quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O cangaço em imagens

Fotografias post mortem

O cangaceiro Cirylo de Engrácia, morto.


Um dos hábitos mais macabros atualmente que acompanha o ser humano é o de guardar em seu celular fotos de pessoas mortas. Mas, este hábito não é tão jovem assim. Acompanhem este segundo episódio que tirará sua dúvida sobre o ato de fotografar pessoas mortas.

No programa Verdade ou mentira? #2 o professor e pesquisador Robério Santos, entre outros períodos trata dos registros fotográficos na história do Cangaço Lampiônico.

Assista este e outros programas do confrade Robério a partir do vídeo abaixo


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Reedição na praça

Cicinato relançou "A Misteriosa Vida de Lampião"
 

Já está disponível a nova edição revista e ampliada do livro "A Misteriosa Vida de Lampião" de Cicinato Ferreira Neto. agora em capa dura e papel pólen.

Virgulino Ferreira, o Lampião, teve uma vida – e uma morte – cheias de mistérios.
 Por que entrou no cangaço ? Como conseguiu resistir a mais de vinte anos de perseguições policiais ? Como estabelecia a sua rede de colaboradores ? Como a polícia conseguiu chegar ao seu esconderijo? 

São indagações que tornam cada vez mais apaixonante tudo o que se refere à Lampião e ao mundo dos cangaceiros. No livro “A Misteriosa Vida de Lampião”, a trajetória do rei dos cangaceiros é acompanhada com detalhes, ano a ano, desde a sua entrada no cangaço até o massacre de Angico.

Episódios são apresentados em versões diferentes, informando e estimulando o leitor à análise do que realmente pode ter ocorrido.

352 páginas. Valor R$ 40 (Quarenta reais) com frete incluso Para adquirir, basta entrar em contato com o autor através do e-mail cicinatoneto@zipmail.com.br ou através do Perfil do autor no Facebook

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Novo Livro na Praça

"O Patriarca: Crispim Pereira de Araújo, Ioiô Maroto".


O livro "O Patriarca: Crispim Pereira de Araújo, Ioiô Maroto" de Venício Feitosa Neves será lançado em no próximo dia 4 de setembro as 20h durante o Encontro da Família Pereira em Serra Talhada.

A obra traz um conteúdo bem fundamentado de Genealogia da família Pereira do Pajeú e parte da família Feitosa dos Inhamuns.

Mas vem também, recheado de informações de Cangaço, Coronelismo, História local dos municípios de Serra Talhada, São José do Belmonte, São Francisco, Bom Nome, entre outros) e a tão badalada rixa entre Pereira e Carvalho, no vale do Pajeú.

O livro tem 710 páginas. Você já pode adquiri este lançamento com o Professor Pereira ao preço de R$ 85,00 (com frete incluso) Contato: franpelima@bol.com.br / fplima1956@gmail.com

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Uma noite no cenário do fim

Impressões sobre a Visita Técnica à Grota do Angico
Por Camilo Lemos.

À pedido do pesquisador e conselheiro do Cariri Cangaço Jorge Remígio, vou tentar descrever as minhas impressões sobre a VISITA TÉCNICA À GROTA DO ANGICO, município de Poço Redondo-SE, realizada na madrugada do dia 27 para o dia 28 de julho de 2016. E assim poder ajudar de alguma forma nas discussões em torno do que aconteceu na madrugada do dia 28 de Julho de 1938. Mesmo sabendo que qualquer conclusão será relativa, será aproximada do que de fato ocorreu. São apenas as minhas impressões.

Por ocasião do CARIRI CANGAÇO realizado durante a semana do cangaço em PIRANHAS-AL, entre os dias 28 e 30 de Julho de 2016. Cheguei à véspera em Piranhas, pois pretendia assistir a Missa em homenagem aos mortos na Grota do Angico-SE na manhã do dia 28. À Convite de Petrúcio Rodrigues e Celsinho Rodrigues (idealizador da experiência), fui incorporado ao grupo de pesquisadores que contava com: Ivanildo Silveira, (pesquisador, Conselheiro do Cariri Cangaço e membro da SBEC), João de Sousa Lima (historiador, escritor, membro da ALPA – academia de letras de Paulo Afonso), Lourival Telles (pesquisador de grande experiência), eu (Camilo Lemos) cuja única certeza é de ser Vascaíno (pesquisador), os já citados conhecedores da região desde o berço, Celsinho Rodrigues (pesquisador, conselheiro do Cariri Cangaço e bisneto de Chiquinho Rodrigues), Petrúcio Rodrigues (pesquisador, gente muito boa e sobrinho de Chiquinho Rodrigues).

 Da esquerda para a direita: João de S. Lima, Petrúcio Rodrigues, 
Celsinho Rodrigues, Ivanildo Silveira, Louro Teles e Camilo Lemos.

Obs.:As anotações de horário foram feitas por João de Sousa Lima, que escreveu esta experiência no seu blog. Embarcamos no Catamarã SERTÃO, comandado por Hugo Araújo Gonçalves, experiente navegador do São Francisco.

 Catamarã Sertão do comandante Hugo Araújo Gonçalves.

23h00min Começa a experiência de repetir o mesmo trajeto feito pela volante comandada pelo TEN. João Bezerra, 78 anos antes. No percurso foram desligadas as luzes da embarcação para verificar a visibilidade,

23h45min Na altura da fazenda Remanso, as luzes e o motor do SERTÃO foram desligados. Na noite fria, na imensidão do São Francisco, as estrelas apareceram dando uma visão deslumbrante e inesquecível da paisagem, deu uma ideia do que João Pernambuco e Catulo da Paixão Cearense quiseram dizer na sua “LUAR DO SERTÃO”. Ouvimos perfeitamente o som dos animais vindo das margens. Na água e entre os paredões ouve-se perfeitamente. Na escuridão é possível ver as duas margens do rio. Segue o barco.


 Rompendo a escuridão nas águas do São Francisco 
e desembarque na margem sergipana.

00h00min Atracamos

00h15min Desembarcamos

Experiência de disparo de arma de fogo curta, calibre 38, efetuado por LOURO TELLES na entrada da trilha, ainda na margem do rio. Fiquei a uma distância de aprox. 10 metros do disparo. Depois do estampido seco e metálico característico de um revolver e, dentro de um intervalo entre um a dois segundos, o eco produzido nos paredões se aproxima ao som de um trovão, sentimos a onda sonora retornando como um longo “ronco”, “mais parecia uma rajada”, como descreveu João de Sousa Lima.

 Entrada da trilha utilizada pela Força Volante 
comandada por João Bezerra 78 anos antes.

Às 00h25min Entramos na trilha, a mesma utilizada pelo Ten. João Bezerra, Aspirante Ferreira de Melo, SGT. Aniceto e mais 45 policiais volantes, orientados pelo coiteiro Pedro de Cândida e seu irmão Durval Rosa 78 anos antes. Em fila, intercalada pelas lanternas, entramos em terras sergipanas. Essa trilha tem aprox. 800m. A Visibilidade é muito baixa. Desligamos as lanternas e esperamos a visão se adaptar ao escuro. Repetimos este procedimento em diversos pontos. Em todas às vezes a visibilidade era quase nula.

A Trilha hora estreita, hora íngreme e em certos trechos com terreno  acidentado de pedras soltas, torna a caminhada difícil. Mesmo com a s lanternas acesas, o caminho é difícil.  No trajeto imaginava como teria sido à 78 anos. 48 homens com armamento, munição, sob uma forte tensão, o corpo em alerta, olhos e ouvidos no silêncio e na escuridão, um caminho tortuoso e apenas uma certeza (?). Iriam encontrar um forte grupo armado cujo líder era “nada mais nada menos” que LAMPIÃO. Meu corpo começou a reagir, veio o instinto de sobrevivência aguçando todos os meus sentidos: o ouvido treinado de músico não procurava mais acordes, mas qualquer ruído; meus olhos procuravam o caminho, meus pés, a melhor pedra.  Embora já acostumado a trilhas noturnas, essa tinha um sabor especial, a história envolvia todos nós.


Alto das Perdidas, local onde foram divididas as frentes da Volante.

No Alto das Perdidas, uma pausa para debate envolvendo dúvidas, conclusões, fatos. Repetimos a experiência de ficar totalmente no escuro. Um céu de lua minguante nos dava pouquíssima luminosidade. Desse local onde o Ten. João Bezerra dividiu a volante, ouvimos o primeiro grupo de pesquisadores que havia chegado à tarde. Uma observação: diferente das condições climáticas da mesma data em 1938, não chovia. Portanto, nem o grupo que já estava acampado, nem nós estávamos “Encobertos” pelo som da chuva, tampouco o acampamento estava em surdina.  Ouvíamos os sons vindos da grota.

01h15min Chegada na Grota
 
 Chegada ao local das cruzes

 – “Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo”
 – “Para sempre seja louvado”
Cristiano Ferraz, José Lopes Tavares, Giovane Macário Gomes de Sá foram os primeiros a nos receber. Além dos citados acima, Já estavam no local os pesquisadores: Cícero Rodrigues, Richard Torres Pereira, Romilson Santos, Vaneildo Bispo, Maria Oliveira e Sálvio Siqueira.

Dois fatos me causaram uma grande surpresa, perguntado ao grupo que encontramos se teriam ouvido disparo feito por nós no início da trilha. A resposta foi negativa.  Em seguida  deparamo-nos com uma desagradável cena, a ausência da placa e da cruz posta em homenagem ao soldado Adrião Pedro de Souza. Lamentavelmente arrancada, em desrespeito a esse ser humano, a historia e a todos os pesquisadores do tema. Devo confessar, a cruz do soldado causou-me estranheza ao vê-la pela primeira vez. Estranheza maior foi notar naquele momento sua ausência. Neste instante, veio-me na lembrança o escritor e historiador, Antônio Vilela, um dos que homenageou o soldado Adrião com a placa e a cruz.


O acampamento estava montado.  Armamos nossas redes, tive o auxilio de José Lopes Tavares que teve a atenção de verificar se estava tudo certo. Coisa de quem tem nobreza. Resolvi passar a noite em claro, conversei individualmente com alguns dos que estavam acordados e em pequenos grupos que se formaram em torno da fogueira. A lua já estava sob nossas cabeças, já passavam das 01h50min.

Entramos no dia 28 de julho.

 E o tempo passou na grota.

Entre 04h30min e 04h45min, Cristiano Ferraz (policial, escritor e pesquisador) efetuou uma série de disparos com pistola calibre 380 dentro da Grota, próximo do local onde estão as cruzes. Minha localização era a uma distância de um metro à esquerda de Cristiano. Segundo ele, recebi o maior impacto sonoro devido a minha posição. No terceiro disparo, meu tímpano estalou, ressoando um apito contínuo. Mas foi possível observar a diferença do som e do eco nesse local. O ambiente agora era uma baixa cercada de pedras com vegetação alta. O som teve menos eco e foi mais brilhante do que o disparo efetuado no início da trilha. A visibilidade ainda era baixa.

Como nos informou Fábio Carvalho (pesquisador e especialista em armas de fogo): as armas curtas que geram 115 decibéis podem atingir uma altura superior e essa intensidade é considerada uma zona de ruído perigosa.  Armas classificadas como Sub Sônicas atuam na área abaixo de 330m\s ex. revolver CAL.38. Armas classificadas como Super Sônicas, a exemplo do Fuzil, ultrapassam os 330 m\s gerando estampidos muito mais altos. Seria preciso um decibelimetro para termos uma medição precisa. Com esses dados é possível ter uma ideia do volume sonoro gerado pelos disparos de dezenas de fuzis e três metralhadoras. Por maior que seja a experiência em combate, os efeitos do impacto sonoro geram uma “desorientação”. Embora se tenha treinamento para manter o foco, como por exemplo, os lutadores de MMA são condicionados a “ouvir” apenas a voz do seu treinador durante a luta. A questão é a diferença entre pessoas gritando e fuzis disparando. O que torna a tarefa mais difícil.

 
Transformação da paisagem no amanhecer do dia.

Nas primeiras luzes do dia, vi a GROTA sair das trevas e se transformar numa paisagem lunar, parecia encoberta por uma leve poeira cinzenta. Até 04h20min aproximadamente não se distingue a silhueta humana a mais de cinco ou oito metros. Por volta das 05h00min, Celsinho Rodrigues, Cristiano Ferraz, Ivanildo Silveira, Lourinaldo Teles e eu fomos checar prováveis locais como o Poço do Tamanduá e a Mesa, bem como Árvores Centenárias “testemunhas” daquele tempo e pedras marcadas pelos disparos feitos no amanhecer de 28 de julho de 1938.


 


Pedras marcadas pelas balas.

Com as explicações sobre movimentação em combate dadas por Cristiano Ferraz, além das indicações de locais, rotas usadas e distância entre elas, feitas por Celsinho Rodrigues e complementadas por Ivanildo Silveira mais Louro Teles, podemos ter ideia de prováveis trajetos feitos por Volantes e Cangaceiros. 

Dessa forma, encerramos a Visita Técnica por volta das 06h00min e permanecemos no local onde assistimos a MISSA.

Foi uma experiência, ainda incompleta, porém, muito rica. Um verdadeiro privilégio poder contar e aprender com pessoas de vasto conhecimento e acima de tudo de coração bom. Abraço Jorge Remígio! Agradeço pela oportunidade de poder compartilhar com todos vocês.

Valiosa troca de experiências.

 
 
 Valiosa troca de conhecimento e levantando acampamento. Um abraço à Marcos de Carmelita!

 
 
 
 Momentos antes e durante a missa.


Agradeço também:

A Prof. Múcio Prócopio, Kydelmir Dantas, Alexandre Wagner e Vera Oliveira, sem o apoio de vocês não seria possível minha participação.

A Ivanildo Silveira e Louro Teles pelo companheirismo e aprendizagem.

E aos meus velhos novos amigos Petrucio e Celsinho Rodrigues, pelo convite mais que especial.

Genealogia histórica

Família Pereira prepara o Primeiro Encontro Nacional em Serra Talhada
 


No mês de setembro em meio às tradicionais festividades da padroeira da cidade Nossa Senhora da Penha, Serra Talhada dará lugar ao Primeiro Encontro Nacional da Família Pereira do Pajeú, a ser realizado no Sertão Iate Clube no dia 03 de setembro de 2016.

Organizado por membros do Clã Pereira, este evento tem como objetivo proporcionar o encontro das atuais gerações, resgatando a história desta tradicional família do sertão pernambucano e terá a participação de muitos Pereiras,que vivem hoje espalhados pelo Brasil.

O evento será único, fechado aos membros da família e contará com inúmeras atrações musicais, artísticas e culturais como forma de apresentação dos diversos talentos da família. Especialmente o lançamento do livro: O Patriarca, de Venício Feitosa Neves.

Quem pertencer a esta numerosa família e pretender participar, deverá se inscrever com antecedência entrando em contato com a Comissão Organizadora, através da página do evento no Facebook ou via WhatsApp de Fábio Tenório (11) 97335-8801 / Graça Pereira (87) 99631-7333 / Rosinha Pereira (87) 99916-7877/ Verônica Pereira (81) 99645-6663, Comissão Organizadora.

domingo, 21 de agosto de 2016

Novidades em HQ

Lampião na terra dos santos valentes
 

Trabalho De autoria de três quadrinistas potiguares, Marcos Guerra, Marcos Garcia e Carlos Alberto é um revista em quadrinhos com nova abordagem para os acontecimentos já conhecidos do Ataque de Lampião e seu bando à cidade de Mossoró.


O traço de linha clara, sem cores, e com um aspecto bem artesanal criou uma boa identidade visual a obra deixando-a com um tom seco que combina com a paisagem de aridez do cenário rural da obra, fazendo bem parecer uma típica ilustração de cordel.

Assim como a ótima representação panorâmica de Mossoró, em cada detalhe reproduzindo bem a época datada em que ocorreu aquele inusitado e indigesto evento, tanto na arquitetura das casas, como nos costumes do povo, nos meio de transportes, nos meios de comunicação e também no modo de vestir que a população costumava trajar na época, assim como as ilustres figuras da época, está bem aqui reproduzida nos desenhos de Marcos Garcia e Carlos Alberto.

Para adquirir entre em contato com os autores pelo email marcos.garcia@outlook.com


Fonte: Jornal Zona Sul 

O Lampião Aceso agradece a cortesia do exemplar gentilmente enviado pelo confrade Kydelmir Dantas.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

O Massacre de Queimadas

Memórias da PM da Bahia

Em 22 de dezembro de 1929 o bando de Lampião esteve no município de Queimadas, saqueando a cidade que contava com oito policiais militares em sua guarnição. Este documentário conta o desfecho sangrento dessa investida criminosa do cangaceiro.

O curta-metragem a seguir é o segundo da série Memórias da PM, desenvolvida pelo Departamento  de Comunicação Social (DCS) da instituição. Com relatos do coronel Amâncio Souza Neto, morador de Queimadas, e do capitão e historiador da PM-BA, Raimundo Marins.



PRODUÇÃO:

Cap PM Bandarra
Cap PM Danillo Ferreira
St PM Luciano Macêdo

ROTEIRO

Cap PM Raimundo Marins
Cap PM Danillo Ferreira

PESQUISA


Cel PM Souza Neto
Cap PM Raimundo Marins

DIREÇÃO E EDIÇÃO

Cap PM Danillo Ferreira

IMAGENS

ST PM Luciano Macêdo
SD PM Orlando Junior
Daniel Pujol
Jonatan Costa

ASSISTENTES

SD PM Orlando Junior
SD PM Igor Freitas

AGRADECIMENTOS

Moacir Mancha e ao povo de Queimadas

REALIZAÇÃO

Polícia Militar da Bahia

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

Lançamento no Recife nesta quinta, 18

"O Cangaço: Poder e cultura política no tempo de Lampião", de Marcos Edílson de Araújo Clemente.

A Editora Massangana da Fundação Joaquim Nabuco prepara para o dia 18 de agosto, a partir das 18 horas, na sala Calouste Gulbenkian, em Casa Forte, o evento Cultura Pernambucana: Retrato Vivo da Nossa História, com o lançamento coletivo de cinco importantes títulos que se somam ao acervo da Fundaj e enriquecem a cultura de Pernambuco. Entrada franca.

Entre estes: O Cangaço: poder e cultura política no tempo de Lampião é resultado de uma tese de doutorado na Universidade Federal do Rio de Janeiro e o objeto de estudo são as relações de poder e cultura política do ciclo do cangaço, cujo chefe mais expressivo foi Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião.

A análise busca explicitar as singularidades deste tipo de cangaço, comparativamente a outras formas já existentes desde a segunda metade do século XIX. O livro revela a complexa trajetória desse personagem pelo conjunto de valores, atitudes, normas e crenças nos sertões nordestinos, no correr das décadas de 1920 e 1930.

No auge da fama, Lampião inovou ao permitir o ingresso de mulheres nos bandos. Diferenciou-se ao expandir seu território de mando, arregimentando maior número de cangaceiros. Lampião foi único na maneira com que praticou a violência, acusado de flagelo e terror dos sertões. Um sujeito proscrito, porém articulado com instâncias oficiais do poder. Agia nos sertões em proveito próprio e distribuía alguma forma de justiça quando era do seu interesse pessoal.
 

O autor 

Marcos Edílson de Araújo Clemente, natural de Paulo Afonso, sertão da Bahia, é sócio da Sociedade Brasileira de Estudos do Cangaço, mestre em História Social do Trabalho pela Unicamp, doutor em História pela UFRJ. 

Durante anos atua como professor na Universidade Federal do Tocantins e integra o corpo docente do Programa de Mestrado Profissionalizante em Ensino de História. Autor de vários artigos e do livro Lampiões Acesos: o Cangaço na Memória Coletiva, lançado em 2009.


Serviço

Lançamento do livro: "O Cangaço: poder e cultura política no tempo de Lampião"
Autor: Marcos Edílson de Araújo Clemente.
354 páginas  |  preço R$ 45,00 (Quarenta e cinco reais) + frete.
Para pedidos envie e-mail pra marcos_edilson@yahoo.com.br

Posteriormente traremos informações de como adquirir esta obra via e-mail. 

Com informações da www.fundaj.gov.br

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Novo Livro na Praça

“O Sertão Anárquico de Lampião
Escrito pelo professor formado na UnB, Luiz Serra, a obra narra o momento que o sertão nordestino vive a Coluna Prestes, na década de 1920.


Inspirado na Coluna Prestes, movimento político-militar brasileiro, o professor de literatura da Universidade de Brasília, Luiz Serra, escreveu o livro “O Sertão Anárquico de Lampião”. A obra é uma narrativa dos principais acontecimentos no sertão nordestino nesse período, caracterizado pelo tenentismo e a insatisfação com a República Velha.

O autor Luiz Serra. Foto: Paulo de Araújo

“O que mais me incentivou a escrever o livro foi o momento que a Coluna Prestes chegou ao nordeste. Pesquisei obras, como a de Juarez Távora, um militar e político que presenciou esse momento. Ele deixou um livro de memórias que me ajudou na hora da escrita”, conta o professor. Foi na década de 1920 que ocorreu o movimento no país, originado pela insatisfação militar em relação ao governo, que realizava fraudes eleitorais e permitia a concentração do poder na mão de poucos.

Além de pesquisas realizadas, Serra relata na obra informações inéditas, contadas por um ex-vizinho, o professor José Nóbrega, falecido em 2014. Nóbrega era sobrinho do coronel José Pereira Lima, (foto) da cidade de Princesa Isabel, na Paraíba.

“O professor Nóbrega foi uma das minhas maiores inspirações. Quando descobri que ele era sobrinho do Pereira, eu peguei meu celular na hora para ligar. Escutei e gravei muitas histórias de quando Nóbrega conheceu Lampião e família”, explica Luiz.


Dividida em dois momentos, a obra tem como principais destaques o Lampião e o cangaço. Na primeira, o líder cangaceiro se alia ao coronel José Pereira. Já a segunda, narra o desentendimento deste mesmo com o bando após o assassinato de um juiz, na cidade paraibana Sousa.

O título do livro já explica a anarquia que o cangaceiro implanta no nordeste e o terror que a região presencia. ”O estado de anarquia é uma situação de desmando, uma negação ao governo. Lampião recebeu várias intimações e processos, mas pouco se importa”, diz Luiz.

O professor conta também sobre a narrativa da obra, que é literária e escrita predominantemente com linguagem culta. A linguagem coloquial é empregada apenas nas falas dos personagens. “Quando eu digo que a linguagem é literária, eu quero dizer que precisa gastar um pouco de vocabulário para retratar a densidade das cenas”, pontua.

Além disso, Luiz Serra conta em entrevista que, ao final do livro, há uma possível teoria sobre a misteriosa morte de Lampião e o bando. Mas preferiu não revelar, para despertar interesse do público pela a leitura da obra, já que esse momento é um dos mais importantes da narrativa.

Texto de Raphael Felice, pescado no www.campus.fac.unb.br  

 Serviço

Livro "O Sertão Anárquico de Lampião", 385 páginas
Valor R$ 55,00 (Cinquenta e cinco reais) com frete incluso. 

Para adquirir envie E-mail para anarquicolampiao@gmail.com

Informações: Luiz Serra – (61) 9 9995-8402

Você também pode adquirir pelo Mercado Livre

Memória do Cangaço em Adustina, BA


Zé Pequeno Caçador... coiteiro de Cangaceiros

Por Kiko Monteiro


Com mais uma preciosa informação colhida pelo amigo professor Salomão o Cariri Cangaço foi levemente esticado para mim e para o confrade Narciso Dias, presidente do Grupo Paraibano de estudos do Cangaço – (GPEC).

No último dia 2 de agosto rumamos novamente para Adustina, logo alí no sertão baiano fronteiriço com Sergipe para conhecer mais uma das testemunhas oculares da saga 'lampiônica' naquela área que era considerada na época um “corredor de cangaceiro”.

Em breve reunião com nosso anfitrião resolvemos de supetão esticar até o município vizinho de Coronel João Sá, pra visitar as cruzes dos cangaceiros Mariquinha, Sofrê e Pé-de-Peba, mas por conta da distância que restava e horário incompatível com compromissos dele concordamos em adiar para uma próxima “incursão”.

No caminho da volta paramos no terreiro do seu José Dantas de Oliveira, exímio atirador que ficou conhecido como “Zé Pequeno Caçador”. 

104 anos de idade, espanta tanto pela aparência quanto pelo ritmo e disposição, só se queixa de uma "dor nas juntas". Apesar do seu documento indicar Paripiranga ele afirma ter nascido no Arraial da Mãe D’Água de Cipó, (hoje Cipó), também no sertão Baiano. Mudou-se  para o Bonfim do Coité, atual Adustina, quando ficou órfão de pai e mãe ainda menino e foi morar com parentes no sítio Algodão que já tinha este mesmo nome desde a época do cangaço.


Seu Zé, de memória ainda acesa nos relatou que assim como Seu Atanásio ele também foi coiteiro ou faz-tudo dos cabras de Lampião naquelas bandas. 

Essa história ele mesmo conta.

“Conheci Corisco, Boa Vista, Balão, “Anjo” Roque, o Saracura que era daqui e sabendo que eu atirava bem o próprio Virgolino pelejou que eu entrasse no meio deles.
Eu disse – “não, capitão, no que eu puder servir eu sirvo, trago caça, peixe, aponto caminhos, mas virar cangaceiro, quero não”.
Também fui amigos dos ‘macacos’, arrumei muita caça para Odilon “Fulô”, comandante da volante que perseguia os cabras por aqui. Mas eles jamais souberam que eu era amigo dos cangaceiros, nem Lampião soube que eu me dava com os soldados.

"Deus o líve”, os soldados faziam muita malvadeza quando pegava um coiteiro que soubesse o rancho dos cabras e não entregasse pra eles.
Seu Zé ainda contou que chegou a ficar por quinze dias acoitado com os cangaceiros. Ele diz que não presenciou nenhum fogo, ou morte isolada. Mas viu os cangaceiros Mariquinha, Sofrê e Pé-de–Peba, mortos no Curral do Saco pela Volante de Odilon.

A cangaceira Doninha
Um dos fatos mais interessantes narrados por ele foi o de quando encontrou a cangaceira 'Doninha'*, companheira do cangaceiro Boa Vista, perdida na mata. Ele não lembrou se ela estava tentando fugir do coito como outras assim tentaram.

O certo é que seu Zé pequeno cuidou da moça durante três meses, até que um dia estava caçando, topou com os cabras e perguntou se Boa Vista ainda era vivo, com resposta positiva pediu para informar a ele o paradeiro da companheira e precavido rogou:

“Diga a Boa Vista que a muié dele ta lá em minha casa, mas que fique certo que o que eu devo a ela eu devo a minha mãe, apesar de ser jovem e solteiro".

Na linguagem sertaneja ele não se relacionou com a moça.

De acordo com a literatura, Doninha voltou para o convívio com Boa Vista e permaneceu com ele até o período das entregas.   

Professor Salomão, Kiko Monteiro e Narciso Dias.
Antes de nos despedirmos perguntei a seu Zé, o que foi confirmado pela sua esposa, que essa foi a primeira visita de pesquisadores do cangaço que ele recebeu durante todos estes anos. Tanto eu quanto Narciso não identificamos nenhuma afirmação que destoasse da historiografia fiel do cangaço naquela região. Até onde sua memória lhe permitiu não citou nome de nenhum cabra fora do território de atuação de seu subgrupo na época em questão, nem fantasiou combates ou eventos que não tenha presenciado.

A convivência de seu Zé Pequeno com os cangaceiros só foi citada em 1980 no livro ‘A Serra dos dois meninos’ de autoria de Aristides Fraga Lima (1923-1996) que narra em um dos capítulos quando ele ajudou a encontrar os garotos que se perderam nas famosas matas de Paripiranga.


*A Doninha em questão era a "cabrocha" alagoana Laura Alves que a primeira vista chegou a escolher como companheiro o cabra Moita Brava, que a recusou. Ela findou se juntando com o Boa Vista. Consulta: ARAÚJO, Antônio Amaury Corrêa de. Lampião: as Mulheres e o Cangaço, Editora Traço 2ª Edição, 2012. Pág. 279

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Nota de pesar

Faleceu Ricardo Albuquerque

Faleceu nesta quarta-feira (10) em Fortaleza o empresário e pesquisador cearense Ricardo Albuquerque.

Ricardo era filho de Chico Albuquerque. Era escritor e, um dos herdeiros da ABAFILM - empresa varejista de fotografia e material fotográfico brasileira fundada em 1934, em Fortaleza, por Ademar Bezerra de Albuquerque, seu avô.

Ademar foi quem forneceu os meios necessários para que o árabe Benjamin Abrahão pudesse FILMAR e fotografar ninguém menos que Virgolino Ferreira "Lampião" e seu grupo em plena caatinga nordestina.


Tanto as fotos quanto o que restou do filme compõem o livro organizado por Ricardo "Iconografia do Cangaço" lançado em 2012.





De acordo com seu filho Marco Albuquerque, o sepultamento ocorrerá nesta quinta-feira (11) em Fortaleza.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

O folheto na sala de aula

Wilson Seraine e A Literatura de Cordel no Ensino de Ciências
Por Bia Magalhães 

Wilson Seraine é sempre solícito com o Entre Cultura. Esse moço que já viveu anos luz de experiências ‘massa’, contou um pouco sobre sua pretensão enquanto ao livro. A pergunta central, claro, foi o porque de usar o cordel pra ensinar ciências.

Mas ciências? Esse negócio de ciências e cordel deve ser esquisito, né não?

Ele respondeu com sua história. Desde de quando era jovem (não estou dizendo que ele ainda não seja), ele tinha vontade de se tornar um pesquisador, mas teve isso frustrado por circunstâncias da vida. Mas ai surgiu uma oportunidade através do Instituto Federal do Piauí, onde leciona, de fazer um mestrado institucional entre o IFPI e a Universidade Luterana do Brasil no Rio Grande do Sul. E ele foi. Se ele tinha tempo? Ele achou. Professor de Física, conselheiro do Estado, palestrante sobre Luiz Gonzaga e empresário, se lançou para fazer o diferencial em sala de aula.

Mas como é que funcionou o cordel em sala de aula?

“Se for procurar por ai, tem várias dissertações sobre a questão da ludicidade, do recreativo, e por ai eu não vou. Eu tenho que procurar algo que diferencie a minha dissertação das outras.”, conta Seraine. Na rima ele encontrou uma forma de facilitar a maneira de ensinar e entrou em sala de aula para provar. Em uma escola, um  professor da instituição aplicou na sala de aula o assunto de um livro normal, e em outra sala o livro que foi versificado pelo poeta Pedro Costa onde o assunto estava em cordel. O resultado foi claro. O rendimento dos alunos foi surpreendente.

"Então você pode fazer muita coisa para melhorar o seu desempenho profissional em sala de aula. Eu sempre digo: O que foi que evoluiu desde a época de Sócrates? O que evolui só foi a tomada, mas a maneira de ensinar continua a mesma, o professor na frente e os alunos atrás. Ainda continuam a utilizar o método de ensino ‘Skinneriano’, o que Paulo Freire chamava de educação bancária. O que estamos querendo com o livro não é simplesmente ensinar o caminho, queremos mostrar um jeito diferente de caminhar.”, finaliza o autor.

O livro custa R$ 30 + despesas de envio. Clique aqui e faça o seu pedido diretamente na Editora

Pescado no Entrecultura

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Eventos da Semana

Na capital federal lançamento de “O Sertão Anárquico de Lampião”, de Luiz Serra.



Acontece no dia 10 de agosto (quarta-feira), às 19h, no espaço cultural do restaurante Xique-Xique, o lançamento do livro “O Sertão Anárquico de Lampião”, de autoria do escritor Luiz Serra. A entrada para o evento é gratuita e os livros estarão à venda no local.

A obra, que é a primeira pesquisa histórica publicada pelo professor de Português e Literatura, costura acontecimentos importantes do início do século XX no Nordeste – Cangaço, Canudos, Padre Cícero, Coluna Prestes, coronelismo e Estado Novo – em uma só história.


Sobre o escritor

Licenciado em Letras e Literatura Brasileira pela Universidade de Brasília (UnB), pós-graduado em Linguagem Psicopedagógica na Educação pela Cândido Mendes do Rio de Janeiro, professor do Instituto de Português Aplicado do Distrito Federal e assessor de revisão de textos em órgão da Força Aérea Brasileira (Cenipa), do Ministério da Defesa, Luiz Serra é militar da reserva. Como colaborador, escreveu artigos para o jornal Correio Braziliense.

Serviço
Lançamento do livro “O Sertão Anárquico de Lampião” (de Luiz Serra, Outubro Edições, 385 páginas, Brasil, 2016)
Dia 10 de agosto, quarta-feira, às 19h
Local: Espaço cultural do restaurante Xique-Xique, SQS 107 Bloco E Asa Sul
Entrada gratuita

Valor do livro: R$ 50,00

Em breve informações para aquisição via e-mail.

Fonte: www.alo.com.br

Salvador recebe a Exposição: Pepitas de Fogo: O Cangaço e seu tempo colorizados



Pepitas de Fogo: O Cangaço e seu tempo colorizados” é o tema da exposição que será aberta nesta quinta (11 de agosto), às 14h, na Galeria Mansarda do Palacete das Artes, com visitação até 11 de setembro. Do artista, historiador e geólogo Rubens Antonio, a mostra apresenta 30 imagens colorizadas, retificadas e complementadas relacionadas ao momento do cangaço.

 Luiz Pedro e sua companheira Nenên.


De acordo com o artista, o trabalho, inédito no Brasil, foi criado a partir de material fotográfico disponível e de peças preservadas da época, acompanhados de pesquisa em cerca de 5 mil matérias de jornais, relatórios, e testemunhos. Além disto, utilizou-se a técnica informática, com atuação centrada nos programas Adobe Photoshop e Adobe Creative Suite. “As imagens refletem seu tempo de maneira ampla, sendo fruto de uma longa pesquisa de resgate das configurações e cores prováveis. Nelas, será possível conhecer o dia a dia dos cangaceiros, além de outras feições”, explica Rubens.

Durante a exposição, o público irá conhecer alguns aspectos de Salvador na época do Cangaço. “Era uma Bahia diferente. Desde o evento de Lucas da Feira, até o final do Cangaço, trazido por Lampião e Corisco, Salvador atravessou este tempo como capital quase ilhada, à qual o contato com outras capitais se fazia quase exclusivamente por navios de carreira. Ver suas imagens é visitar uma outra noção de espaço e dinâmica humana”, explica o geólogo Rubens Antonio.

Para o diretor do Palacete das Artes, Murilo Ribeiro, receber uma exposição sobre o Cangaço traduz a diversidade cultural proposta pelo museu. “O trabalho de Rubens Antonio é resultado de uma importante pesquisa artístico-cultural e histórica. Com certeza o público ficará interessado pelo tema, que envolve compromisso e dedicação à arte”. 

Saiba mais: O Cangaço foi um movimento que emergiu no século XIX, ganhando apogeu entre as décadas de 1920 e 1930, com destaque para muitos eventos ocorridos na Bahia. Assumiu a dimensão de um dos fenômenos mais estudados, em trabalhos de foco local até contemplações internacionais. É explorado desde o artesanato regional, as feiras livres, paradas de ônibus, circos, bibliotecas, gabinetes, galerias, institutos histórico-culturais e universidades, até as tradicionais manifestações juninas.

 
A volante de Zé de Rufina


Na literatura, seja trágica, épica, dramática ou cômica, transitou pelo romance regionalista do século XIX, como no “O Cabeleira”, do autor cearense Franklin Távora, passando por “Viventes de Alagoas”, de Graciliano Ramos, “Grande Sertão: Veredas”, de João Guimarães Rosa, até a “Pedra do Reino” e o “Auto da Compadecida”, de Ariano Suassuna. O livro “Lampião na Bahia”, de Oleone Coelho Fontes, está em sua oitava edição. Surge nos cordéis populares e nos quadros de pintores renomados como Carybé.

Sobre o artista: Rubens Antonio da Silva Filho, (Foto) nascido em 1960, filho de baianos, neto de baianos e sergipano, é carioca do bairro de Realengo, e reside na Bahia desde 1984. Cursou Geologia, pela UFRRJ, Artes Plásticas, licenciatura e bacharelado em História pela UFBA. É mestre em Geologia.

Trabalha no Museu Geológico da Bahia e lecionou na Uneb. Já percorreu os 417 municípios baianos. É co-autor de mapas e textos do Mapa Metamórfico da Bahia. É autor da peça de teatro “Felipa”, em torno da Inquisição na Bahia.

Ministra cursos e profere palestras, em diversas instituições, sobre o Cangaço na Bahia, Epistemologia, Antropologia e as Histórias da Arte, da Ciência, de Salvador e Geológica da Bahia. É sócio efetivo do Instituto Geográfico e Histórico da Bahia.

O Palacete das Artes é um equipamento vinculado ao Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural/Secretaria de Cultura do Estado da Bahia.


 A Bonita Maria do Capitão


Serviço:
PEPITAS DE FOGO: O CANGAÇO E SEU TEMPO COLORIZADOS, do artista Rubens Antonio.
Dia 11 de agosto, às 14h
Galeria Mansarda do Palacete das Artes
Rua da Graça, 284

www.palacetedasartes.ba.gov.br

Visitação: até 11 de setembro

Fonte: www.bahiaja.com.br