoria “Lampião além da versão” ficou encantado com a história de Zé de Julião, no capítulo intitulado “Zé de Julião – a grande vítima do destino”.

Aquela comovente epopéia do moço de Poço Redondo nunca mais saiu da cabeça do extraordinário cearense do Crato, porém radicado há muitos anos em São Paulo. Hermano havia jurado consigo mesmo que um dia iria levar para o cinema aquele extraordinário épico de um homem que viveu uma vida de terríveis provações até ser assassinado naquele lutuoso dia 19 de fevereiro de 1961.

Zé de Julião é um famoso e saudoso filho de Poço Redondo. O seu pai, Julião do Nascimento, era o único homem daquele então arruado das brenhas sertanejas de Sergipe, possuidor de muitos bens, de vez que era proprietário de várias fazendas e um rebanho bovino avultado. Mesmo assim, o filho do fazendeiro, então recém casado com Enedina, numa decisão de extrema infelicidade, porém temeroso pela perseguição que as volantes lhe moviam, ingressou no bando de Lampião, levando consigo a sua querida esposa, que perdeu a vida ao lado de Lampião, Maria Bonita, e os demais oito companheiros no célebre cerco à Grota de Angico pelo tenente João Bezerra da Silva.

Os anos se passaram. O projeto jamais saiu da cabeça de Hermano. Eis que, após muita luta e sacrifício, o sonho está sendo realizado. As filmagens tiveram seu início na semana passada, dia 19. O filme não segue propriamente a história e os acontecimentos da vida de Zé de Julião, segue o seu próprio caminho tão peculiar nos enredos e produções cinematográficas. Os nomes foram mudados. Zé de Julião passou a ser Zé Olímpio, e Enedina se tornou Lúcia. Enedina não vai morrer, ela acompanhará o marido até a sua morte em 1961.

O enredo do filme é emocionante. Por que “Os ventos que virão”? Vivia-se a esperança de Brasília, o então novo eldorado brasileiro. Naquele chão goiano estava sendo construída não só uma nova capital, mas as aspirações e os desejos de um povo. Recuperar a sua vida de empreiteiro naquele gigantesco canteiro de obras passou a ser o sonho de Zé de Julião, o nosso Zé Olímpio do filme. Aquela nova vida passaria a ser os ventos benéficos do futuro do homem que se tornou a grande vítima do destino. E assim, em sua sensibilidade artística, Hermano colocou o título “Aos ventos que virão”, aliás que nunca chegaram para Zé de Julião, na película por ele produzida.

Deixando de lado a fantasia do filme que nasceu da mente arejada de seu produtor, necessário se faz falarmos um pouco da verdadeira história do real personagem que fez florescer o enredo de “Os ventos que virão”.

Zé de Julião, nasceu José Francisco do Nascimento, naquele dia 19 de abril de 1919. O seu pai era um abastado fazendeiro para os padrões de Poço Redondo. Ainda muito moço contraiu matrimônio com uma parenta de nome Enedina. Na primeira quadra do ano de 1937 foi para a companhia de Lampião, levando ao seu lado a sua jovem esposa. No cangaço recebeu o nome de Cajazeira.

Zé de Julião

No pandemônio da Grota de Angico, vamos encontrá-lo naquele inferno. A sua esposa ali perdeu a vida. O cangaço morreu e Zé de Julião, após casar com uma irmã de Enedina, uma moça chamada Estela, arribou para as terras do sul, indo residir em Nova Iguaçu, no Estado do Rio de Janeiro.

Com a morte do pai foi obrigado a retornar ao Poço Redondo que ele tanto amava com a finalidade de cuidar dos bens deixados pelo genitor. Poço Redondo é emancipado em 1954. Zé de Julião se candidata a prefeito. A eleição terminou empatada entre ele e o seu opositor Artur Moreira de Sá. Por ser mais velho Artur ficou com os louros da vitória.

Na eleição de 1958 voltou a ser candidato. No entanto, uma medida compreensível da justiça eleitoral desgraçou a sua vida e ela chegou com a obrigação de se cadastrar todos os eleitores para adquirir novos títulos. Esta nova lei foi à desgraça de Zé de Julião. Nenhum de seus adeptos recebeu seu título.

Desesperado, no dia da eleição roubou as urnas. Foi perseguido como se fosse um cão danado. No dia 19 de setembro de 1959 foi preso e recambiado para a Penitenciária do Estado, em Aracaju. Após ganhar a sua liberdade, carregando o sonho dos ventos benéficos de Brasília, viajou para a nova capital. Eis que, misteriosamente, no aeroporto de Salvador, na Bahia, alguém cujo nome a história desconhece, o convenceu a não seguir a viagem tão sonhada para seguir o seu destino de dor e sofrimento, retornando ao Poço Redondo, aonde foi assassinado naquele dia 19 de fevereiro de 1961.


Que o nosso Hermano Penna, ao lado de sua competente equipe e de seus atores e atrizes tenham muito sucesso neste “Aos ventos que virão”, pois ele faz parte de nossa história sofrida e ao mesmo tempo bela deste tão amado Poço Redondo.

Em tempo: Você, meu leitor amigo, prestou atenção na repetição misteriosa do número 19 na vida e no destino de Zé de Julião? Nasceu em um dia 19, foi preso em um dia 19, morreu em um dia 19 e o filme baseado em sua saga começou num dia 19. Ainda mais, o nome de guerra, Cajazeira, tem nove letras.


Alcino Alves Costa
O Caipira de Poço Redondo


*As fotos que ilustram o artigo são do livro “Lampião além da versão - Mentiras e mistérios de Angico" estas foram escaneadas pelo reverendo Ivanildo Siveira.


sexta-feira, 26 de novembro de 2010

O desconhecido cangaceiro Antonio Braz

O Terror do Seridó
 Por Rostand Medeiros

No Rio Grande do Norte, quando o assunto é cangaço, a primeira noção que a maioria das pessoas possuem remete ao ataque de Lampião a Mossoró, a resistência do povo mossoroense ao 13 de junho de 1927, o assassinato de Jararaca e a sua metamorfose em santo popular. Na sequência, de forma esporádica, alguns recordam as andanças de Antônio Silvino no inicio do século XX, a idéia que este cangaceiro era um homem de honra e a famosa história que o mesmo mandou um dos seus “cabras” comer um litro de sal, após este ter reclamado da comida que uma mulher preparou para o grupo e esqueceu de pôr este condimento.

Por fim vem à figura do único grande chefe de um bando de cangaceiros potiguar, Jesuíno Brilhante, homem injustiçado em meio a dilacerantes lutas políticas, enviesadas de épicas lutas com acentuados e tradicionais códigos de honra. ( 1 )

De forma geral, os pesquisadores do tema no Rio Grande do Norte produziram bons trabalhos, que muito ajudaram a esclarecer os aspectos que envolvem os mistérios deste gênero de banditismo social. Contudo a história é mais ampla, diversificada e pautada de fatos desconhecidos.

As testemunhas destes episódios a muito descansam no solo sertanejo, restando a tradicional tarefa de buscar a história em carcomidas e amareladas páginas de antigos jornais, em documentos oficiais esquecidos em bolorentos e desaparelhados arquivos e na tradição contada de pai para filhos nos alpendres das antigas fazendas do sertão. A busca é difícil, mas a colheita é normalmente compensadora.

Debruçado sobre a coleção do jornal republicano “O Povo”, editado, encontramos uma série de reportagens que apontam a existência do desconhecido cangaceiro Antônio Braz e do seu diminuto bando, que além de uma extrema valentia, é apontado como sanguinário, arrogante e desaforado com as autoridades.

As notícias sobre a atuação de Antônio Braz estão contidas em várias edições deste jornal, entre os dias 23 de novembro de 1889 a 11 de agosto de 1891. ( 2 )

Tudo indica que Antonio Braz era da Paraíba, onde lhe eram creditados oito mortes em sua vida de tropelias, tendo sido condenado a uma pena de 48 anos de detenção, que cumpria na cadeia pública de Pombal. Entre os anos de 1894 e 1895, este cangaceiro fugiu desta detenção, estando há quase cinco anos vagando pelos sertões da região fronteiriça da Paraíba e Rio Grande do Norte, mais precisamente na área ao longo da bacia do Rio Piranhas. ( 3 ) 

Amedrontava os fazendeiros de Pombal, Catolé do Rocha e Brejo do Cruz, na Paraíba e no Rio Grande do Norte, Serra Negra do Norte e Caicó, mais especificamente a então vila de Jardim de Piranhas, eram seus pontos de atuação. Antônio Braz era um cangaceiro que as informações da época o classificam como “temível”, pois seu bando fora protagonista de inúmeros assassinatos, roubos, espancamentos e estupros. Andava este bando sempre com um pequeno número de membros, com no máximo quatro a cinco integrantes, entre eles o seu irmão Francisco.

Até mesmo a sua perseguição gerava a velha ação de abuso de poder por parte da polícia. Em 29 de junho de 1889, as páginas de “O Povo”, divulgaram que um grupo de policiais paraibanos vindos de Catolé do Rocha, invadiu por duas ocasiões o território potiguar em caça de Antonio Braz e seu grupo. Na primeira ocasião os policiais haviam praticado uma série de violências, arbitrariedades e até roubos. Na segunda ocasião, na pequena área urbana de Jardim de Piranhas, que nesta época abrigava uma população de 200 almas, ouve um cerrado tiroteio entre os policiais do estado vizinho e os cangaceiros, sendo os policiais obrigados a recuar devido à reação do bando.

Não há maiores detalhes sobre este tiroteio, mas por este período, os aparatos policiais da Paraíba e do Rio Grande do Norte eram formados por pequenos contingentes de homens mal armados, violentos, corruptos e extremamente despreparados, que pouco diferiam dos cangaceiros e bandidos que deviam perseguir. (4) 

Tudo indica que Braz encontrou na pessoa do coronel Florêncio da Fonseca Cavalcante, chefe da vila de Jardim de Piranhas, o apoio e proteção que necessitava para suas ações na região. O coronel Florêncio exercia nesta época o cargo de primeiro suplente de juiz municipal de Caicó. Esta ligação entre homens de poder e cangaceiros sempre resultava em sangue e em jardim de Piranhas não foi diferente. Ainda no ano de 1889, Antônio Braz matou na comunidade de Timbaubinha, três quilômetros ao norte da vila, o agricultor Manoel de Souza Franco, que mantinha com o coronel Florêncio, uma questão de posse de terras.

O caso se deu da seguinte forma; o pai de Manoel, Roberto Franco, morrera em 1878 e deixara como herança um pequeno sítio na Timbaubinha. Haviam dívidas contraídas pelo falecido, que foram cobradas pelos credores, entre estes estava o coronel Florêncio, que mesmo sendo suplente de juiz, recorreu a “força d’armas”, utilizando Antônio Braz e seu grupo para resolver a questão.

Pouco tempo depois do tiroteio com a polícia da Paraíba, Braz tentou aniquilar Manoel cercando sua casa e ateando fogo à mesma. Houve reação do agricultor que, ajudado por outros parentes, afugentou os cangaceiros. Como Manuel morava em sua propriedade cercado de familiares, sentia certa segurança, mesmo assim passou a ter muito cuidado em suas saídas. Já Braz e seu grupo, sempre espreitavam perto da propriedade, buscando uma ocasião para desfechar a ação fatal.

No dia 13 de novembro, quando Manoel Franco voltava do roçado, em pleno meio-dia, entrando pela parte traseira da sua casa, foi alvejado com dois tiros e morreu sem reagir. Não satisfeito Braz ainda lhe fez quatro perfurações de punhal. Aparentemente o cangaceiro aproveitou um momento de descuido do agricultor e de sua família para fazer o “serviço”. Após matar Manoel, o assassino ordenou a todos que o corpo deveria ficar estendido no pátio defronte a casa, sem ser enterrado, para “dar o exemplo”.

Os jornais comentavam que a questão entre o coronel e Manoel Franco chegara ao fim e que agora “ninguém se oporá mais ao coronel”, apontando como o mentor do crime. Diante da repercussão do caso, Antônio Braz e seu grupo seguiram para a região de Catolé do Rocha, onde de passagem pelo lugar “Barra”, deram uma formidável surra em uma mulher.

Passou a existir na região um clima de medo muito forte, onde o jornal denunciava a inércia das autoridades, com uma forte critica para o número pequeno de policiais na região. A repercussão do assassinato de Manoel Franco e o medo do povo, fizeram com que as autoridades intensificassem as buscas ao bando. O então comandante da polícia, o capitão Olegário Gonçalves de Medeiros Valle, ordena mais empenho dos seus comandados.

Não demorou muito e os policiais tiveram um encontro com o cangaceiro; ao passarem próximos de uma casa as margens do Rio Piranhas, tiveram a surpresa de estar diante de Antônio Braz. Este se encontrava equipado com suas armas, já montado em seu cavalo, não se intimidou com a tropa e fez fogo contra o grupo, recebendo uma chuva de balas em resposta. O cangaceiro fez o segundo disparo e fugiu a galope.
Na fuga, Braz encontrou um homem na estrada e lhe ordenou que fosse com o cavalo para Jardim de Piranhas, então o cangaceiro desapareceu na caatinga. Sem maiores opções e temendo o pior, este homem fez o que fora ordenado, nisto a força policial seguia no encalço do bandido, quando viram o homem montado em um cavalo idêntico ao de Braz e fizeram fogo. Para a sorte deste cavaleiro, os policiais atiravam muito mal.

Sentindo o cerco apertar, Antônio Braz e seu grupo buscam abandonar a área do Rio Piranhas, sendo noticiada uma incursão a Paraíba, na região de Piancó, onde se informa, sem maiores detalhes, ter o bando assassinado um homem. O grupo será visto novamente no Rio Grande do Norte, em 11 de fevereiro de 1890, no lugar “Riacho Fundo”, onde uma tropa policial se depara com o coito do grupo no meio da mata. Ocorre rápida escaramuça, sem vitimas, tendo o bando fugido do local nos seus cavalos sem as selas, roupas e outros utensílios. A polícia persegue os bandidos por quase seis léguas, o que seria uma média de trinta quilômetros, abandonando a perseguição por ter chegado à noite.

O bando passa a agir principalmente na Paraíba, mas a ação policial neste estado se torna mais forte. Em junho de 1890, Braz e seus homens travam um forte tiroteio contra uma patrulha da polícia paraibana, da cidade de Pombal, tendo o grupo perdido alguns animais de montaria.

Rumam então para a fronteira do Rio grande do Norte, na região da cidade de Serra Negra do Norte. Esta cidade potiguar possuía na época um diminuto destacamento de três praças e estes não proporcionariam alguma resistência ao grupo. Na fazenda Jerusalém, do coronel Antônio Pereira Monteiro, tomaram através de ameaças os cavalos deste proprietário, tendo a malta de celerados seguido novamente em direção a Paraíba. A fazenda Jerusalém está atualmente localizada no município de São João do Sabugi.

Mas as tropelias de Antonio Braz e seu bando não param, em 4 de agosto de 1890, na então vila paraibana de Paulista, pertencente a Pombal, este cangaceiro cria uma situação de escárnio para as autoridades, que chega a ser inusitada. Neste dia, neste lugarejo onde habitavam umas 50 almas, Braz conduz preso o bandido que respondia pela estranha alcunha de “Francisco Veado”. Na vila ele obriga dois paisanos a levarem o prisioneiro para o delegado de Pombal, com uma carta para a autoridade, onde dizia que “não estava disposta a deixar livres tantos cangaceiros, que por ora remetia aquele, e que mais tarde... ele próprio iria”. (5)

Parece uma tanto fantasiosa esta última afirmação do jornal, mas a partir desta data, cessam toda e qualquer nota sobre o cangaceiro Antônio Braz e suas atividades.

Esta última notícia data de agosto de 1890, coincidindo com o retorno de chuvas depois de um período de fortes secas entre os anos de 1888 e 1889. É fácil supor que devido ao risco e periculosidades inerentes a atividade de cangaceiro, esta já não fosse tão interessante e a terra molhada vai dispersando o grupo em busca de outras formas de sobrevivência (6).

Infelizmente, não sei como terminou este episódio, ou mesmo a vida de peripécias deste inusitado cangaceiro e seu bando. Não consegui mais nenhuma informação nos jornais da época e nos arquivos existentes em Natal e Caicó.

Sobre o aspecto de atuação territorial, o cangaço de Antônio Braz ocorreu praticamente na mesma área que notabilizou o único potiguar que chefiou um bando de cangaceiros, Jesuíno Brilhante. Já em relação à sua prática como cangaceiro, Antônio Braz era tido como “terrível”, já Jesuíno, segundo os relatos históricos de Henrique Castriciano e Câmara Cascudo (7), era o “gentil homem”, um “homem de valores”, que estava na vida do cangaço pelas injustiças do seu tempo.

Notas

(1) Os livros que melhor tratam sobre o ataque de Lampião a Mossoró são “Lampião em Mossoró”, de Raimundo Nonato, “A Marcha de Lampião”, de Raul Fernandes, “Lampião no RN-A história da grande jornada”, de Sergio Augusto de Souza Dantas. Sobre Antônio Silvino no Rio Grande do Norte, temos “Antônio Silvino no RN” de Raul Fernandes, “Antônio Silvino-O homem, o mito e o cangaceiro”, de Sergio Augusto de Souza Dantas. Já Jesuíno Brilhante serviu de tema para o livro “Jesuíno Brilhante-o cangaceiro romântico”, de Raimundo Nonato. Já Câmara Cascudo, em seu livro “Flor de romances trágicos”, aponta vários aspectos das atuações dos cangaceiros Jesuíno Brilhante, Antônio Silvino, Lampião, Jararaca e outros.


(2) Existe uma coleção microfilmada deste jornal no Arquivo Nacional, no Rio de Janeiro. 


(3) Esta não seria a primeira notícia sobre fuga de presos da Cadeia Pública de Pombal. Em 18 de fevereiro de 1874, 25 anos antes da fuga de Antônio Braz, Jesuíno Brilhante e seu bando atacaram a guarnição desta cadeia, libertando quarenta e três detidos, entre eles membros do seu bando.


(4) Para se ter uma ideia da situação numérica do efetivo policial, no jornal “A Republica” de 9 de janeiro de 1890, era publicada a “Ordem do dia nº 6”, emitida em 4 de janeiro do mesmo ano, onde o então governador do Rio Grande do Norte, Adolfo Afonso da Silva Gordo, organizava o Corpo de Polícia com 1 capitão comandante, 2 tenentes, 4 alferes, 2 primeiros sargentos, 4 segundo sargentos, 1 sargento ajudante, 2 furriéis, 10 cabos, 120 soldados e 4 corneteiros. Eram apenas 150 policiais para todo o estado. 


(5) A adoção grifada da palavra “cangaceiro”, pela edição deste jornal, chama a atenção, pois neste período os jornais normalmente utilizavam termos como “banditismo”, para designar a ação, “celerados” e “salteadores” para definir os protagonistas, dificilmente nesta época encontramos nos textos jornalísticos, o termo que designariam estes bandidos e assim seriam mitificados. Entretanto, vale ressaltar que o jornal “O Povo” era editado em uma cidade sertaneja, onde os bandidos errantes que carregava suas armas e utensílios, preferencialmente nos ombros, a partir da metade do século XIX, passam ser conhecidos como “aqueles que estão debaixo da canga” “aqueles que estão no cangaço” e daí a “cangaceiro”, não sendo difícil de supor que, por este jornal está inserido no sertão, esta tenha sido a primeira vez na imprensa potiguar que o termo “cangaceiro” tenha sido utilizado. 


(6) Sobre a seca de 1888 e 1889 e outros assuntos a respeito deste fenômeno climatério, ver o pronunciamento do então Senador pelo Rio Grande do Norte, Eloy de Souza, intitulado “Um problema nacional (Projecto e justificação)”, pronunciada na seção de 30 de agosto de 1911 e editado em formato de brochura pela Tipografia do Jornal do Comercio, em 1911. Sobre a teoria do crescimento das ações de grupos cangaceiros nos períodos de estiagem, ver “Guerreiros do sol”, de Frederico Pernambucano de Mello. 


(7) Com relação aos escritos de Henrique Castriciano sobre Jesuíno Brilhante, temos no jornal "A Republica", edição de 25 de julho de 1908, uma interessante crônica deste poeta potiguar sobre este cangaceiro.


*Rostand Medeiros é Pesquisador de Natal, RN

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Comentários em destaque! 


Semanalmente recebemos comentários principalmente em matérias mais antigas. 
Alguns destes questionam ou querem saber mais detalhes do conteúdo, mas como geralmente estes autores não são colaboradores diretos do blog talvez nem saibam que seus textos foram publicados por aqui. 

Não podemos responder por eles e assim fica inviável a resolução. 

Outros solicitam auxílio para pesquisa, outros sanam dúvidas com informações que são de valia para muitos e um tem ligação especial com determinada personagem. Visando chamar a atenção para os destinatários nominados e rastejadores! 

Vejamos os três selecionados.

--------------------------------------------------------------------------------------------------------
Atenção José Mendes!
Juliana Ischiara deixou um novo comentário sobre a sua postagem "Juliana Ischiara no trem da História": 

Olá caro José Mendes, não se preocupe, não recebi sua pergunta como se fosse uma crítica, mesmo se fosse eu não ficaria chateada, criticas é uma condição subjetiva, alguns acham ruim e se ofendem, eu já as recebo como um forma de avaliar e reavaliar o que penso e escrevo. Mas este não é o caso, sua pergunta é muito pertinente.

Quanto a sua pergunta, vamos a ela.

O nome do pai de Âurea não era Zé Nicácio e sim Antônio Nicácio. Sim, ele era primo/irmão de Lé Soares, o pai de Adelaide, de Criança, a mulher que morreu de parto no cangaço e de Rosinha, de Mariano.
Rosinha foi morta por ordem de Lampião, e enterrada no mesmo local, no riacho do Quatarvo, onde Lídia de Zé Baiano foi enterrada.

Saudações Cangaceiras

Juliana Ischiara 


--------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Chamada Geral!
Eu Gustavo Farias tenho grande interesse em adquirir o livro" RAÍZES DE UM POVO E COMO INICIOU SUAS CONTENDAS COM LAMPIÃO ", da escritora pernambucana Izabel Belícia Ferraz Torres. Meu email, gustavocostafarias@gmail.com
------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Alô Ivanildo Silveira!
Maria Jorge dos Santos Leite disse...

Sou historiadora e amante da história do Cangaço.

Interesso-me particularmente pela história de Lampião devido a uma história familiar que se cruza com a dele. Meu pai ficou órfão de mãe aos cinco anos de idade e foi criado, como filho, por sua madrasta Sinhá Vieira Cavalcante, filha de Pedro Vieira, assassinado por Lampião. 
 
Como sempre tive muito carinho por minha "Vó Sinhá", falecida em 1982, considero-me bisneta de Pedro Vieira.
 
Parabenizo-o, pela feliz ídéia de escrever essa matéria trazendo informações sobre o combate de Ipueiras.

Da sucursal Baiana... 

Recortes do Jornal A Tarde da Bahia, postados pelo confrade Professor Rubens Antonio na comunidade do Orkut: Lampião, Grande Rei do Cangaço 

Clique para ampliar

 17 DE JANEIRO DE 1929

 15 DE JANEIRO DE 1929

 18 DE JANEIRO DE 1929

 18 DE OUTUBRO DE 1928


 A edição de 15 DE DEZEMBRO DE 1927 relata as ações de um cabra chamado "Antonio Souza".

Procurando mais cordel?

Cordéis de Cangaço da Editora Tupynanquim! 

A Tupynanquim é uma editora genuinamente popular. Criada em 1995, inicialmente, publicou livros, revistas e jornais variados e a partir de 1999 passou a dedicar-se exclusivamente a Literatura de Cordel e as Histórias em Quadrinhos.

Há uma década trabalhando com a lira popular já publicou quase 600 obras de mais de uma centena de autores, inéditos e veteranos. Hoje, é referência no mundo inteiro.

SOLICITE O CATÁLOGO: (85) 3217 2891 | tupynanquim_editora@ibest.com.br

Para demais títulos: Acesse Fotolog Tupynanquim


FOLHETOS DE R$ 2,00

* A chegada de Lampião no inferno/ Debate de Lampião com S. Pedro
* Visita de Lampião a Juazeiro

ROMANCES DE CORDEL DE R$ 3,00

* Dadá e a morte de Corisco
* Nascimento, vida e morte do cangaceiro Zé Baiano
* O cangaceiro do futuro e o jumento espacial

LIVRETO GRANDE (COR NA CAPA)
PREÇO UNITÁRIO: R$ 5,00

* Lampião... Herói ou Bandido?

LIVRO EM QUADRINHOS

* Lampião... Era o Cavalo do Tempo Atrás da Besta da Vida (R$ 30,00)

IMPORTANTE!
Encomenda simples: Faça o depósito equivalente ao valor do seu pedido mais o acrescimo de 10% do valor do mesmo para despesas postais e envie o seu comprovante pelo correio ou para o E-mail: tupynanquim_editora@ibest.com.br

Segue os dados de nossa conta para que seja efetuado o depósito:
BANCO BRADESCO AGÊNCIA: 0452 – 9 CONTA: 0603066-1 Telefone: (85) 3217 2891

Matéria enviada pelo confrade Kydelmir Dantas.

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Novo livro na praça

O Prof. Gilbamar de Oliveira Bezerra, lançou A Derrota de Lampião pela Editora Sebo Vermelho durante o FLIPIPA 2010 ocorrido no último final de semana.

Mais um biscoito fino da Coleção João Nicodemos de Lima, sobre este inesgotável e saboroso tema que é o Cangaço e suas personagens.

Gilbamar também é autor de "O ataque de Lampião à Mossoró - Trovas".

Para adquirir estes trabalhos: gilbamarbezerra@ig.com.br

Pescado em três açudes:
Lentes Cangaceiras
Sebo Vermelho
Gilbamar Poesias e crônicas

segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Portinari e o Cangaço 

Pesquisa de Ivanildo Silveira

Cangaceiros e mulheres

O cangaço é um dos assuntos mais recorrentes na obra de Cândido Portinari (1903-1962). São 114 trabalhos do artista registrados sobre esse tema no site do projeto Portinari, que incluem várias técnicas, como a pintura, a gravura e o desenho.

A abordagem do cangaço está diretamente ligada à sua afiliação ao partido comunista brasileiro, pelo qual foi candidato a deputado, em 1945, e a senador, em 1947, sem nunca ter sido eleito.
A aproximação com o marxismo o levou a tratar das questões sociais brasileiras.
Tiradentes, por exemplo, é outro personagem da história nacional retratado por Portinari -22 vezes.

Numa época que a arte abstrata era tratada como a corrente mais avançada, especialmente nos estados unidos, Portinari conseguiu grande projeção, realizando dezenas de exposições e até mesmo os painéis "guerra e paz" na sede da ONU, em nova York, em 1956.

 Quadro “o cangaceiro”, pintado por Portinari, em 1956. A obra foi roubada, em uma casa nos jardins, bairro nobre de São Paulo. Além dela, foram levadas as telas "retrato de Maria" (1934), também de Portinari, "figura em azul" (1923), de Tarsila do Amaral, e "crucificação de Jesus", de Orlando Teruz. Juntas, elas têm valor estimado em R$ 3 milhões. As respectivas criações foram recuperadas dias depois.!

No dia 19 de maior de 2009, uma pintura de 1958, também intitulada "cangaceiro", foi a leilão em São Paulo, organizado pela bolsa de arte, com o valor mínimo estipulado entre R$ 300 mil e R$ 400 mil.

(fonte: folha on line – 11/05/2009).

Vejam, logo abaixo, outras obras de Portinari, que retratam “O Cangaço”.

No ano de 1952 com ilustrações de Portinari, o semanário “O Cruzeiro”, publica o romance “Os Cangaceiros” de José Lins do Rego.

Mulher e cangaceiro

Cangaceiros andando

Cangaceiros conversando

 Figura sentada

 Cangaceiros

 Cangaceiro à cavalo

 Dois homens

 Cangaceiro

 Cangaceiro e mulher

  Quatro homens

 Cangaceiro e casal

 Mãe de cangaceiro

 Cangaceiro montado

 Crime no cangaço.

Cangaceiro

Cangaceiro

 Cangaceiro

 Tiroteio de Pedra Bonita

 Cangaceiro

Cangaceiro sentado

Cangaceiro

Cangaceiro

Cangaceiro

Cangaceiro

Cangaceiro

Noivos

 Cangaceiro e seu irmão

 Cangaceiros

 Cangaceiros

Cândido Portinari (Foto) nasceu em Brodósqui/SP, em 29 de Dezembro de 1903.

Pintou quase cinco mil obras, de pequenos esboços a gigantescos murais. Foi o pintor brasileiro a alcançar maior projeção internacional.

Desobedecendo a ordens médicas, Portinari continua pintando e viajando com freqüência para exposições nos EUA, Europa e israel. no começo de 1962 a prefeitura de Milão convida Portinari para uma grande exposição com 200 telas. Trabalhando freneticamente, o envenenamento de Portinari começa a tomar proporções fatais. No dia seis de Fevereiro do mesmo ano, cândido Portinari morre envenenado pelas tintas que o consagraram.

Fonte: Wikipédia


Um abraço a todos. cangaço, também é cultura.
Ivanildo Alves Silveira
Colecionador do cangaço
Natal/RN

Imagens e informações colhidas em: Portinari.org.br
www.casadeportinari.com.br

Opinião

As muitas versões do Cangaço 

Por: Juliana Ischiara

Caros pesquisadores do Cangaço, não é minha intenção polemizar, mesmo em se tratando de cangaço, terreno bastante fértil para debates, controvérsias e discordâncias, porém, todos nós devemos ter em mente que não existem verdades absolutas, mas, simplesmente verdades. O que é uma verdade para mim, pode não ser para o outro e assim sucessivamente, pois, em se tratando de história como ciência, podemos falar de verdades históricas, ou seja, a verdade dos vencedores, dos vencidos e daqueles que tiram suas conclusões tendo como base as duas primeiras elencadas.

A história não é uma ciência exata, não podemos sair por aí argüindo nossos pensamentos como se fosse uma ideia absoluta do objeto pesquisado.

Esta semana que passou lemos em alguns blogs e no Jornal da Cidade de Sergipe, um excelente debate entre dois grandes pesquisadores do cangaço. De um lado o acadêmico Frederico Pernambucano de Mello, autor de vários trabalhos importantes sobre a temática em tela e, do outro lado, o sergipano Alcino Alves da Costa, um exímio conhecedor do fenômeno cangaço, em particular os seus dez últimos anos tendo Lampião como líder.

Alcino é de Poço Redondo, um irmão de sua mãe foi cangaceiro, além de ter crescido em meio à história viva do cangaço, pois se em Poço Redondo, ainda nos dias de hoje, o cangaço é assunto comum nas rodas de conversa, imagine na meninice e ao longo de sua vida, com um tio cangaceiro, o sogro sendo o velho “China do Poço” amigo de Lampião. Alcino também é autor de vários livros sobre o cangaço.

Se por um lado, um pesquisador tem como esteio de suas pesquisas o aparato acadêmico, tendo inclusive conversado como alguns sobreviventes, do outro lado temos um pesquisador que nasceu, cresceu e passou sua vida em meio a sobreviventes do cangaço como ex-cangaceiros, outros jurados de morte por cangaceiros, coiteiros e amigos de Lampião. Com isso, não estou medindo a competência dos pesquisadores, nem mesmo aceitando um pensamento em detrimento de outro, pois cabe a mim, assim como aos demais, aprender com estes dois mestres da historiografia cangaceira a arte do bom debate. Tanto um quanto outro são autoridades no assunto.

O bom do debate é perceber as diferentes versões acerca do mesmo objeto. Ao analisar as duas ou mais vertentes, individualmente tiramos nossas próprias conclusões.

Um exemplo disso é que, mesmo respeitando o trabalho e os anos de pesquisa de Frederico Pernambucano de Melo, não concordo quando ele disse “... que a valentia e a capacidade de urdir planos vinham na cabeceira dessa criteriologia de ascensão hierárquica no bando, da qual passou a fazer parte, de início timidamente, e depois como concausa cada vez mais relevante, especialmente no meado dos anos 30, a habilidade com as agulhas e as linhas, assim como o domínio da máquina Singer de mesa”.

Penso que ter habilidade em contornar situações delicadas e difíceis, capacidade de estratégia, facilidade em comandar adversidades comuns em um grupo de seres pensantes, dada a particularidade de cada um, ter pulso forte diante de eventuais divergências, fossem os critérios para ascensão hierárquica dentro do bando e não o manuseio da máquina de costura, mesmo porque, viviam e sobreviviam em meio a combates, no liame entre a vida e a morte.

Sendo assim, não creio que ter habilidade na arte de bordar e costurar fosse de suma importância para o chefe de um subgrupo. As máquinas de costura, na famosa foto das cabeças, não sinalizam que Lampião e/ou seus comandados gostavam de relaxar, tirar o estresse dos dias difíceis no manejo da máquina de costura, mas que usavam tal ferramenta para fazer seus pertences como bornais e roupas, deixando claro que não discordo dos bordados, nem da habilidade dos mesmos nesta arte.

Por falar nas ditas máquinas de costura, nota-se duas delas na famosa foto das cabeças. Sabemos que a máquina de dona Guilhermina, mãe de Durval e de Pedro de Cândido foi levada para o coito por Mané Félix e Vicente – este ainda com vida – e que a mesma iria servir para Sila e Maria Bonita fazerem a roupa do sobrinho de Lampião que ali havia chegado com a finalidade de acompanhar o tio. Em momento algum se falou que quem iria “costurar” a roupa do rapazinho seria Lampião e, ainda, por que com uma máquina no coito, Maria Bonita (ou mesmo Lampião), mandou buscar a da senhora proprietária da fazenda Angico?

Ainda sobre as questões levantados pelo pesquisador Frederico ao falar do divórcio cultural entre o litoral e o sertão, concordo plenamente com ele. Houve realmente uma falha no processo de colonização, processo este que sentimos o ranço ainda nos dias de hoje. Porém, não digo que este fato não tenha reflexo no surgimento do cangaço, mas, em nada tem a ver com o cangaço da geração lampeonica, pois, sem sombra de dúvida, trata-se de uma insurgência nascida de uma particularidade estendendo-se para um campo mais amplo, porém não atingindo os ideais da divisão geopolítica e cultural. Seria forçoso demais pensar o contrário.

Quanto ao simplismo dos marxistas em considerar o cangaço filho exclusivo da luta de classes envolvendo coronéis e cangaceiros, também concordo que até então estes fenômenos, em especial o cangaço, era tratado de forma mais simplista. Existe uma complexidade bem mais faraônica envolvendo todo este período.

Lampião era bem quisto por alguns coronéis, pois se sabe que em meio à medição de força e poder entre os donos dos sertões nordestinos, Lampião foi um veículo utilizado por uns em desfavor de outros. Claro, quando digo utilizado, não estou dizendo que Lampião foi um fantoche nas mãos deste ou daquele coronel, mas que todos ganhavam, porque no acerto entre Lampião e o coronel, cada um tinha como objetivo a satisfação dos seus intentos.

Dizer que: “... o cangaço sai à luz como uma espécie de conspiração tácita sertaneja, irmanando coronéis e cangaceiros na luta surda contra inimigo comum: o poder litorâneo, fonte de toda repressão.” Não é nem forçoso, mas é absurdo mesmo.

Controvérsias à parte, sabemos que realmente Lampião sabia manusear a máquina de costura, bem como bordar. Percebemos que atrás daquela fera, muitas vez insana, havia um indivíduo capaz de sutilezas como costurar, mesmo em um universo tão machista. Quanto a ser um sucesso ou não, bem, sabemos que trabalhar com oralidade é complicado, dada a subjetividade de conceitos e ao fato de a memória ser seletiva. Tanto é verdade que temos depoimentos de sobreviventes que caíram em total descrédito por conta do surrealismo em demasia.

Um exemplo claro de um depoimento deste é o de Barreira ao então pesquisador Frederico. Pelo visto, a memória dele é tão seletiva que esqueceu que Lampião tinha um feeling apurado, tanto que mesmo sem saber que ele seria um traidor execrável, já não gostava dele.
No mais, parabenizo os dois pesquisadores, por serem grandes mestres e nos darem um exemplo tão bom sobre um debate, donde se pode discordar do posicionamento do outro sendo respeitoso e sem perder a admiração mútua.

Sou uma admiradora dos dois mestres e muito tenho aprendido com ambos. Sou uma iniciante nesta seara tão complexa e, por vezes, tão árida de se transitar, mas não podemos e nem devemos desanimar, pois, se as veredas percorridas pelos cangaceiros e volantes não foram nada fáceis, não vamos querer um campo de rosas como terreno para pesquisar.

Se todos colaborassem de alguma forma para com as pesquisas, estaríamos muito mais avançados e não teríamos o que vez por outra temos. Pessoas que usam suas pesquisas como holofotes, sem se preocupar com o futuro do conhecimento, dada a imensidão de teses mirabolantes defendidas com objetivo único de serem mercadológicas.

Saudações Canganceiras

Juliana Ischiara é Pesquisadora, sócia da SBEC.
Quixadá / CE

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

Mulher mais velha da PB completou 111 anos nesta quarta. 

Dona 'Leó'
(Foto: Stanley Talião/Jornal CORREIO)
A paraibana Leodegária Cavalcanti (foto), carinhosamente apelidada de Dona Leó, nasceu no dia 17 de novembro de 1899, ainda no século XIX, em São José de Piranhas, município localizado no Sertão do Estado, e há décadas mora no bairro Jaguaribe, em João Pessoa.

Dotada de plenas faculdades mentais, aos 111 anos Dona Leó, mesmo que precise de um apoio, ainda adora realizar caminhadas diárias na casa onde mora, ouvir notícias, conversar e cantarolar músicas que embalaram a sua adolescência.

Apesar de ter sido noiva, ela nunca casou, mas, possui uma família numerosa com mais de 50 sobrinhos que devem comparecer em bom número para dar os parabéns e festejar mais um aniversário da centenária paraibana.

Ao ser questionada sobre uma das maiores aventuras que viveu, Dona Leó lembra do grande perigo que correu ao ter que se esconder do bando de Lampião em um matagal, no sítio onde morava. Já no ano passado, sem pestanejar, Dona Leó, viajou sozinha de avião ao retornar de um passeio que fez ao Rio de Janeiro, onde passou alguns dias visitando primos e outros parentes.

Da redação do Portal Correio com José Alves do Jornal Correio

Sítio: Portal Correio

*Matéria indicada pelo confrade cap. Narciso "um volante a serviço da Paraíba"

Procurando cordel?

Títulos de Cangaço da coleção Queima-Bucha ! 

  1. O Ataque de Mossoró ao Bando de Lampião - Antônio Francisco (8 pág.)
     
  2. Jararaca arrependido porque matou um menino – Concriz (12 pág.)
     
  3. Vitória de Mossoró no ano de vinte e sete - Luiz Campos (12 pág.)
     
  4. O Encontro de Lampião com Osama Bin Laden - Jandir Bezerra Lins (8 pág.)
     
  5. Chegada de Lampião no Inferno - José Pacheco (8 pág.)
     
  6. O Grande Debate de Lampião com São Pedro - José Pacheco (8 pág.)
     
  7. História de Nazaré - Rubelvam Lira (8 pág.)
     
  8. Detalhes sobre a cidade que combateu Lampião Vol. 1 - José Ribamar (16 pág.)
     
  9. ABC de Jesuíno Brilhante autor desconhecido (8 pág.)
     
  10. Detalhes sobre a cidade que combateu Lampião Vol. 2 - José Ribamar (16 pág.)
     
  11. Virgulino Lampião: Deputado Federá - Jessier Quirino ( 08 pág.) INDISPONÍVEL
     
  12. Eis um pouco da história de Jesuíno Brilhante - Luiz Antônio (8 pág.)
     
  13. Lampião – Capitão do Cangaço – Gonçalo Ferreira da Silva (32 pág.)
     
  14. A Defesa de Lampião – José Augusto (16 pág.)
     
  15. Lampião queimou a fama no fogo de Mossoró – Severino Inácio (8 pág.)
     
  16. A História de Antônio Silvino - Francisco das Chagas Batista (40 pág.)
     
  17. Um Prefeito bom de briga e o Bando de Lampião – Antonio Francisco (12 pág.)
     
  18. A Resistência do povo de Mossoró ao Cangaço - José Ribamar Alves ( 8 pág.)
     
  19. 80 anos de História do combate a Lampião – Concriz (8 pág.)
     
  20. As Mulheres Cangaceiras Humanizaram o Cangaço - Kydelmir Dantas (8 Pág.)
     
  21. Corisco – O Sucessor de Lampião - Gonçalo Ferreira da Silva (32 pág.)
     
  22. O Cangaço, sua origem e os Bravos Cangaceiros - J. Victtor (20 pág.)
     
  23. Maria Bonita – A Eleita do Rei - Gonçalo Ferreira da Silva (12 pág.)
     
  24. Jesuíno, O Cangaceiro Brilhante – Gil Holanda
     
  25. A Caatinga Sustentou Campesino e Cangaceiro –Marcos Medeiros (16 pág.)

    Quanto?
    — 8 a 12 pág.: R$ 2,00 
    — 16 a 24 pág.: R$ 2,50
    — 28 a 32 pág.: R$ 3,00 
    — 36 a 48 pág.: R$ 4,00

Editora Queima-Bucha
Rua Jerônimo Rosado, 271-A - Centro
Mossoró - RN - Brasil - CEP 59610-020: queimabucha@queimabucha.com
Copyright © Queima-Bucha  


E-mail: queimabucha@queimabucha.com
Twitter: @queimabucha
Para outros temas acesse o Sítio: queima-bucha.com

*Matéria indicada pelo confrade Kydelmir Dantas.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Depoimento de João Saturnino. 

Mais uma prévia de um dos próximos documentários da Laser Vídeo com direção de Aderbal Nogueira.

João Saturnino é filho do célebre Zé Saturnino primeiro inimigo de Virgulino. Participação do escritor José Alves Sobrinho, filho de Luiz Cazuza.


terça-feira, 16 de novembro de 2010

 Alcino Perguntou... Frederico respondeu!

Na semana passada o Blog Lentes cangaceiras havia levantado a questão através de um artigo do confrade Alcino a respeito da ultima entrevista concedida pelo pesquisador e escritor Frederico Pernambucano de Mello.

Essa mesma matéria foi publicada pelo Jornal da Cidade com circulação no Estado de Sergipe.

Alguns amigos solicitaram que o Lampião Aceso também publicasse. Preferi esperar por este momento em que o "réu em questão"... (Risos) Se pronunciasse.

Frederico enviou suas considerações para o Lentes cangaceiras e agora lhes apresento ambas explanações. Quem já leu... lê novamente quem não leu aprecia por completo a elegância destes dois cangaceirólogos.

Ah! Aproveito para lembrar que minha frequencia em pesquisas diminuiu o rítmo. Já não posso correr atrás de tudo que é relacionado. Já temos a honra de semanalmente sermos agraciados com mensagens de vários coiteiros.

Portanto: Os demais confrades que desejarem ver os seus artigos, vídeos ou qualquer notícia ou eventos locais com relação aos temas por aqui explorados mandem para nosso email: lampiaoaceso@hotmail.com

Quando enviarem pra um enviem geral. Parafraseando o mesmo mestre Alcino "Somos todos vaqueiros correndo atrás de uma mesma boiada".

Att Kiko Monteiro


A PERGUNTA
Publicado no Jornal da Cidade - Aracaju/SE Edição de 11/11/2010 No caderno B sessão "Opinião" pelo escritor Alcino Alves 

A Globo News, no dia 07 de novembro de 2010, no horário das 22 horas, exibiu para todo o Brasil a tão esperada entrevista do notável historiador e pesquisador do cangaço e de Lampião, Frederico Pernambucano de Melo.
 
Com a competência e o seu imenso saber sobre as coisas do cangaço, o ilustre historiador discorreu sobre fatos e passagens da vida cangaceira, do viver e proceder de Virgolino Ferreira da Silva – Lampião.
Mesmo sabendo e reconhecendo a profundidade do conhecimento e da ilimitada aptidão que Frederico possui em relação a seus escritos, as suas afirmações, os seus registros e o zelo que ele tem em favor da própria história, eu não consegui absorver e nem aceitar algumas de suas respostas a Francisco José, o repórter da Globo.
 
Eis pelo menos duas:
A primeira foi ao responder uma pergunta do entrevistador, que lhe inquiriu sobre qual a relação possível havida entre o cangaço e o litoral. O nosso querido mestre e amigo deixou-me atarantado. A sua resposta foi deveras surpreendente, pois, afirmar que o cangaço nasceu da insurreição ao modo de vida e da grandeza do litoral, deixou-me abismado.
 
A segunda resposta causou-me admiração. Indagado sobre a escolha dos chefes dos subgrupos, Frederico disse sem pestanejar que os mesmos eram escolhidos pela sua capacidade de bordar.
Estas duas afirmativas fizeram com que eu me sentisse envolvido por uma perplexidade muito além do imaginado. Dizer-se que o cangaço nasceu e floresceu em virtude de uma insurreição sertaneja para com o viver e a grandeza do litoral, é de uma fragilidade monstruosa, sem nenhum embasamento, distante, muito distante da realidade histórica do campônio, quase que primitivo, de nosso mundão caboclo.
 
Estou longe, muito longe, do conhecimento cultural deste monumental vaqueiro da história, não só do cangaço mas, também, do nordeste brasileiro. No entanto, não posso deixar de emitir através deste artigo a minha posição sobre o nascimento do cangaço e dizer que, para ser justo comigo mesmo, não concordo e não aceito esta afirmação de nosso fabuloso pesquisador.
 
Como nasceu o cangaço e o cangaceiro? Na minha visão, a raiz do cangaço está na tremenda medição de forças, que varou os anos, entre as poderosas famílias sertanejas e a força prodigiosa dos grandes fazendeiros, especialmente aqueles que se tornaram coronéis legitimados e outorgados que foram, primeiro pelas Velhas Ordenanças e, depois, pela Guarda Nacional do Regente Feijó, em 1831.
 
Inicialmente, o fazendeiro e o coronel tiveram no jagunço a sua proteção e garantia. Com o passar dos anos surgiram os cangaceiros, estes libertos e errantes. Aqueles que fazem parte do seleto grupo de Jesuíno Brilhante, nascido de uma intriga com determinada família, passando por Antônio Silvino, Sinhô Pereira e outros de luz de menor claridade, até chegar a Lampião, a grande e inigualável estrela que colocou os bandos cangaceiros no ápice do andejar pelos campos e caatingas das terras bem distantes das quebradas do mar.
 
Quanto à segunda afirmação, aquela em que foi dito que Lampião privilegiava com a chefia dos subgrupos de seu numeroso contingente, aqueles que sabiam bordar, é uma assertiva descabida e que não merece ser levada em consideração. Dizer-se que Zé Baiano, Zé Sereno, Mariano, Corisco, Labareda, Juriti e outros só foram escolhidos para chefiar alguns dos subgrupos porque sabiam bordar é uma verdadeira aberração. Com certeza nenhum pesquisador comunga com esta afirmativa.
 
Que me desculpe e me perdoe Frederico Pernambucano, essa sua declaração não condiz com tudo aquilo que você representa e nos enche de orgulho em tê-lo como nosso vaqueiro-mor da história sertaneja e da “Era Lampião”.
 
Não é minha intenção desmerecer a imensa, justa e merecida capacidade e conhecimento deste admirável caçador de nossa história cabocla. Não se pode esconder a admiração que todos nós, que vivemos a rastejar as pegadas de Virgolino Ferreira pelas veredas, bibocas e cafundós da terra cabocla e árida de nossos sertões, temos por este admirável ser humano de tantos e tantos predicados. Todavia, mesmo sentindo um aperto em meu coração e com receio de ferir a sensibilidade deste homem que pautou a sua vida em favor da dignidade e do bom proceder, senhor de valores ilimitados, professor dotado de cuidadoso zelo, cuidado e carinho para com os seus registros, feitos e atitudes; mestre que é um paradigma da narração de fatos notáveis ocorridos na vida do povo sertanejo; mesmo assim, meu querido mestre, a minha formação, a minha inquietude em relação às incontáveis histórias, historietas e estórias dos tempos do cangaço e da própria vida do homem do campo, fazem com que eu fique completamente dominado por esta vontade de, mesmo que quase impossível, me aproximar das verdades dos fatos e contestar aqueles que me parecem inverossímeis.
 
É este o motivo deste artigo. Em minhas pesquisas e em meus estudos, especialmente sobre os últimos nove anos de Lampião e seu bando nas terras do Sertão do São Francisco, em Sergipe, jamais conversei ou entrevistei alguém que dissesse que a maioria dos cangaceiros, especialmente os subchefes de grupos, bordava. Até parece que ser mestre em costurar e bordar era a condição maior para que eles pudessem alcançar tal privilégio, o privilégio de chefiar um bando.
 
E o uso dos punhais, era uma influência das facas dos pampas? 

(*) Escritor, pesquisador. Sócio da SBEC.

Jornal da Cidade 

 A RESPOSTA

O pesquisador Alcino Costa, a quem respeito como investigador dos fatos do cangaço, assistiu à entrevista que acabo de dar à Globonews sobre meu novo livro, Estrelas de couro: a estética do cangaço, São Paulo, Escrituras Editora, 2010, prefácio de Ariano Suassuna, e manifesta três indagações, ou objeções, a que respondo abaixo, na ordem em que foram expostas:

1 – sobre o divórcio cultural entre o litoral e o sertão, fruto de falha no processo secular de colonização do Nordeste do Brasil, fazendo com que os homens de uma e outra dessas áreas não se reconhecessem entre si, o que digo é muito simples: o poder político e a opinião pública nuclearam-se sempre no litoral. Toda a repressão aos levantes indígenas, aos quilombos e às revoltas sociais, fenômenos irmãos do cangaço como expressões de insurgência popular rural e armada, partiu sempre do litoral, derramando-se sobre o sertão. Mesmo quando foram cooptados jovens sertanejos para as fileiras das forças policiais - casos de Pernambuco, em 1923, e da Paraíba, no ano seguinte - o comando não saiu do litoral.
 
Quando me levantei, ainda em 1985, no livro Guerreiros do sol, contra o simplismo dos marxistas em considerar o cangaço filho exclusivo da luta de classes envolvendo coronéis e cangaceiros, identifiquei no divórcio litoral-sertão as verdadeiras placas tectônicas que aqueciam os conflitos na região. E mostrei que os grandes cangaceiros, Lampião à frente, foram sempre os queridinhos dos coronéis sertanejos, com exceções difíceis de identificar. Nesse sentido, o cangaço sai à luz como uma espécie de conspiração tácita sertaneja, irmanando coronéis e cangaceiros na luta surda contra inimigo comum: o poder litorâneo, fonte de toda repressão. 

A mais não fui. Nem disse na entrevista.

2 – sobre a importância da costura e do bordado no cangaço, tenho a esclarecer que jamais ampliei o domínio destas em critério único de prestígio hierárquico no bando de Lampião. Seria uma tolice afirmá-lo. Alguma coisa como equiparar o bando de Lampião ao ateliê parisiense de Christian Dior. Em história não há causalidade única, até as pedras o sabem. Disse claramente na entrevista – e desenvolvo no livro que espero venha a ser lido por Alcino - que a valentia e a capacidade de urdir planos vinham na cabeceira dessa criteriologia de ascensão hierárquica no bando, da qual passou a fazer parte, de início timidamente, e depois como concausa cada vez mais relevante, especialmente no meado dos anos 30, a habilidade com as agulhas e as linhas, assim como o domínio da máquina Singer de mesa.
 
É claro que não estamos falando de norma escrita. De ato de Lampião publicado no Diário Oficial do Estado. Não chegamos a tanto, nem mesmo em Sergipe. O preceito há de ser inferido pelo historiador a partir da observação de uma prática reiterada, reveladora de tendência que finda por se consolidar em norma não-escrita. Estamos falando de indução lógica, procedimento abonado largamente pela ciência, segundo o qual, de várias situações singulares comprovadas, se extrai uma proposição de caráter geral. 

Se Lampião costurava e bordava de maneira exímia, no pano e em couro, fazendo-se fotografar alegremente em meio à prática por Benjamin Abrahão (ver Estrelas de couro, p. 83); se o mesmo acontecia com Luís Pedro (ver foto deste, também na Singer, ladeado por Juriti que, atento, parece querer aprimorar-se no ofício, no livro do padre Maciel, 1976, v. III, p. 160), o poderoso lugar-tenente do bando; se Virgínio fazia outro tanto com habilidade (ver depoimento detalhado de Moreno ao cineasta Wolney Oliveira, para filme em preparo); se Zé Sereno, Português e Pancada não ficavam atrás, segundo Barreira e Adília, de que mais necessitamos para inferir a norma? Estão aí os maiorais do cangaço. 

Quantos mais não lhes seguiram os passos na arte cangaceira, sem que disso tenha restado testemunho? Estão aí as máquinas de costura ao lado das cabeças cortadas. Estão aí os bornais amaneirados no luxo de concepção, de costura e de bordado. Agradeço a Deus ter salvo essas provas materiais para a história. Está aí o cangaceiro Candeeiro, em Buíque, Pernambuco, do alto dos seus 96 anos de lucidez, para dizer a quem queira ouvir que os principais cangaceiros, à frente Lampião, costuravam com habitualidade e sucesso no que produziam. No filme documentário A musa do cangaço, de José Umberto Dias, Salvador, 1981, Dadá sustenta gostosamente que “Lampião era um sucesso na máquina de costura”.
 
Há mais: o tenente volante pernambucano Pompeu Aristides de Moura, amigo de Antônio Ferreira antes de tomar a farda, contou-me, em depoimento gravado, ter visto o irmão de Lampião passar “o dia inteiro na máquina de costura, fazendo bornais para o bando, em 1925, no Juazeiro de Joaquim Cândido”, localidade de Floresta, Pernambuco. O cangaceiro Barreira, quando hospedou-se em minha casa por uma semana, em 1990, repetiu várias vezes que Lampião não gostava dele. Até que resolvi perguntar a razão. E ele, no que me pareceu incompreensível à época, respondeu-me de chofre: “Porque eu não sabia costurar”.

3 – por fim, Alcino insinua que eu teria dito que o uso do punhal pelo nordestino seria uma influência da faca dos pampas, quando eu não disse senão que o cangaceiro portava o punhal na parte frontal do corpo, sob as cartucheiras, enquanto que o gaúcho conduz a faca transversalmente às costas. Uma anotação etnológica. Uma curiosidade. Somente.

Agradeço a Alcino a oportunidade de prestar esses esclarecimentos. Quem questiona o que digo ou escrevo, aperfeiçoa meu trabalho. Com livros na praça, o que mais temo é o silêncio. 

(*) Escritor, pesquisador. Sócio da SBEC.

Lentes Cangaceiras