quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Uma grata recordação do Cariri Cangaço 2010 

A prefeitura Municipal de Aurora - Ceará, através do secretaria de Cultura já iniciou o envio dos certificados de participação do 1º seminário "OS 83 ANOS DA PASSAGEM DE LAMPIÃO POR AURORA".

Em nossa opinião este foi um dos melhores momentos do Cariri Cangaço.


Quero agradecer e parabenizar mais uma vez ao secretário, nosso confrade José Cícero, ao prefeito José Adailton de Macedo e à toda equipe pela iniciativa, empenho, receptividade e atenção que tiveram para com todos os participantes do evento, culminando com a qualidade deste.

Att. Kiko Monteiro.

Depois do evento...

No gabinete do "Coroné" 

Retornando pra casa, depois de mais um Cariri Cangaço, de Juazeiro do Norte até Aracaju, fizemos uma conexão em Fortaleza. Os horários incompatíveis exigiram quatro horas de espera.

Ainda bem, visse?

Sobrou para o amigo Ângelo Osmiro nos aturar dispensando o descanso de uma boa tarde de Domingo com a família em sua residência até o horário do próximo vôo. Tô de prosa.

Além do convite e hospitalidade ímpar o Coroné nos apresentou todo seu acervo, começando pelos principais exemplares de sua “modesta biblioteca” com mais de 470 títulos somente sobre cangaço.


Os demais se dividem em: Padre Cícero - outra paixão -, coronelismo, cultura popular e outros movimentos. Este número não inclui o acervo doado pela família do velho e inesquecível amigo Hilário Lucetti como já noticiamos anteriormente.

São muitos os confrades pesquisadores que visitam o famoso gabinete na "terra de Iracema" e ninguém passa por lá sem deixar seu registro no livro. Sempre solicito recebe inclusive estudantes a procura de informações seguras sobre o assunto.



Nesta mesma ocasião fomos presenteados com um trabalho de Ângelo em homenagem a Jaguaruana - Ceará terra natal do seu saudoso pai. O livro foi lançado em 2005.



Quem conhece suas coleções não tem como não se encantar com o bando dos cangaceirinhos dele. São souvenirs de tudo que é tamanho e matéria prima desde o frágil papel ao aço.

Fotografamos alguns dos mais interessantes. Fica a dica aí pra quem conhece o Coroné e quem sabe está em duvida como presenteá-lo. Vamos conferir?

Notaram a semelhança?













Biscuit.
 
O legado do Meste Vitalino.








Acharam pequena?
 
O que me dizem desta? Precisam ver os detalhes.
 


Zé Baiano foi recordação de Alagadiço/SE.



Madeira. Detalhe curioso das botas.
 
Parece metal, mas é papel.

 


Estilo terracota

O altar macabro

Aproveitando o embalo...

Apresento ao Coroné e aos amigos que apreciam o artesanato as novas do Galdino, artesão pernambucano. Ele moldou no barro uma série de cenas do cotidiano "até moderno" do rei do Cangaço com a irreverência e criatividade de quem se criou no Alto do Moura em Caruaru.

A famosa foto com a revista A Noite Ilustrada.





Balançando a rede para Expedita dormir.

Outro ângulo
 

Maria reforma os trajes do amado.

Mulher rendeira ensinando Lampião a rendar
 

A retribuição.

 
Lampião, Maria, Padre Cícero e Gonzagão


Amamentando Expedita.
 
De mãos dadas


Posando para Benjamim.



Brasilidade



Lampião embriagado

 
Veja mais visitando o: Sítio do Galdino

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Fogo!!!

Os "brinquedinhos" que mataram Lampião. 

Por: Ivanildo Silveira, J. Renato e Fábio Costa
Diagramação: Lampião Aceso.

Para me somar em total apoio e exaltação ao Dr Leandro e seu artigo abaixo acrescento este texto que é mais um capítulo de um dos melhores tópicos postados na comunidade do Orkut "Lampião, Grande Rei do cangaço". Desde sua criação ele apresenta uma riqueza de detalhes impressionante, nunca visto, em nenhum livro de cangaço.

Visando esclarecer, ainda mais, a utilização de armas no ciclo do cangaço, sobretudo o uso de metralhadoras, postaremos, logo abaixo, uma descrição destas armas usadas no combate final de Angico /SE , em 28 de julho de 1938, em que tombaram mortos, Lampião e dez companheiros.

Convém ressaltar, que o sonho do Rei do cangaço era conseguir uma destas, para poder se igualar ao poderio bélico da polícia. Tal intento, foi conseguido em 23 de abril de 1931 no Combate da Lagoa do Mel/Touro, com a volante baiana do Ten. Arsênio Alves de Souza. Nesse embate, morreram Ezequiel Ferreira (irmão de Lampião) , e muitos soldados. A metralhadora foi abandonada no campo de luta, mas o esperto tenente, antes de fugir, levou consigo o percursor da aludida arma, para impedir que pudesse ser usada mais tarde . Desse modo, lá se foi o sonho de Lampião de possuir uma "costureira".

Na FOTO, logo abaixo, visualizamos os vencedores do combate em Angico/SE, e suas armas :

1 - Ten. João Bezerra ( comandante da volante );
2 - Aspirante Ferreira de Melo.
3 - Sargento Aniceto.

 O Ten. João Bezerra e o Asp. Ferreira de Melo, estão portando, cada um, uma pistola metralhadora, indicadas por setas.



Duas pistolas metralhadoras MAUSER 712 "fogo rápido" (Schenellfeur) , versão com seletor para fogo automático da Mauser C-96... Vulgarmente conhecidas, por “caixa de pau" por causa do coldre/coronha. Uso de oficiais e graduados das Volantes. Por vezes portaram pistolas espanholas Royal, cópias deste modelo... ( informações postadas nesta comuna pelo perito em armas - Dr. Fábio Carvalho Costa )

 Foto: Museu de armas da Polícia Militar de São Paulo .

Além das pistolas metralhadoras, acima visualizadas, também foi usado no combate de Angico, a Sub-metralhadora Bergman, 1928 II, arma de dotação em várias Forças Públicas, em calibre 7,63 mm Mauser. (Veja a gravura e a foto).
  

Esta arma foi emprestada pelo Sgtº Odilon Flor ao ten. João Bezerra, no dia anterior ao histórico combate.

  FOTO: Museu de armas da Polícia Militar de São Paulo

Nossos confrades J. Renato e Fábio Carvalho Costa especialistas no assunto, analisam a postagem que fizemos, logo acima, enfocando:

1- Capacidade de tiro destas metralhadoras;
2- Tipos de "munição" usadas nas mesma;
3- Alcance, aproximado, de tiro;
4- Outras informações pertinentes, inclusive, correções necessárias.
Um abraço e obrigado pela atenção.

Ivanildo Alves Silveira
Colecionador do cangaço
Membro da SBEC
Natal/RN


 J. Renato Figueira faz suas observações.

O escritor Frederico Pernambucano de Mello no livro ''Guerreiros do Sol" apresenta essa mesma foto da volante com as pistolas-metralhadoras. [ pág 322, no rodapé]
Mas segundo o autor não são Mausers, são Royal, só não descobri qual modelo exato, se o de 1931 [ cano liso e duas cadências de fogo] ou o de 1934 [ cano aletado e 3 cadências de fogo].

As outras duas ''metralhadoras'' [ na verdade submetralhadoras] são a MP 28 [ Guerreiros do Sol fala em MP 18, mas não deve ser] postada acima é uma Bergmann 35 [ chamada de model 34 no livro, mas analisando as fotos trata-se de uma model 35].

As Royal tinham cadência [ em fogo automático] variando de 120 a perto de 1.000 tiros [ !!!!!!!], coisa totalmente impraticável, pois tornava as armas praticamente incontroláveis, tendendo a subir a boca do cano e lançando a maioria dos projéteis pro alto.

Os chineses, grandes consumidores das pistolas Royal e Schnell, desenvolveram técnicas de tiro pra controlar melhor as armas, atirando com elas deitadas de lado, o que fazia com que as armas derivassem na horizontal, o que podia aumentar as chances de acerto.

Pelo menos as balas não iam pra cima, inutilmente.

E essa cadência é só teórica, pois o maior carregador que se conseguia por aqui tinha só 20 tiros, o que dá pouco mais de 1... isso mesmo, UM... segundo de tiro.

Na foto as pistolas estão com os carregadores de 20. Existiram carregadores de 30 e até 40 tiros, mas são raros até nos EUA, onde se acha de tudo.

Já as MP 28 [ ou 18 ] tinham cadência por volta de 400/500 tiros e as Bergmann 35 ficavam na casa dos 650 tiros por minuto.

Isso tudo são cadências teóricas, pois os carregadores tinham no máximo 50 tiros.

Quanto aos calibres, geralmente as Royal eram em 7,63 Mauser, como foi colocado no texto, mas eu vi uma Royal em 9 mm Luger.

As subs citadas também podiam usar ambos os calibres e muitos outros, mas provavelmente eram em 7,63 mm, que era um calibre muito usado pelas forças públicas, como também foi citado no texto. As MP 28 que já vi eram em 7,63.

A única Bergmann 35 que pude examinar era em 9 mm. Talvez existissem armas de diversos calibres em Angico, o que não era incomum, já que até a tão famosa Parabellum usava dois calibres diferentes, conforme o modelo.

Na verdade sem ter uma fonte muito confiável ou sem examinar as subs é difícil dizer qual exatamente era o calibre de cada uma.

Quanto ao nº certo de SUBs do combate de Angicos, acho que chego a uma conclusão:.
O livro é meio confuso e temos que juntar partes de diferentes capítulos para entender a coisa.

O tenente Bezerra usava uma Bergmann 28, carregador de 50 tiros.
Havia duas Royal, portadas por José Carlos ( não é dada a patente de nenhum dos dois) e uma Bergmann 34 [eu acho que na verdade é uma 35 ...] usada pelo soldado Venceslau. Vejam que as Royal são listadas como submetralhadoras.

Um colecionador aqui de São Paulo me disse, há muitos anos, que a Bergmann do tenente Bezerra ficou com ele e a família por muito tempo. O colecionador não sabe o paradeiro atual da peça.

Há uns anos atrás discutimos bastante o assunto das armas dos cangaceiros numa outra comunidade do Orkut. Inclusive discutimos o modelo da tal metralhadora que caiu em mãos de Lampião.
Quem tiver Orkut e paciência de ler: Nossos bandidos históricos

Abraço a todos 
J. Renato


Fábio... sim ele! o "senhor das armas", entra em ação.

Agradeço a deferência do amigo Ivanildo, e coloco a disposição do blog e comunidade meus humildes conhecimentos. Depois do amigo J. Renato vou chover o molhado.

Esta foto acaba com uma dúvida existente (minha inclusive) a muito tempo. Sobre: Que arma automática teria exterminado a Lampião e parte do seu bando.

Havia várias versões sobre o modelo, falava-se em pistolas-automáticas como as da foto (obviamente a versão correta), sub-metralhadoras, ou mesmo metralhadoras leves. Infelizmente a baixa qualidade desta foto não permite discernir se a pistola é uma Mauser , ou uma congénere espanhola como a Royal, Astra, ou Azul ...

Acertadamente o Vigário Ivanildo citou as armas longas de ação automática mais portadas pelas forças policiais naquele período: as sub-metralhadoras {green] Bergman versão MP28 II . As metralhadoras leves mais usadas eram as {green} Madsen e Hotchkiss 1922 .

Quanto as pistolas automáticas, cabe aqui uma distinção: "automáticas" são somente as pistolas que tem uma peça chamada seletor de tiro, ou seja, uma chave ou tecla lateral que pode variar a cadência de fogo entre o tiro intermitente - um tiro por vez - e o automático total , disparando vários tiros em "rajadas". As demais pistolas são todas "semi-automáticas", havendo em exatos 116 anos de fabricação de pistolas coisa de apenas ±10 modelos de pistolas completamente automáticas contra centenas de pistolas semi.

A literatura fala que o modelo usado pelas tropas de Pernambuco seria a pistola espanhola Royal , uma cópia de 1927da Mauser C-96 alemã, com a inovação de acrescentar seletores de tiro ao mecanismo para permitir o regime de fogo semi, e completamente automático.

Podendo inclusive em algumas versões escolher a cadência de tiro automático tendo carregador fixo ou destacável para 10 e 20 cartuchos. Os modelos da Royal sofreram sucessivas evoluções, sobretudo no seletor e no magazine, que passou de fixo nos primeiros modelos a carregador separável na "MM 31" indo de 10 cartuchos iniciais a 20, retornando ao fixo na “MM 34".

A queda na demanda oriental determinou o fim da fabricação em 1934. Podia ter canos aletados ou não, o calibre usual era o 7.63Mauser, eventualmente alguma delas pode ter saído em 9 mm Largo . Tais armas são bem raras e informações sobre seu uso no Brasil (pra variar) é fracamente documentado. Já tive a oportunidade de ver um exemplar de coleção a muitos anos, belíssima arma.

As Mauser 712 (versão de seletor e carregador destacável da Mauser C-96) vieram depois, forçadas pelo sucesso das espanholas Royal , Astra, e Azul , seus clones Espanhóis com seletor de tiro, que as tornavam na prática mini-metralhadoras. Tinham uma precisão, diga-se de passagem, sofrível, por causa da elevada cadência de fogo, e sem o uso da coronha de madeira que é também seu coldre (dai o apelido de caixa de pau a todas elas) eram incontroláveis.

Defeitos a parte tiveram uso limitado em várias unidades policiais especiais de estados como São Paulo, Rio de Janeiro, e Rio Grande do Sul. As Mauser Schnellfeur (fogo rápido como são informalmente conhecidas) certamente poderiam ter sido usadas por outros estados nordestinos, mas não tenho dados concretos sobre isso. As diversas versões civis da C-96 são bem comuns no Nordeste.

 Eis um exemplar de Royal com carregador fixo de 20 tiros, versão fabricada por volta de 1927. Esta versão tinha comprimento total de 32 cm, cano de 15 cm, peso de 1,3 kg, e alça de mira graduada até 1.000 m, com divisões de 100 m. A munição 7,63 Mauser atingia nesse cano cerca de 430 m/s com uma potência de 51 kgm.

Abraços a todos.
Fábio Carvalho Costa

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

As Verdades de Angico 

(*) Por: Leandro Cardoso Fernandes 

Pra começar bem a semana, mais um grande artigo do confrade Leandro Fernandes. (Foto)

Respectivo texto de uma palestra proferida com garra e maestria por ele no Cariri Cangaço 2009 e agora gentilmente enviada como "Gás" para o Lampião Aceso e compartilhada com vocês. 


Siiiiiim! Na próxima semana vamos conhecer a vida, andanças, obras, opinião e as atuais pesquisas de Leandro Fernandes em uma super entrevista, Aguardem!



Escrever sobre o combate do Angico traz uma sensação ambígua: um certo receio por estar pisando em solo instável, recheado de controvérsias e versões discrepantes; e, por outro lado, um destemor confiante por estar devidamente fundamentado para questionar e apontar respostas para alguns dos pontos obscuros.

O que vai exposto a seguir é um exercício de reflexão sobre o dia mais intrigante da historiografia do cangaço, sem pretensões a resolver todos os mistérios do Angico. O epílogo de Lampião sempre foi um palco de vardades metirosas e mentiras verdadeiras, parafraseando o expert Alcino Alves Costa, que colocou boa parte do seu trabalho em apontar os fatos inquietantes daquele amanhecer. Os parágrafos enfeixados a seguir são uma tentativa de contemplar o que há de mais claro e seguro para responder a dois questionamentos apenas, dentre os muitos que se nos apresentam em relação a este episódio.

Vamos lá, então.Precisamos, inicialmente, situar o ambiente onde se desenrolou o fatídico combate.

Lampião, já beirando os quarenta anos, desde meados de 1937 que não brigava. Seu último combate digno de nota foi uma “botada” que Zé de Rufina lhe fez na Lagoa do Domingos João, arredores de Canindé do São Francisco (SE). Então, o Lampião que encontramos no Angico é um Virgulino cansado, fugidio e sem interesses em confrontos com tropas volantes. Pouco tempo antes, Maria Bonita estivera em Propriá, incógnita, para investigar possíveis “escarros com sangue”. Ela própria, na véspera do combate, confidenciara à Cila que gostaria de abandonar aquela vida, chegando, inclusive, a conversarem sobre o que aconteceria caso fossem apanhadas por volantes. O grupo, cada vez mais, parecia menos aguerrido.

Candeeiro, em entrevista concedida ao documentário “Candeeiro” de Aderbal Nogueira, revela que Lampião, antes de atravessar o São Francisco, disse a seus comandados que estava com vontade de fazer uma ‘longa viagem’ para Minas Gerais e que, quem quisesse ir junto, seria bem vindo:  
“Tô com vontade de ir pra Minas. Por que se vai pra Sergipe leva bala; pra Bahia, leva bala; pra Pernambuco, bala. Aqui não dá mais pra viver.”
Tudo sinalizava para uma guinada na vida do Rei do Cangaço: ou abandonaria aquela vida para viver em outras plagas, com identidade falsa; ou apenas repetiria o que havia feito em 1928, quando, atravessando para a Bahia, renovou o palco do cangaço. Aqui chegamos ao primeiro questionamento:
Lampião realmente morreu no Angico?
Teria ele abandonado o palco de lutas no sertão, colocado um substituto no seu lugar e rumado para Minas?
Antes de analisarmos os fatos, devemos recordar que há uma certa dificuldade geral em se aceitar “pacificamente” a morte de um herói ou de um mito. Desde os tempos de Dom Sebastião, rei de Portugal, passando por Elvis Presley e agora, mais recentemente, Michael Jackson, que as pessoas tentam se convencer de um possível “milagre” para evitar o fim trágico, a morte de seus ídolos. Com Lampião não foi diferente. O grande chefe de cangaço sempre despertou sentimentos contraditórios, mesmo em seus perseguidores, que colocavam nele a pecha de bandido, mas o admiravam como inimigo valente, destemido e inteligente.
Então, surgem afirmações desse tipo: - o grande estrategista que era Lampião nunca se deixaria apanhar num cerco como o que foi feito em Angico! Entretanto, quem faz esse tipo de afirmação não coloca o risco real da vida; esquece que grandes bandidos, como Jesse James, Billy the Kid e outros foram mortos de maneira semelhante, às vezes sem qualquer esboço de reação. É a vida real, livre dos subterfúgios de nossa vontade romanceada.

Recentemente veio à lume o livro de José Geraldo Aguiar, “Lampião, o invencível – Duas Vidas e Duas Mortes”, afirmando que Lampião teria escapado do cerco de Angico e morrido em Minas Gerais na década de noventa, com identidade trocada (na verdade, várias trocas de nomes).

Ao analisarmos o que está posto no livro supracitado, verifica-se de imediato a falta de embasamento, seja documental, seja por depoimentos de pessoas que conheceram Lampião, para que se possa dar crédito a tal teoria. As entrevistas enfeixadas no livro são de pessoas que tiveram contato com o pretenso Lampião lá em Minas Gerais. Não há qualquer depoimento de quem o conheceu na época do cangaço. O Sr. João Teixeira Lima (o dito Lampião mineiro) poderia muito bem, de maneira muito cômoda, chamar para si a identidade de Lampião, quem sabe buscando intimidar as pessoas em sua volta, mantendo uma atmosfera permanente de mistério em torno de si próprio.

A comprovação de veracidade do conteúdo exposto por José Geraldo Aguiar baseia-se basicamente no próprio depoimento do candidato a Lampião, e em exame comparativo de fotos, que sequer levou em conta a ausência do leucoma característico do olho direito do Rei do Cangaço, no Sr. João Teixeira Lima. Chama a atenção também a gritante diferença entre a personalidade do “Lampião de Buritis” e a do verdadeiro Virgulino Ferreira. O primeiro, um sociopata, de difícil convívio, sem amizades, que quando se via em dificuldades, para conseguir o que desejava, vociferava que era Lampião ou então bradava “você sabe com quem está falando?”.

O verdadeiro Lampião tinha personalidade diametralmente oposta: era cordial, calculista, profícuo em fazer amizades (inclusive com deputados, interventores e autoridades), não demonstrando qualquer problema de relacionamento. Tanto isso é verdade que construiu enorme e sólida rede de coiteiros e amigos em vários estados nordestinos, além de atrair para as fileiras do cangaço centenas de homens e mulheres.

José Geraldo Aguiar, no seu livro, diz que o cangaceiro Zé do Sapo morreu como substituto do Rei do Cangaço, no Angico. Afirma também que os soldados teriam jurado e cumprido, sob pena de morte, não ‘abrir o bico’ sobre a “farsa” encenada na madrugada de 28 de julho de 1938. Ora, basta uma análise superficial dos fatos para perceber que estas ilações estão edificadas sobre pés de barro.
Quem foi o tal de Zé do Sapo?
Alguém o conheceu?
A que subgrupo pertenceu?
Qual o seu nome verdadeiro?
Impossível obter resposta para estas questões, uma vez que são frutos da invenção de um personagem imaginário – à semelhança do Paturi do pesquisador Frederico Bezerra Maciel – para preencher lacunas de uma tese insustentável. Quanto ao cumprimento do ‘juramento’ dos soldados, sob pena de morte, eu pergunto: como conseguir esse intento, apartir de soldados brutos de 3 volantes (Bezerra, Ferreira de Melo e Aniceto), que não conseguiam sequer obedecer à hierarquia? Lembrem-se que Antonio Jacó desobedeceu, à vista de todos, as ordens de João Bezerra quanto a devolver o produto do saque que fizera ao cadáver do cangaceiro Luís Pedro.

Vale ressaltar que nos depoimentos de Zé Sereno, Cila e Candeeiro, Lampião acordara cedo e rezara com o bando (aqueles que quiseram) o Ofício de Nossa Senhora. Depois tomou café feito pelo cangaceiro Vila Nova (o único que estava devidamente equipado), segundo depoimento de Zé Sereno. Após o desjejum com Vila Nova, Lampião ordenou que Amoroso fosse buscar água para o café dos outros, que ainda curtiam o friozinho daquela manhã (sob as cobertas), conforme depoimento de Cila e Candeeiro. O tiroteio irrompeu sobre Amoroso, que, por milagre, pelo medo e embriaguês dos soldados, escapou ileso. Neste momento, Lampião conversava com Zé Sereno e Luís Pedro. Sereno teria dito: “não falei que a gente brigava hoje?”.

Com relação ao reconhecimento do cadáver do Rei do Cangaço, cito aqui, rapidamente, Joaquim Góis, que reconheceu a lesão cicatricial de seu tornozelo direito; Pedro de Cândido, que além de reconhecer a cabeça do Rei e da Rainha do Cangaço, identificou os corpos decapitados para curiosos e jornalistas; e Durval Rodrigues Rosa, que afirmou textualmente “ainda hoje é ‘serviço’ fazer o povo acreditar que foi mesmo
Lampião que morreu naquele dia. (...) Eu tinha visto ele nos dias anteriores e poderia reconhecer aquele rosto em qualquer foto, quanto mais assim de perto, como eu vi.”
Após esta análise concluímos que: Lampião morreu realmente na madrugada de 28 de julho de 1938, na margem sergipana do rio de São Francisco, em Angico.

Passemos ao segundo questionamento.
Qual foi a causa da morte? Veneno? Bala? Outra causa?
Antes de analisarmos os fatos, vale a pena explicar que esta controvésia sobre um possível envenenamento dos cangaceiros ganhou terreno a partir de declarações de Manoel Neto a um jornal pernambucano, sugerindo que os cangaceiros teriam sido envenenados por um coiteiro (cujo nome não cita). Esta e outras declarações veiculadas na imprensa pernambucana foram rebatidas por João Bezerra e por Francisco Ferreira de Melo, creditando-as ao despeito e à tentativa de ofuscar o brilho do feito.

Mais munição para esta controvérsia foi a débil reação do bando no combate em Angico, que também suscitou especulações. Outro reforço à tese está na propalada mortandade de urubus, que, ainda hoje, não foi confirmada. Essa última apareceu em uma declaração de Wandenkolk Wanderley à imprensa, afirmando que vira vários urubus mortos, contradizendo o depoimento que dera mais de 30 anos antes e que, curiosamente, não apresentava a mortandande dessas aves. Já o escritor Joaquim Góis disse que, ao chegar em Angico, logo após o combate, avistou “muito urubu alegre naquele dia”.

Uma coisa é certa: se realmente houve a tão propalada mortandade de urubus, a quantidade de veneno ingerida pelos cangaceiros teria sido incrivelmente grande. Outro detalhe importante desta história é que, por causa da fedentina dos corpos, despejaram sobre os mesmos cal e creolina, o que poderia ter causado a morte de algum urubu, por lesão aguda da mucosas digestivas destas aves.
Vamos em frente.

Os Cães

Outro reforço para a tese da farsa e do veneno é que os cachorros não deram o alarme, não denunciando os soldados, que seriam “estranhos”. Mas, mesmo após uma simples análise, encontramos vários motivos para que os cachorros não tivessem se manisfestado.
Vejamos.

Em primeiro lugar, nos reportaremos ao perfil dos cães. Candeeiro, em entrevista no vídeo de Aderbal Nogueira, ao responder os questionamentos de Paulo Gastão, o entrevistador, é taxativo em dizer que Guarani, o cachorro de Lampião, era quieto e não latia, apenas “saía atrás da gente” – SIC. Isso nos força a refletir sobre a maneira de ser, a “personalidade” do cão, provavelmente sinalizando que os cães eram de companhia e não feras nervosas que latiam à aproximação de quem quer que fosse. Se esse fosse o caso, os cangaceiros ficariam expostos, pois cachorro latindo no meio da caatinga é o pior que poderia acontecer ao grupo, uma vez que denunciaria sua localização.

Além do mais, como a madrugada fora de chuvisco e frio, muito provavelmente os cães estavam abrigados, ou sob os arbustos ou junto dos donos, sob as tordas. A própria disposição dos grupos naquele leito seco de pedras, dificultaria enormemente o discernimentos dos cães quanto a invasores, pois é sabido que naqueles dias juntaram-se ao bando de Lampião os subgrupos de Zé Sereno, Luís Pedro, o sobrinho de Lampião, José, e os coiteiros Manoel Félix, Pedro de Cândido e Durval. Ou seja: TODOS ESTRANHOS aos cachorros! E ainda faço outro questionamento: como os cães conseguiriam distinguir um soldado de um cangaceiro, uma vez que se vestiam de maneira semelhante, utilizando, inclusive perfumes variados, que confundem o faro canino?

Vamos mais adiante. Ainda desfiando o possível envenenamento de Lampião, eu me questiono: a que horas o Rei do Cangaço teria ingerido o veneno?

Balão, em famosa entrevista, afirma que foram dormir por volta das 22h. Supondo que Lampião tenha jantado antes de dormir - no caso de envenenamento –, deveria ter ingerido algo tóxico nessa ocasião e, portanto, morrido durante a madrugada. No entanto, deparamo-nos com o Capitão Virgulino rezando o Ofício de Nossa Senhora logo cedo (depoimentos de Cila, Candeeiro, Zé Sereno e Balão). Cila, com preguiça, não havia se levantado para fazer a oração. Já Balão, após a reza, voltou a deitar-se, pois ainda era muito cedo e fazia frio. Lampião tomou o café feito pelo cangaceiro Vila Nova e, conversando com Luís Pedro e Sereno, ordena que Amoroso vá buscar água para o café dos outros, ocasião em que o tiroteio é deflagrado.

Aí, então, eu volto a perguntar: a que horas Lampião foi envenenado? Após o “jantar” da noite anterior, a “próxima” provável refeição do Rei do Cangaço, onde poderia ter ingerido algum veneno, seria o café feito e tomado com Vila Nova. No entanto, este cangaceiro não morreu, nem de veneno, nem de tiro, pois o reencontramos por ocasião das entregas, bem de saúde, alguns meses depois.

Ao analisarmos os principais venenos que poderiam ter sido utilizados contra os cangaceiros, e o quadro clínico decorrente de sua ação no organismo, é que realmente temos a certeza de que os cangaceiros no Angico não foram envenenados.

Estricnina: é um alcalóide extremamente tóxico, e uma das substâncias mais amargas que existem; seu gosto é percebido em concentrações da ordem de uma parte por milhão (1ppm). O quadro clínico da intoxicação pela estricnina é bastante exuberante, incluindo pródromos de câimbras e dor; rigidez dorsal e cervical; rigidez de extremidades; agitação e ansiedade; hipertonia; convulsões (com o paciente acordado e lúcido); opistótono (espécie de contratura involuntária da musculatura paravetebral, deixando o corpo em forma de arco); “riso sardônico”; paralisia respiratória e parada cardiorrespiratória. Ao analisarmos as fotos das cabeças cortadas e dos corpos insepultos, não há qualquer evidência de posições de hipertonia ou espasmos da musculatura facial, sugerindo o “riso sardônico”, muito menos relatos do sobreviventes ou da polícia testemunhando crises convulsivas ou contrações involuntárias generalizadas, afastando a possibilidade do seu uso no episódio do Angico.


Arsênico: também conhecido como “veneno de sucessão”, em razão do seu largo uso na crônica histórica, principalmente no assassinato de reis por seus sucessores. A sua grande “vantagem” de uso seria o fato de não ter odor e parecer açúcar, facilitando a administração. Entretanto, no seu quadro de intoxicação, encontramos: arritmias cardíacas graves, neurite, nistagmo, choque circulatório, convulsões, tremores, sudorese, vômitos incoercíveis, tosse, diminuição do nível de consciência, lacrimejamento, etc.... Nada disso foi visto nos cangaceiros, nem pelos que escaparam, nem pelos volantes.

Cianureto: têm um típico sabor amargo, lembrando amêndoas. A sintomatologia da overdose inclui taquicardia, alternando com bradicardia; hipotensão arterial/choque circulatório; prurido, agitação psicomotora; dor de cabeça; cianose; acidose; nistagmo; coma, hipotermia; náuseas e vômitos incoercíveis; edema agudo pulmonar. Da mesma forma, nenhum dos sinais e sintomas expostos aqui foi visto ou relatado por cangaceiros ou policiais, desmoronando, definitivamente, a tese do envenenamento.

Como se não fosse o bastante, vale ainda lembrar que, entre os que morreram, Enedina foi alvejada na cabeça enquanto estava correndo (depoimento de Cila e Candeeiro); Mergulhão, antes de morrer, conversou com Candeeiro (depoimento de Candeeiro); Luís Pedro foi visto por cangaceiros e policiais conversando com Maria Bonita ferida; Lampião conversava com Zé Sereno e Luís Pedro quando o combate iniciou. Ou seja: dos onze que morreram, cinco possuem evidências sólidas testemunhais de que não estavam envenenados ou com sinais (ou sintomas) de envenenamento.

Vejamos as palavras de Candeeiro, em resposta ao questionamento de Paulo Gastão, no vídeo de Aderbal Nogueira:
- “...E que Lampião morreu envenenado, o que é que você acha dessa história?” – Paulo Gastão.
- “De jeito nenhum. Lá não tinha veneno, não, rapaz. Lhe juro como essa luz que nóis tamo vendo” – Candeeiro.
O Álcool

O cangaço e sua repressão eram movidos a álcool. E os efeitos sistêmicos do etanol, na concentração de até 3g/litro de sangue, podem explicar muitos dos supostos desencontros do Angico, principalmente entre os depoimentos. Alterações como perda da eficiência (os tiros perdidos sobre Amoroso), déficit de atenção e prejuízo de julgamento e controle (a quebra de hierarquia, as agressões de Ferreira de Melo a Durval), déficit de atenção, memória e amnésia alcoólica (as discrepâncias com relação à chuva, horários e companheiros presentes).

As limitações impostas pelo excesso de álcool somadas à dificuldade natural de registro das situações que acontecem perifericamente, numa situação de intenso estresse físico e emocional, podem, sem sombra de dúvida, resultar em pequenas imprecisões e distorções, principalmente no que diz respeito à sucessão dos acontecimentos.

Com relação às divergências no calor do combate, o depoimento dos cangaceiros tende a ser mais fiel, uma vez que os soldados provavelmente beberam durante a madrugada, e os cangaceiros ficaram acordados no máximo até às 23h do dia anterior. E, além do mais, a surpresa do combate, invariavelmente impõe uma sobriedade forçada aos cangaceiros, que estavam em desvantagem e tinham que sobreviver ao ataque surpresa.
  
Bala

O tiroteio ou combate do Angico pode ser rememorado em cores vivas pelos depoimentos de qualquer dos cangaceiros ou volantes sobreviventes. E a maior prova que ele foi intenso e real é o número de mortos e feridos: 12 mortos (incluindo o soldado Adrião) e os feridos: Balão, Candeeiro e João Bezerra.
 O revide de Lampião aconteceu, apesar de bem abaixo do esperado para o grande estrategista do Cangaço. No vídeo já citado de Aderbal Nogueira, o entrevistador (Paulo Gastão) faz o seguinte questionamento:
- “Como é que um homem com a experiência de Lampião, com esses tiros todos, não deu um tiro nesse tiroteio? - Paulo Gastão.
- Deu não! Lampião tava do lado de cima. Amoroso deixou o fuzil, não pode pegar. Aí cerrou o tiroteio pro lado de Lampião- Candeeiro.
Candeeiro, nesta excelente entrevista, afirma que ainda viu Lampião dando ordens aos cabras, quando do início do tiroteio, mas que não pôde reagir por ter tido seu fuzil danificado.
Candeeiro resume assim o início do combate: estava deitado quando ouviu um tiro seco. Sentou, achando que fosse alguém “treinando”. Ouviu outro tiro, e então já se levantou, e aí o “mundo desabou”. O tiroteio cerrou para os lados de Lampião, que, provavelmente, não teve oportunidade nem tempo para organizar o revide. Estava dado, portanto, o tiro de misericórdia no cangaço, que ainda estrebucharia até maio de 1940, o fim de Corisco.

Conclusão do segundo questionamento:
Lampião morreu vitimado por lesões provocadas por projéteis de arma de fogo, juntamente com mais dez companheiros, no calor do combate do Angico.
Estas são as verdades de Angico, analisadas à luz dos fatos, a partir de depoimentos de sobreviventes e sob a ótica da ciência. A verdade absoluta e imutável nunca será encontrada, pois um mesmo fato, quando observado por diferentes pessoas, resulta em diferentes interpretações. Aí está a principal fonte dos “mistérios” do Angico. O desafio é conseguir o melhor “pente fino” para filtrar toda essa enxurrada de informações, e ter como resultante a evidência mais próxima da verdade, como menor margem de erro, e sairmos desse lodaçal de especulações sensacionalistas que, quando não submetidas à inteligência, além de não levar a nenhum lugar, só nos impõe tropeços e escorregões, como, por exemplo, a inconsistente teoria do Lampião de Buritis.

Não poderia deixar de homenagear os comandantes João Bezerra da Silva e Francisco Ferreira de Melo, os verdadeiros heróis do Angico. Os dois agiram em tão perfeita sintonia que, mesmo diante dos vários empecilhos encontrados (a recusa inicial de Pedro, o início do tiroteio sem que o cerco estivesse fechado...) tiveram sucesso e deram cabo de Lampião, Maria e mais nove cangaceiros. As luzes de Bezerra e Ferreira de Melo ofuscaram largamente a genialidade militar de Lampião, às custas da surpresa (arma que sempre estivera a favor do cangaceiro) e da inteligência militar bem aplicada.

Antes de encerrar, gostaria de enfatizar que esta discussão sobre Angico somente é possível devido à coragem e determinação de dois grandes desbravadores: Antônio Amaury Corrêa de Araújo, que foi quem primeiro vislumbrou como pesquisador os acontecimentos daquela madrugada, e os colocou em ordem, presenteando-nos com uma obra fundamental sobre o assunto; e Alcino Alves Costa, que, inquieto e questionador, vem nos exortando a reflexões como estas, sobre o que parece ser a verdade.

Eles não comungam da célebre máxima exposta no filme “O Homem que Matou o Facínora”, de John Ford, onde o jornalista, ao saber que a verdade dos fatos é bem menos ‘heróica’ do que a lenda, diz:  
Quando a lenda se tornar fato, imprima-se a lenda”.
Alcino e Amaury sempre preferiram os fatos. Parabéns a eles.Para encerrar, deixo um pensamento de Epictetus, que, na sua essência, nos exorta a não apenar ver o episódio do Angico, mas enxergá-lo com bom senso e honestidade.  
“As aparências para a mente são de quatro tipos: as coisas ou são o que parecem ser; ou não são, nem parecem ser; ou são e não parecem ser; ou não são, mas parecem ser. Posicionar-se corretamente frente a todos esses casos é a tarefa do homem sábio”.

Referências:
1) Aguiar, J. G. “Lampião, o invencível – Duas Mortes e Duas Vidas”. Thesaurus editora. 2009.
2) Nogueira, Aderbal. Vídeo “Candeeiro”. 2006.
3) Leikin, B et all. “Poisoning & Toxicology Compendium”. 1998.
4) Dantas, S. A. S. “Lampião – Entre a Espada e a Lei”. Editora Cartgraf. 2008.
5) Araújo, A. A. C. “Entrevistas com Balão, Zé Sereno e Cila”. 1971-73.
6) Fernandes, L. C. “Entrevista com Cila”. São Paulo, 2003.

FOTOS E FATOS:



 1) A Cabeça do Rei do cangaço, com leucoma e provavelmente pedações da massa encefálica nos cabelos. É Lampião, incontestavelmente.

  2) O verdadeiro Lampião, à esquerda. O pretenso Lampião de Buritis, à direita. Notar o formato diferente do queixo. Foto do livro Lampião – Entre a Espada e a Lei” do Pesquisador e escritor potiguar Sérgio Augusto de Souza Dantas.


*Leandro Cardoso Fernandes: É médico (Universidade de Pernambuco – 1997), especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pela Escola Paulista de Medicina (2005), autor do livro “Lampião: A Medicina e o Cangaço” (em parceria com Antônio Amaury Corrêa de Araújo); autor do cordel: “Sinhô Pereira: O Homem que Chefiou Lampião”. Contato: leandrocfernandes@globo.com