terça-feira, 7 de março de 2017

Jorge Amado e Dadá

A amizade entre o célebre escritor e a ex-cangaceira

O grande escritor baiano Jorge Amado fala sobre o enterro das cabeças de Lampião e Corisco e, sobre a a amiga ex-cangaceira Dadá..

OBS: Poucos sabem disso, mas foi ele, quem doou o Jazigo Perpétuo e o caixão para que Dadá sepultasse os ossos de Corisco, seu ex-companheiro de vida no cangaço.

O Vídeo é de 1977 resgatado por Pedro Urizzi - Youtube


Neste Globo Repórter do ano de 1985 Tratou da vida do escritor. Aos 2 minutos e 25 segs. do vídeo, fala-se sobre o livro Seara Vermelha, onde ele conta a vida do retirante flagelado e dos CANGACEIROS. O livro foi traduzido em 25 idiomas e, virou filme.

A partir dos 3min27s até 4:40s, Jorge, e o repórter Hermano Henning, estão na casa da Ex-cangaceira "Dadá', entrevistando-a, onde ela narra algumas passagens pelo cangaço. Canal doYoutube de Rubinho Nova.

 

Pesquisa de Volta Seca publicada no Grupo Cangaço Discussão Técnica - FaceBook

sexta-feira, 3 de março de 2017

Corisco

O assassinato do 'diabo louro'

Por Sálvio Siqueira

O alagoano Cristino Gomes da Silva Cleto foi um ‘cabra’ de Lampião em dois períodos distintos. O primeiro período foi nas quebradas do sertão pernambucano, na região do Pajeú das Flores, onde recebera a alcunha de “Corisco”, e tendo como chefe direto o cangaceiro “Jararaca”, José Leite Santana, natural de Buique, PE, muito curto, e o segundo, já na fase baiana, mais longo, no entanto, sem ter tanta participação constante entre os dois bandos.

Há não ser quando Corisco era convocado, assim como os outros chefes dos subgrupos também eram, para uma empreitada maior de tempos em tempos. Com essa ‘convocação’ o “Rei dos Cangaceiros” lembrava a seus ‘súditos’ quem comandava.

 “(...) um novo componente do bando de Lampião chamou a atenção do cangaceiro Jararaca, um dos seus lugares-tenente mais valentes e perigosos. O novo cangaceiro era Cristino Gomes da Silva Cleto, soldado desertor do Exército que servira em Aracaju,(SE), nascido em 10/08/1902(...) nas encostas da Serra da Jurema, próximo a cidade de Matinha de Água Branca (atual Água Branca). Cristino entrara para as fileiras do cangaço no dia 24 de agosto (de 1926) (quatro dias antes do ataque (a fazenda Tapera) na vila de Santa Maria (atual Tupanaci), à margem direita do rio Pajeú, sendo recebido por Lampião, na casa do senhor José Bezerra. Era valente no combate e da boca de seu rifle papo amarelo parecia sair fogo.

A rapidez com que se movia lembrava um raio, rolava pelo chão, atirava e gritava descompondo o inimigo. Surgiu ali o apelido que o acompanhou para o resto de sua vida: “CORISCO”(...).” (“AS CRUZES DO CANGAÇO – Os fatos e personagens de Floresta – PE” – SÁ, Marcos Antônio de. E FERRAZ, Cristiano Luiz Feitosa. Floresta, 2016)

Cristino inicia sua saga no pequeno Estado sergipano, quando era soldado do Exército brasileiro, destacando, servindo, no 28º Batalhão de Caçadores de Aracaju, durante a Revolta Militar de 1924, iniciada em São Paulo, SP, e tendo como consequência na Capital do Estado de Sergipe, Aracaju, uma ‘revolta’, ou motim, onde se tentou dar um golpe, sendo o mesmo abafado pela Força legal no interior do Estado e outra frente vinda do vizinho Estado baiano. Com a derrota dos ‘revoltosos’, Cristino e boa parte dos homens que participaram sob ordens superiores, fogem e tornam-se desertores.

Havia bons motivos para eles andarem longe um do outro, Lampião e Corisco. Primeiro para confundirem as volantes que os cassavam dia e noite, e o segundo, as companheiras, de Lampião, Maria Gomes, a cangaceira Maria Bonita, e de Corisco, Sérgia, a cangaceira Dadá, não se ‘bicarem’ muito. Essa ‘distância’ entre os grupos, prevista e projetada entre os dois bandos, era uma tática que deu bons resultados. Ocorreram fatos em dias iguais, em lugares distantes e diferentes, deixando as Forças que os perseguiam desnorteadas. E foi motivo de manchetes em jornais da época essa façanha empregada pelos cangaceiros, onde noticiaram Lampião e seus homens estarem agindo em lugares distantes e distintos, isso em jornais de cidades diferentes. Quanto às companheiras, acreditamos que o temperamento das duas era igual, faltando muito pouco para elas irem ao estremo. Maria, certa feita, condena uma cangaceira, companheira do chefe de subgrupo, o cangaceiro “Português”, que teve um ‘romance’ com o cangaceiro Gitirana, ‘cabra’ de Corisco, a morte.

Era ‘lei’ dentre os cangaceiros que se houvesse traição, a mulher traidora seria condenada a morte. Ocorreram casos do tipo. Porém, nem o cangaceiro Gitirana, nem a companheira de “Português”, a cangaceira “Cristina”, nesse caso, são condenados em princípios, coisa que só depois “Português” encomenda a morte de sua companheira, principalmente pela intervenção direta de Corisco na defesa do seu ‘cabra’. O cangaceiro “Português” não teve coragem de matar sua companheira, como ditava a regra, a cangaceira Cristina, nem tão pouco de ‘topar’ o cangaceiro “Gitirana”, pois, no momento, teria que enfrentar o “Diabo Louro”.

“(...) tratou-se do desfecho do relacionamento amoroso entre Cristina e Português. Ela o havia traído com um integrante do bando de Corisco - o cangaceiro Gitirana - e Português contratara Catingueira para “limpar sua honra maculada” (...) Maria Bonita e Lampião estavam no mesmo acampamento e, por acaso, se aproximaram deles. Maria Bonita adiantou-se, sugerindo a Catingueira que a pessoa a ser eliminada deveria ser Cristina (a verdadeira culpada, segundo ela) e, não, Gitirana. Naquela hora, Corisco retrucou: Ela deu o que era dela! Ninguém tem nada com isso! Insatisfeita com a resposta, Maria Bonita continuou defendendo a contrapartida masculina: É, mas Português vai ficar desmoralizado! Já impaciente com aquele confronto, o Diabo Louro deu um basta à discussão:

"Ele que cuide da mulher dele! Do meu rapaz, cuido eu!"

“(...) Em relação àquele desenlace amoroso, Lampião deu total apoio a Corisco. Cristina permaneceu com o bando, escondida durante alguns meses. Todavia, como era de se esperar, ela foi morta quando ia para a casa de familiares, já que Português contratara outros cangaceiros para matá-la. Neste sentido, não restava dúvidas: o adultério feminino não era tolerado nos bandos do Nordeste (...).” (VAINSENCHER, Semira Adler. Corisco. Fundação Joaquim Nabuco).

Corisco foi um dos cangaceiros, já como chefe de grupo, que fez muita bagunça por onde andou. Sua maneira de ‘tratar’ o inimigo, soldado, ou suas vítimas, com grandes requintes de crueldades, torturas, tornaram-no num grande terror nas regiões dos três Estados em que mais agiu, Bahia, Sergipe e Alagoas.

Após a morte do “Rei dos Cangaceiros”, em 28 de julho de 1938, no leito do Riacho “Angico”, na Fazenda Forquilha, no município de Poço Redondo, SE, afluente da margem direita do Rio São Francisco, seu lugar, para alguns historiadores, seria ocupado pelo chefe cangaceiro Corisco. Vejam bem, nessa época existiam vários subgrupos chefiados por diferentes chefes e, a nosso ver, qualquer um poderia assumir o comando geral, no entanto, talvez pela valentia, disposição e/ou aproximação com Lampião, muitos escritores o colocam como sendo o sucessor direto de Virgolino no comando do Cangaço.

Essa captura nos traz a imagem do caminhão que Zé Rufino usou para levar a tropa até próximo a fazenda onde matou Corisco, e depois, usou para transporta Corisco e Dadá baleados. Pertence ao acervo particular do amigo Devanier Lopes.

“(...) Essa fazenda é conhecida como fazenda Angico, porém, apenas a título de curiosidade, seus atuais proprietários, descendentes da família de Pedro de Cândido, ou seja, descendentes de D. Guilhermina, me disseram que a fazenda é registrada com o nome oficial de fazenda Forquilha (...).” (“LAMPIÃO – O CANGAÇO E SEUS SEGREDOS” – BASSETTI, José Sabino. Salto, SP, 2015)

A maneira de Corisco agir, apesar de ter tido escola militar, diferenciava-se totalmente daquela usada pelo “Rei dos Cangaceiros”, principalmente em termos de planejamento, o que era essencial para dar-se prosseguimento a existência do bando, colocando a emotividade a frente do projeto de ataque, defesa e fuga. Tanto ele, como os outros chefes, citando como exemplo, ao enviarem os famosos ‘bilhetes’ de extorsão, em vez de terem a quantia, ou parte dela enviada pela pessoa alvo, recebiam outro bilhete com desaforos e mandando irem, eles mesmos, buscarem a quantia exigida.

A verdade é que com a eliminação de Lampião, o cangaço desmorona-se ficando os cangaceiros restantes, feito baratas tontas, sem saberem o que fazerem. Nem munições sabiam onde irem buscar ou mandar que enviassem. Esse tipo de fornecedor Lampião não disse, já que ele próprio era quem fornecia, vendendo-a diretamente aos chefes dos subgrupos, pelo menos que saibamos, quem era. Documentos foram encontrados com ele, em seus espólios, porém, o conteúdo verdadeiro que continham não fora exposto ao público.



“(...) É - mais que nunca - o tempo dos ‘bilhetes’, escritos para pedir dinheiro aos mais afortunados. Contudo, estes já não têm mais o poder de outrora. Lampião está morto e quase todos os bandoleiros se entregaram à polícia. Outro tanto fugiu para lugar incerto. O proverbial ‘medo de cangaceiro’ começa a perder força por entre a população sertaneja. Os antigos coiteiros em sua maioria, já não prestam os favores dantes. O cangaço marcha célebre para o ocaso (...).” (“CORISCO – A SOMBRA DE LAMPIÃO” – DANTAS, Sérgio Augusto de S.. Natal, 2015)

O velho ditado já profetiza de que ‘quem tem, tem medo’, e referindo-se a própria vida, ou a perda dela, aí é que o arrocho cresce, então começam a entregarem-se. Não viam outra saída se não entregarem-se, e naquele momento foi à decisão mais correta que tomaram, pois, do contrário teriam tombados todos pelas balas disparadas pelas armas dos contingentes das Forças Publicas que os perseguiam. Apostaram em que se entregando tinham uma chance de sobreviverem por mais um espaço de tempo, no que acertaram em cheio.

É sabido por todos que tanto cangaceiros quanto volantes bebiam bebidas alcoólicas em demasia. Como em qualquer grupo de qualquer escala militar ou de guerrilheiros, ou ainda, de cangaceiros, há aqueles que bebem por beberem, no entanto, tem aqueles que bebem para perderem o medo, não só de matar, mas, e principalmente, de morrer. Dentre todas as camadas sociais, existem alguns que já trazem uma espécie de susceptibilidade ao alcoolismo em seus genes, e tornam-se dependentes alcoólicos crônicos, inclusive hoje, já é tido como doença crônica. Por outro lado, causas ou consequências no decorrer da vida de qualquer um, com seus altos e baixos, dependendo de como o mesmo encara essas ocorrências, a bebida torna-se um fator essencial para que, iludidos, pensem que embriagados não ‘estariam’ com seus ‘espectros’ a perturbarem-nos, usando o álcool como um meio de ‘fuga’ da realidade. Mais uma ilusão do ser humano.


Um dos mais antigos jornais do interior da Bahia. O correio do Sertão; fundado em 1927 na cidade do Morro do Chapéu Piemonte, da Chapada Diamantina. Acervo Guilherme Machado

Relatos de vários historiadores, de ex-cangaceiros e de ex-volantes, nos dizem que Corisco torna-se, a partir de determinado momento, um bebedor inveterado. O alcoolismo toma conta do seu corpo e cérebro, não o deixando tomar determinadas decisões importantes para o grupo. Com isso, sua companheira, a cangaceira Dadá, toma as rédeas de chefia e passa a comandar os ‘cabras’. Num ‘mundo’ quase que totalmente masculino, receber ordens de uma mulher, mesmo sendo a cangaceira Dadá, é demais para alguns dos homens e esses terminam por deixarem o bando. Após saírem do grupo de Corisco, alguns passam a fazerem parte de outros ou fogem do cangaço procurando as autoridades e entregam-se. E, o já pequeno grupo, diminui mais ainda.


“(...) Nas raras horas em que está sóbrio, Corisco apresenta raciocínio embotado; humor depressivo. É aí que Dadá, desnuda de qualquer cerimônia, se arvora na qualidade de chefe da falange. Assume o comando do resto do grupo sem o menor constrangimento – e sem qualquer resistência por parte do marido. Um dos cangaceiros que trabalhou para o Diabo Louro neste delicado período, em particular, ressaltaria, mais tarde, que “ela (Dadá) é que é a chefe do grupo. Dá ordens, grita, manda. E Corisco obedece-lha, sem discutir”. (José Porfírio dos Santos, o ‘Atividade II’, A Tarde, maio de 1940) (...).” (“CORISCO – A SOMBRA DE LAMPIÃO” – DANTAS, Sérgio Augusto de S.. Natal, 2015)



No dia 8 de agosto de 1939, um ano e onze dias após a morte do chefe mor do cangaço, Virgolino Ferreira, o cangaceiro Lampião, Corisco é baleado nos braços pelo soldado volante João Torquato dos Santos, que estando no momento sozinho, pois seu companheiro, o soldado Francisco Amaral, se borra de medo e dar no pé. Pois bem, além de ferir o chefe, termina por eliminar dois de seus homens, os cangaceiros “Guerreiro” e “Roxinho”, terminando tendo, também, trocado tiros com Dadá, essa, ao ter ficado com a pistola descarregada, sem munição para recarregar, agacha-se, apanha pedras e as atira no soldado, ao mesmo tempo em que empurrava seu marido, Corisco, para dentro do mato, procurando refúgio.

“(...) Surpreso se ver frente a frente com apenas um soldado. A surpresa lhe foi fatal. Havia perdido precioso tempo. O tempo necessário para João Torquato disparar a sua arma e atingi-lo, com incrível sorte, justamente nos dois braços do lendário cangaceiro (...). A companheira de Corisco, aparece, com todo esplendor de sua coragem e valentia, à frente daquele homem fardado que mais parece um demônio. Não irá abandonar o seu amado em momento tão doloroso. Irá defendê-lo até, se preciso fosse, a morte(...) atira no temível agressor. Os disparos são contínuos. João desvia sua atenção de Corisco e se vê obrigado a enfrentar a guerreira. Dadá atira sem parar. Atira e empurra o companheiro para uma baixada ali perto. As balas de sua arma acabam e a cangaceira, como se fosse uma suçuarana defendendo os seus filhotes se vale de um novo e inesperado armamento: pedras. Apanhando-as sacode-as no maldito que queria matar o seu grande amor (...).” (“LAMPIÃO ALÉM DA VERSÃO – MENTIRAS E MISTÉRIOS DE ANGICO” – COSTA, Alcino Alves. 3ª Edição. Cajazeiras, PB, 2011).

Após esse combate, Corisco, o cangaceiro não mais tem condições de lutar. Seu codinome seguira só, sem seu dono, reaparecendo Cristino Gomes da Silva Cleto, só que desta vez, cansado, mais velho e aleijado. Os ferimentos foram grandes, romperam e destruíram tecidos essências a flexão, extensão e rotação dos braços. O projétil termina rompendo vasos e atingindo músculos, nervos, tendões, ligamentos e ossos, retirando a possibilidade de movimentação nos membros superiores. Talvez até se tivesse tido uma assistência profissional, adequada, Cristino não tivesse perdido tais movimentos, no entanto, sua ‘enfermeira’, sua ‘doutora’, fora sua esposa, Dadá. Ela, em um relato, muito tempo depois, cita que até o odor era demais, nos mostrando o tamanho da infecção. Ela, com o auxílio de uma pequena faca, cortava os tecidos necrosados, mortos, fazendo uma espécie de ‘desbridamento’ forçado, retirando as partes lesadas e lesando as sãs, também retirava pedaços de ossos que a bala tinha fragmentado, fazendo os curativos na medida dos seus conhecimentos, e com o equipamento disponível, faca e punhal, usando os remédios que a natureza, através da caatinga, lhes fornecia.

A partir de então, aquele que fora tido como o maior dos terrores dos sertões baiano, alagoano e sergipano, está definitivamente fora de ação. Não tem condições de segurar uma arma para lutar. Seu, já pequeno grupo, acaba de acabar e chega a ser composto por apenas ele, sua esposa Dadá, um cangaceiro, Rio Branco, e sua companheira, a cangaceira Florência.

Cristino Gomes da Silva Cleto. vemos ele morto. prestem atenção em seus braços. e na cabeça, estava com o cabelo cortado bem baixinho.

Cristino tenta, por diversas vezes se entregar, porém, sua esposa não ‘consente’. Certa vez, até fora marcado o local de onde se entregaria, após o mesmo dizer para um comandante da Força baiana, onde estariam, ainda colocadas por Lampião, escondidas certas armas, munição e joias, mas, não fora realizado, ainda dessa vez não ocorreu à entrega do alagoano, mesmo o comandante achando a ‘botija’ e a removendo para o quartel.

“(...) o cangaceiro sustenta que teria informações valiosas sobre lugares onde estariam escondidos ‘munição, algumas armas e joias de ouro e de prata’. Uma parte desse material, segundo se fazia entender através destas cartas, era produto de assaltos. A outra teria sido escondida há muito tempo, pelo próprio Lampião (...).” (“CORISCO – A SOMBRA DE LAMPIÃO” – DANTAS, Sérgio Augusto de S.. Natal, 2015)


Já em maio de 1940, em sua segunda metade, Cristino, Sérgia, e o casal de cangaceiros, solicitam de um coiteiro, a permissão para levarem sua filha com eles, já que estavam em rota de fuga. O pai da menina, depois de ficar sabendo como sua filha seria tratada, permite que a levem. Essa foi uma estratégia usada pelo pequeno grupo, um cangaceiro, duas mulheres e um aleijado, para melhor despistar os perseguidores, já que todos sabiam que cangaceiros não andavam com crianças. Trocam de nomes, ensinam como a menina deveria chama-los e danam-se de Bahia adentro, em busca da liberdade.

Essa criança é a adolescente Josefa Erundina de Almeida, chamada por todos de ‘Zefinha’. Filha de um antigo coiteiro de Corisco, Braz Francisco de Almeida, alcunhado por ‘Braz dos Couros’, que morava no município de Bebedouro.

“(...) Então, o antigo lugar- tenente de Lampião propõe ao curtidor de couros:

- “Braz, quer me dar essa menina? Eu levo ela comigo para Bahia!”

O curtidor pensou um pouco e falou:

- “Se o senhor garantir que leva a menina para Bahia e bota nos estudos, eu dou. Porque, aqui, não posso dar a educação precisa a ela” (...).” (“CORISCO – A SOMBRA DE LAMPIÃO” – DANTAS, Sérgio Augusto de S.. Natal, 2015)

Vemos que não ocorreu o tão famoso sequestro que tanto fora divulgado pela própria imprensa. A fonte citada divulga uma espécie de ‘adoção’ feita pelo casal Cristino e Dadá, onde estariam de acordo os pais da criança.

A cabeça do cangaceiro Corisco, Cristino Gomes da Silva Cleto. após alguns dias do seu enterro, sua cabeça é decepada e enviada para o instituto Nina Rodrigues em Salvador, capital baiana. Com o tempo em que estava enterrado, seu corpo já havia entrado em fase de putrefação. devido a isso, ficou com uma deformidade maior do que as contidas nas cabeças dos outros cangaceiros que foram enviadas para o mesmo instituto.

Um dos ‘cabras’ do grupo que debandaram, José Porfírio dos Santos, o cangaceiro Velocidade II, ao entregar-se as autoridades, é interrogado. Nas revelações que faz, ele diz que seu chefe não se entrega por que sua esposa não permite. Ainda mostra o suposto ‘roteiro’ que pretendia fazer o pequeno grupo, além de contar como estava fisicamente o cangaceiro “Corisco”, ou seja, dedurou que ele estava aleijado, sem condições de lutar.



De posse no relato do depoimento do cangaceiro que entregara-se, o Jornal A Tarde publica, isso, já em maio de 1940:

“Inutilizado, incapaz de lutar, Corisco foge ameaçado de morrer, se tentar abandonar o banditismo. Triste sorte esta para o antigo lugar-tenente de Lampião.”

O tenente Zé Rufino, sempre citado que fora o maior estrategista dentre os comandantes das volantes por vários pesquisadores, o que realmente fora, pois sua tropa foi quem mais matou cangaceiros, está a muitas léguas de distância desse grupo em fuga. Mesmo assim, resolve, segundo ele mesmo por ordens superiores, saírem em sua pista. Em termos de estrategista, o comandante Zé Rufino se equipara aos estratagemas de Lampião. Ele, como cita o antigo ditado, ’não colocava a mão em cumbuca, sem saber o que tinha dentro’. Antes de qualquer ataque aos bandos que enfrentou, analisava o terreno, para depois atacar, dava contraordens durante o conflito, dependendo da situação e procurava, minuciosamente, detalhes após a luta. assililando conhecimentos para os próximos confrontos. No entanto, ele envia aos superiores que o ordenaram a caçada, os capitães Felipe Borges e Rehen, um telegrama da cidade baiana de Djalma Dutra, tendo a certeza do encontro e da vitória diante dos fugitivos.

Ao pesquisarmos outras informações prestadas pelo tenente Osório aos seus superiores, anteriores a essa perseguição, jamais nos deparamos com ‘tanta certeza’ quanto ao resultado do que viria, ou estava para acontecer nessa feita ao cangaceiro “Corisco”. Esse detalhe só nos vem ‘dizer’ o quanto se sabia da incapacidade de Cristino lutar. Ficando mais fácil enfrentar duas mulheres e um só homem, o cangaceiro Rio Branco, jovem com 19 anos sem experiência em lutas.

Andaram muito tempo a pé, romperam distâncias a cavalo e, por fim, encurtaram a distância em cima de um caminhão. Vários dias depois, já na tarde do dia 25 de maio de 1940, estão diante de um dos casais em fuga, o outro correu e não foram perseguidos, abrindo um enigma muito grande, a nosso ver, pelo deixar pra lá, se era um casal cangaceiro. Na verdade, a meta de Zé Rufino seria apenas e somente Cristino? Pois só vemos alguma notícia de perseguir o outro cangaceiro, no mês de junho daquele ano.

Jornais citam o ocorrido em tudo que é lugar. Na Capital do país, como sempre, a imprensa prioriza o ‘confronto’ que resultou na morte do sucessor de Lampião.

O jornal O Estado da Bahia, relata, em sua matéria de 1º de junho de 1940, como ocorreram os fatos no ‘combate’ onde tombou o ‘Diabo Louro”.

“E saltando pela porta dos fundos enquanto atirava com um enorme parabélum, Corisco logo seguido pela sua mulher, que também fazia fogo correu para o mato (...).” (Transcrito) (“Fim do Cangaço: As Entregas” – BONFIM, Luiz F. de A. Paulo Afonso, 2015).

Dadá

Nesse trecho da notícia, o jornal tenta mostrar um homem em condições de lutar. No trecho seguinte, também notamos essa ‘intenção’, vejamos:

“O bandido não parava. Vez por outra, virava-se rápido, descarregando seu Parabélum, e a sua figura hercúlea, com os cabelos louros, soltos ao vento, bem justificava o apelido que o povo lhe deu.

Era o Diabo Louro em ação.” (Transcrito) ("Fim do Cangaço: As Entregas” – BONFIM, Luiz F. de A. Paulo Afonso, 2015)

Além de outros equívocos, o maior seria dizer que estava com os cabelos longos, não sendo verdade, pois o mesmo tinha mando cortar os cabelos, que não eram louros, e sim, ruivos. Notamos que seus cabelos estão curtos, quando vemos a foto dele morto.

Vejam bem, nos dois trechos mostrados, cita que ele atirava com seu Parabélium. Pois bem, vejam no seguinte, em qual das mãos ele segurava a arma e atirava, além de recarregar, pois se descarregou, tem que recarregar se não, não atira, é citado:

“A uns dez metros de distância, o tenente Rufino viu que Corisco fora baleado no braço direito, deixando cair a arma e gritou-lhe outra vez: - Se entrega Corisco! (Transcrito) "(“Fim do Cangaço: As Entregas” – BONFIM, Luiz F. de A. Paulo Afonso, 2015)

Ora, o braço direito de Cristino deste há vários meses, agosto de 1939, que não servia nem para ele pegar numa colher e comer. Alguns autores ainda citam que ele conseguia, com muito esforço, segurar uma pistola com a mão esquerda, mesmo sendo, segurar é uma coisa, manejar e atirar é outra totalmente diferente. Quanto mais saltar uma porta, correr, atirar e recarregar a pistola? Totalmente sem lógica.


Não sabemos se realmente ele garantiu a vida de Cristino quando estavam naquela fazenda, depois relatando que Cristino diz: “Estou satisfeito, sou homem pra morrer e não para me entregar”. Esse dizer do militar não seria uma maneira de esconder, ou desviar a atenção da população, sobre a covardia de matar um homem que não tinha condições de lutar? Para nós aparece uma ‘cachoeira’ de porquês: Será que sua intenção não era no ouro, nas joias ou no dinheiro que supunha levassem os cangaceiros? Com certeza Zé Rufino sabia que o que fora arrecadado nos espólios dos cangaceiros mortos em Angico, em 1938, fora uma soma bastante elevada, e como sendo Cristino o sucessor direto de Lampião, segundo a própria imprensa, também teria uma enorme soma, então daria de qualquer jeito o bote, mas, apenas com a intenção nos espólios? Por que o comandante não autorizou aos homens deceparem a cabeça do cangaceiro, ato costumeiro que lhe fez famoso e o ajudou a galgar diversas patentes militares? Teria sido o temor de um castigo por cortar, ou ordenar cortarem, a cabeça de um aleijado?


Zé Rufino, em seu leito de morte, muito tempo depois daquela tarde de maio de 1940, manda chamar Dadá e pedi-lhe perdão. Esse pedido teria vindo através de qual ‘pecado’? Só pede-se perdão quando se peca. Será que não fora a consciência pesada por ter matado uma pessoa que não tinha condições físicas de segurar em suas mãos uma pistola, nem tão pouco um fuzil, mesmo sendo Corisco?

Para nós, não ocorreu luta, e sim um assassinato. A tropa que assassinou Cristino era entre 14 e 15 homens, no mínimo, esses homens não tinham a força e coragem de pegar no braço um aleijado? Eles abriram foi fogo ao comando direto do comandante, resultando na morte de um renomado cangaceiro cruel e assassino, porém, na oportunidade, aquela pessoa só tinha o nome, impossibilitado de lutar. Porém, não somos donos da verdades, apenas expomos o resultado do confronto sobre pesquisas bibliográficas,ficando ao entender de cada um com a sua interpretação.


Fotos
Benjamim Abrahão
“Fim do Cangaço: As Entregas” – BONFIM, Luiz F. de A. Paulo Afonso, 2015
Acervo Sergio Dantas
Acervo de Devanier Lopes
Acervo Robério Santos

O cangaço em Floresta,PE

A rua dos Coiteiros

Por Sálvio Siqueira, "Grupo Ofício das Espingardas"

Naquele tempo, para sobreviver às inúmeras perseguições das volantes, Lampião arquitetou uma enorme e eficiente ‘malha’, rede, de colaboradores. Essa rede se fazia necessário para aquisição de material bélico, alimentação, vestimentas e, o mais importante, informações. Que, vira e mexe, O “Rei dos Cangaceiros” usava os ‘informantes’ para passarem a ‘desinformação’. Uma espécie de espionagem e contra espionagem na caatinga sertaneja.

O roceiro tinha que ser coiteiro, não simplesmente por ser. Havia o medo do que poderia lhe ocorrer, assim como a sua família, se se recusa ser colaborador. Tinha lá suas vantagens em ser colaborador do ‘Capitão’. A vida não era, e não é fácil para quem vive exclusivamente dos produtos retirados das pequenas propriedades. Pior ainda, quando o mesmo com sua família, era morador de uma fazenda. Às vezes o dono sabia, consentia e mandava seu ‘morador’ acolher e alimentar os grupos quando por suas terras passavam. Outra era só o colaborador quem sabia da passagem e estada deles naquelas brenhas.

A partir do momento em que ele matava a sede e a fome de algum cangaceiro, leva ou trazia algum recado, passava a ser colaborador, mesmo que nunca mais se repetisse esses atos. Aí vinha a dureza imposta por aqueles que os perseguiam, por ele ter dado água aos cangaceiros, eram, quando descobertos, presos, maltratados e até assassinados. No entanto, haviam aqueles que colaboravam por recompensas em dinheiro, favores e proteção, dependendo da sua colocação na pirâmide de colaboradores, se estavam na base, no meio ou no topo da mesma.

Certa feita, uma volante comandada pelo Anspeçada Sinhozinho, Manoel Gomes de Sá, rastreava os sinais deixados por dois cangaceiros, que tinham estuprado uma mulher em uma fazenda da região, no leito e margens de um riacho temporário no sertão do Pajeú. Próximo às margens dos riachos e rios, era o local preferido onde os sertanejos procuravam levantarem suas taperas para morarem.

Entretidos em decifrar e seguir o que os sinais ‘diziam’, os homens da volante nem percebem que estavam bem perto de uma casa.

Na casa, os dois foragidos, cangaceiros Zé Marinheiro e Sabiá, tinham matado sua sede e estavam a prosear embaixo de uma latada, quando, de repente, o dono da casa e sua esposa avisam aos dois da aproximação de soldados. Acredito que os cangaceiros que ali estavam, pensaram serem poucos os homens em seus rastros, pois um deles, Zé Marinho, faz pontaria e abre fogo contra aquele que estava na linha de tiro.



O som do disparo, repentino àquelas horas e naquele silêncio da mata, não deixa os soldados atinarem o ponto correto de onde tinha partido o mesmo. O tiro teve endereço certo. Acertou o ouvido do militar e esse morre mesmo antes de chocar-se contra o solo seco do sertão. Demorados alguns instantes, a volante, já consciente do que ocorrera, manda bala em direção oposta de onde viera o disparo.

Embaixo da latada onde estavam os cangaceiros, havia um pilão de madeira, e após matar o soldado, é exatamente onde o cangaceiro Zé Marinheiro se protege dos disparos dos soldados, os quais retiram lascas da madeira e fazem o cabra escutar o zunido do projétil tomando outra direção, ou mesmo aquelas que penetram e se alojam no velho objeto de pilar milho e outras culturas.

Vendo o companheiro tombado, seus companheiros procuram cercar o local o mais fechado e rápido que poderiam. Aquele que matara seu companheiro não podia escapar da sua sentença. E acocham cada vez mais o círculo da morte. Vendo que estavam cercados, os dois cabras pulam para dentro da casa do roceiro, e, de lá, dão combate a volante.

 Essa casa era d’um caboclo trabalhador, conhecido como Garapu. Casado com dona Carmina, geraram oito herdeiros. Quando os cangaceiros adentram na casa, sua companheira procura proteger sete, de seus filhos, colocando-os em lugar seguro. O caboclo tinha algum dinheiro, provavelmente ganho dos cangaceiros, pega seu ‘tesouro’ e o coloca entre uma telha e outra. Essa ação não passa despercebida por sua esposa, que naquela hora, lembra-se de seu primogênito que tinha ido fazer compras na vizinhança. O filho mais velho daquele casal estava mais perto do que ela, sua mãe, imaginava.

Viajando montado em uma burra, já na volta de sua viagem, escuta o tiroteio vindo das bandas de sua casa. Salta do animal e procura uma moita como esconderijo, vendo o que se passava com sua família. Soldados atacam, cangaceiros se defendem. Num momento infeliz, o comandante da volante passa diante de uma das janelas da casa, e, nessa estava o cangaceiro Sabiá, que sem demora, faz mira e abre fogo contra ele. O tiro e certeiro, levando a mais uma baixa na volante. Após a morte do comandante, vários de seus comandados não conseguem segurar o fogo. Dentre eles, estava o soldado Zé Tinteiro, valente e destemido, segura seu fuzil e combate os inimigos com maior afinco.

Outro volante, Zé Freire, homem de um Santo Protetor fora do comum, estava tiroteando contra Zé Marinheiro. Esse, salta por sobre a porta de baixo, as portas da maioria das casas do sertão rural e mesmo nas cidades, naquela época, eram em duas partes e de madeira, e avança, ficando a centímetros de Zé Freire. Aponta a arma e aperta o gatilho. À bala impina, a espoleta não ‘quebra’, a arma não dispara. Zé Freire, quase que encosta a boca do fuzil na cabeça do cabra e faz fogo, estourando o crânio de Zé Marinheiro.


Seu companheiro, o cangaceiro Sabiá, continua a combater os soldados, virado numa fera ferida. Numa tentativa de louco, salta para fora da casa e nesse momento e atingido na barriga e em uma das pernas. Continuando a combater os soldados bolando pelo terreiro da casa. Até que os dois valentes volantes se aproximam e matam o terrível cangaceiro.

Após abater os cangaceiros, a tropa aproxima-se da casa e o soldado Zé Freire grita para que o dono saia para o terreiro... para morrer.

“(...) o soldado Zé Freire, revoltado com a morte do Aspençada Sinhozinho Gomes e dos outros dois companheiros, gritou para Garapu, dizendo: – Saia pra fora, Garapu. Você tá sabendo que vai morrer (...).”

(“AS CRUZES DO CANGAÇO – Os fatos e personagens de Floresta-PE” – SÁ, Marcos Antônio de. e FERRAZ, Cristiano Luiz Feitosa. Floresta, PE. 2016)

O coiteiro sabia sim sua sentença. Sabia que por ajudar bandidos seria condenado a morte certa. Estando dentro de um quarto, com sua esposa e os sete filhos, Garapu despede-se deles, saca de uma faca peixeira e parte de encontro a morte. Desfere um golpe em direção ao soldado que havia lhe inquirido, errando o alvo. O soldado Zé Feire, afasta-se para um lado e mata a tiros de revólver o coiteiro.

“(...) Com a morte de Garapu, Carmina teve que lutar sozinha para criar os filhos, lavando roupas de vizinhos, costurando e cuidando da lavoura(...).” (Ob. Ct.)

Dona Carmina, na época do tiroteio em sua casa, estava grávida. Alguns meses depois, pariu uma menina a qual deu o nome de Nair Carmina da Silva. Logicamente, essa, nunca soube o que é ter um pai, seus afagos e conselhos.

Os corpos dos militares mortos são levados pelo restante da tropa para seu QG. O corpo do caboclo Garapu e dos dois cangaceiros, Zé Marinheiro e Sabiá, são enterrados em uma vala comum bem próximo a casa.

As notícias voam com o vento. E aquela história da morte do caboclo Garapu se espalhou por toda a região do vale do Pajeú. Outros coiteiros, temendo a mesma sina, arrumam suas tralhas em cima de carro de bois, no lombo de animais e dão no pé. Na cidade de Floresta, PE, na rua Theófhanes Ferraz Torres, os fazendeiros “Manoel Januário, Rosendo Januário e Elói Januário", colaboradores de Lampião, estabelecem residência. A partir daí, essa rua passa a ser conhecida como “A Rua dos Coiteiros”, até os dias de hoje.




Fonte (“AS CRUZES DO CANGAÇO – Os fatos e personagens de Floresta-PE” – SÁ, Marcos Antônio de Sá - Marcos De Carmelita e FERRAZ, Cristiano Luiz Feitosa -Cristiano Ferraz. Floresta, PE. 2016). Foto Ob. Ct.

quinta-feira, 2 de março de 2017

São José do Belmonte, PE

O trágico fim do Coronel Gonzaga e a hecatombe de outubro de 1922 

Por Valdir José Nogueira de Moura

Gonzaga nem era Pereira, nem era Carvalho e na cidade onde a política era polarizada entre as duas tradicionais e rivais famílias do Pajeú, isto significava ser forasteiro. As principais lideranças locais não viam com bons olhos a sua rápida ascensão política, social e econômica que, até certo ponto, deixava-as em escanteio.

dscf1250
São José de Belmonte na atualidade – Foto – Luiz Dutra.

Com sua rápida ascensão política e social, prestigiado pela família Pessoa de Queiroz, que era sua amiga e deseja fazê-lo prefeito de Belmonte, vaidoso que era Gonzaga queria a todo custo arranjar mais proteção ainda e, comprometido com o governo, começou a ajudar a polícia na perseguição a Sebastião Pereira (Sinhô Pereira) e Luiz Padre. Sabendo disto, Sinhô Pereira não gostou e mandou dizer-lhe que podia até aceitar perseguição da polícia, pois este era o seu papel, mas de particular não aceitaria perseguição sob nenhuma hipótese e o deixasse viver em paz, se quisesse viver.

Foi um ultimato enérgico, todavia Gonzaga, cioso de seu poderio emergente, não se intimidou com as ameaças de Sinhô Pereira, e sempre que podia, dava ajuda financeira às volantes policiais que perseguiam os cangaceiros. Por isto, Belmonte passou a ser visitada por volantes policiais até de outros Estados.

coronel-luiz-gonzaga-ferraz
Luiz Gonzaga Lopes Gomes Ferraz 
– Fonte-Blog Lampião Aceso

Estava Gonzaga um dia ausente de casa quando chegou um mensageiro, vinha da parte de um grupo de cangaceiros e trazia uma relação de pedidos a serem atendidos; sua esposa indignada negou-se a atender as exageradas solicitações, com um comentário final que o irritou: “Que fossem trabalhar como seu marido sempre o fizera”.

Em maio de 1922, Sinhô Pereira e seu grupo, nas suas correrias e incursões, interceptou um comboio do coronel Gonzaga nas cercanias de Rio Branco (atual Arcoverde), sendo uma grande parte da mercador ia arrebatada e fartamente distribuída entre os componentes do bando, e a outra parte queimada. Essa atitude de Sebastião Pereira teve de ser alterada com a intervenção de Crispim Pereira de Araújo, mais conhecido como Iôiô Maroto, primo de Sinhô Pereira, e duplamente compadre de Gonzaga, que foi requerido para isto pelos parentes e amigos, e o conseguiu mediante a promessa de alguns contos de réis.

Sebastião Pereira cumpriu o seu trato e exigiu mais tarde a contraprestação de outros. Ioiô Maroto foi obrigado a procurar pelo recebimento da quantia, mas encontrou Gonzaga pouco disposto a satisfazê-lo. Era que Gonzaga estipendiária agora gente armada. A situação se apresentava mais em condições de garantia.

cnhgf1
Ioiô Maroto junto com filhos e netos no Ceará, década de 1940 –  
Fonte – Valdenor Neves Feitosa.

Algum tempo depois, dava-se pelo município de Belmonte a passagem de um tenente da Polícia do Ceará, de nome Peregrino Montenegro, conhecido por sua violência e pela indisciplina de seus comandados. Essa força volante, encarregada de perseguir o banditismo, visitou, no dia seguinte a sua passagem e estada e estada na cidade, a propriedade Cristóvão, pertencente a Ioiô Maroto, e ali cometeu toda sorte de abusos, arbitrariedades e desmandos, surrando moradores, ameaçando de morte o próprio Ioiô Maroto, a quem injuriaram e sujeitaram a humilhações, desrespeitando a família deste. Basta dizer que toda sorte de ultrajes e maus tratos foram realizados pela soldadesca.

Ao se retirar daquela fazenda, o tenente Montenegro mostrou uma carta a Ioiô Maroto, dizendo que agradecesse o que sofrera ao seu amigo e compadre Luiz Gonzaga, que fora quem lhe incumbira daquele serviço. Neste ato insensato de Peregrino Montenegro, estava o estopim da terrível chacina futura que tanto abalou Belmonte.
owaaadyzpysv6nxoilwlbdpl_rgkolygpv4amt
Antiga Rua do Comércio. No primeiro plano a famosa loja “A Rosa do Monte” do Coronel Gonzaga – Fonte – Valdir José Nogueira de Moura.

Convencido, assim, Ioiô Maroto da responsabilidade do seu grande amigo e compadre Gonzaga nos ultrajes que sofrera, resolveu vingar-se. Ninguém podia mais dissuadi-lo dessas idéias e ele começou abertamente a declarar os seus propósitos de desagravo, que chegaram diretos a Gonzaga, com recados intimativos de que não moraria mais no Município de Belmonte. Que um dos dois havia de mudar-se.

Ciente da atitude de Ioiô maroto, apesar de todas as suas afirmativas públicas e particulares de não ter tido a menor interferência nos atos de vandalismo praticados pela força do tenente Montenegro, o coronel Gonzaga, temendo a realização das ameaças e vinditas de Ioiô Maroto, procurou acabar com seus grandes negócios em Belmonte. Tendo se retirado para a Bahia e Sergipe, buscava escolher local para se estabelecer, mas avisado pelas garantias do Governo de Pernambuco e aconselhado pelos amigos da Capital, também ligados ao governo estadual, voltou ao município de Belmonte, e continuou a frente dos seus negócios que o retinham sempre, tendo agora além da força pública, um pessoal em armas.

13892037_1199520380107689_8206885353855521640_n
Foto meramente ilustrativa para apresentar como se vestiam e se armavam os sertanejos da região de Belmonte, e de todo Nordeste de maneira geral, na época das lutas contra o cangaço – Fonte – Valdir José Nogueira de Moura

A volta do coronel Luiz Gonzaga Gomes Ferraz para o município de Belmonte, cercado de todas essas garantias, enraiveceu ainda mais Ioiô Maroto, que publicamente declarava mais uma vez que os dois não poderiam viver no Município, diante da afronta que ele, Maroto, sofrera e que sua vingança estava sendo preparada.

Ora, certo dia Gonzaga é procurado por um irmão do próprio Ioiô, conhecido como Antônio Maroto, com quem entrou em negócios de algodão. Diante disto, o coronel Gonzaga se convenceu de que tudo estava terminado, dispensando o seu pessoal e recolhendo na sua casa as armas e as munições que estavam em poder do mesmo pessoal.

13606599_1182192501840477_2509024969414671372_n-copia
Na foto vemos de pá, na extrema esquerda da foto, José Alencar de Carvalho Pires e sua tropa de policiais Fonte – Valdir José Nogueira de Moura

A visita de Antônio Maroto à casa de Gonzaga indignou os habitantes das cidades, que achavam que o mesmo não deveria dar crédito nenhum de confiança ao pessoal de Ioiô Maroto. Preocupado também com este fato, José Alencar de Carvalho Pires (Sinhozinho Alencar), na época 2º sargento comandante do destacamento de Belmonte, casado com uma sobrinha de Gonzaga, pediu que o mesmo não se confiasse e que retornasse o seu pessoal em armas para garanti-lo.

Era sabido por todos que a fazenda Cristóvão regurgitava de cangaceiros e que Ioiô havia declarado abertamente: “Se eu morrer sem desforra, minha alma voltará a Belmonte para fazer o que eu não fiz”. Respondeu Gonzaga a Sinhozinho: “Vá cuidar de sua saúde e não tenha receio dos cangaceiros que estão em casa do compadre Ioiô, que eles não virão a Belmonte”. Retrucou então o sargento: “Não há tempo, Coronel, para poder confiar-me em cangaceiros. Enquanto o senhor desarma seus homens eu armo os meus soldados até os dentes.”

É de imaginar a boataria que tomou conta de Belmonte na época. Ioiô Maroto, na sombra, começou a por em prática o seu plano de vingança. Em suas maquinações e ideias sinistras, começou a aliciar parentes e moradores seus, cangaceiros, formando um numeroso bando capitaneado por ele próprio, a gente de Tiburtino Inácio, bem conhecido também nos fatos do banditismo e a malta do célebre bandoleiro Virgulino Ferreira da Silva, o Lampião, e resolveu atacar Belmonte e assassinar o seu compadre Luiz Gonzaga.

13697089_1186356171424110_113688399662479645_n
Foto meramente ilustrativa para apresentar como se vestiam e se armavam os sertanejos da região de Belmonte, e de todo Nordeste de maneira geral, na época das lutas contra o cangaçoFonte – Valdir José Nogueira de Moura

Familiarizado por longos anos de convivência com os mais terríveis bandoleiros de então, primo e amigo do célebre cangaceiro Sinhô Pereira, que assentava principalmente seus arraiais no Município de Belmonte, Ioiô Maroto reuniu com facilidade a gente necessária e preparou com uma tática seguríssima o fato criminoso que levou a efeito.

Ele sabia dos fracos recursos do destacamento de polícia comandado pelo sargento Alencar. Oito ou nove praças tão somente. Quase todas as testemunhas ouvidas durante o inquérito procedido pela justiça, falam que logo tomaram conhecimento do inesperado ataque do grupo de Ioiô Maroto, os soldados entraram em ação. Sabia que o coronel Gonzaga dispensara ultimamente alguns defensores que trazia em armas para sua guarda; sabia assim que em casa daquele só se encontrava este, sua mulher e filhos menores.

Assim concebido e resolvido o seu plano de vingança, que se aproveitava da realização do casamento de um filho do fazendeiro Franco Lopes de Carvalho, de nome Jacinto Gomes de Carvalho com Gertrudes Maria de Carvalho (filha do coronel Moraes), que na manhã de 20 de outubro de 1922 deveria ter lugar na fazenda Santa Cruz, distante da cidade umas duas léguas, e que para este casamento haviam sido convidadas as pessoas gradas da cidade, entre as quais o sargento Alencar de Carvalho, que ao mesmo casamento deveria comparecer, ficando assim o destacamento sem o seu chefe e comandante.

 casamento-em-belmonte
Um típico casamento em São José de Belmonte na década de 1920 – Fonte – Valdir José Nogueira de Moura

A festa de outubro, dedicada ao Sagrado Coração de Jesus, e realizada anualmente na cidade de Belmonte, era das mais concorridas. Como ordenava a tradição, as comemorações se iniciavam com a tradicional alvorada, os sinos repicavam, fogos explodiam no ar, banda de música e pífanos alegravam as ruas…Aquela animada noite de 19 de outubro de 1922 teve como patrono o coronel Luiz Gonzaga Gomes Ferraz. Este senhor ao deixar a Matriz de São José juntamente com o padre José Kherlle, seguiu para a Casa Paroquial. Lá o reverendo então o interpelou sobre a sua situação com Ioiô Maroto.

pe-jose-kehrle
Padre José Kherlle

Respondeu o mesmo que a malquerença entre ambos havia terminado, pois um irmão de Ioiô entrara com ele em negociações, tendo emprestado ao mesmo a quantia de três contos de réis e cedido o vapor para serviço de Maroto, e que também havia dispensado o seu pessoal que, por prevenção, trazia armado.

Recusando, então, o convite do padre para pernoitar na Casa Paroquial em virtude da chuva, às onze horas o coronel Gonzaga deixava aquela casa e retornava ao seu lar. Lá chegando, deu de cara com o seu vaqueiro Manoel Pilé, que espantado relatou que ficara sabendo que Ioiô Maroto estava juntando um considerável número de gente em armas na sua fazenda Cristóvão. Não dando crédito às desconfianças de seu vaqueiro, Gonzaga tranquilizou-o dizendo que não havia mais questão entre ele e seu compadre Ioiô.

O certo é que pelas nove horas dessa mesma noite, Ioiô Maroto havia saído de sua fazenda com os seus companheiros e cangaceiros, parentes e moradores, em número superior a 45 homens, com rumo certo para a cidade de Belmonte, onde realizaria a empreitada na forma pretendida.

 16708490_1381083335284725_177429652149237206_n
Aspecto de São José de Belmonte no século XX. Em destaque a igreja matriz – Fonte – Valdir José Nogueira de Moura

De 4 para 5 horas da madrugada, do dia 20 de outubro de 1922, a cidade de Belmonte era despertada ao ruído de tiros que se disparavam de mais de um ponto da rua e das suas imediações. O tiroteio ia crescendo de intensidade e duração, dando a entender, dentro em pouco, tratar-se não de bombas que vinham sendo frequentes, por motivos dos festejos religiosos do Coração de Jesus, mas de detonações de armas de fogo num verdadeiro assalto.

Naqueles tempos de cangaceirismo, em que ninguém tinha a propriedade e a vida seguras, as povoações, as cidades, não se eximiam desses terrores e era um ataque em regra que se fazia a Belmonte.

dsc_2459
Casa do coronel Gonzaga em Belmonte. Palco da luta – Fonte Alex Gomes.

Numeroso grupo invadira por um dos lados, o do norte, o quadro da cidade e sustentava dali nutrido fogo, dominando inteiramente à frente da casa do coronel Gonzaga. Uma parte desse grupo, 12 ou 15 homens, atacava, por sua vez, pelos fundos a casa do referido negociante. Para penetrar na dita casa, dois bandidos, Varêda e José Dedé – este conhecido por Baliza – escalaram o muro e, uma vez dentro, sustentaram fogo para que o restante dos atacantes arrombasse o portão de entrada para o quintal da residência do dito coronel.

Nesse ínterim, João Gomes, parente e vizinho de Gonzaga, ouvindo o barulho que fazia os assaltantes junto ao referido portão, saiu para o quintal, que era comum às duas casas dele e Gonzaga, e conseguiu ainda dar uns tiros, indo se refugiar depois em sua casa, pois nesse momento, ultrapassando todos os obstáculos, o grupo particularmente incumbido de dar a morte ao infeliz negociante, penetrava em sua residência, colhendo-o então inerme e indefeso.

dsc_0592
Interior da casa de Gonzaga na atualidade. Boa preservação – Fonte – Luiz Dutra.

Senhores da casa, cujas portas abriam a machadadas, foi esta invadida, e o coronel Gonzaga, desorientado, correu para se refugiar no sótão. Todavia, uma tábua do assoalho cedeu e ele caiu na sala de visitas, quebrando os dois braços. Porém, fugindo da fúria de seus perseguidores, tentou galgar uma janela de um quarto junto a sala de visitas, dá para o oitão da casa, mas é abatido sobre o peitoril, sendo varado pelas balas assassinas.

A casa, o quintal, tudo estava ocupado e os bandidos fizeram mão baixa no que puderam levar, quebrando, arrebentando móveis, baús, na embriagues do saque e da pilhagem.

A família de Gonzaga, sua mulher e filhos, assim como o jovem José Demétrio, que na época, era encarregado da estação telegráfica de Belmonte e também noivo de Bida, filha de Gonzaga, nada sofreram fisicamente. Um dos bandidos, o de nome Cajueiro, recebeu de seu chefe, Ioiô Maroto, a incumbência de poupá-los, e assim foram segregados num quarto que dá para a sala de jantar.
coronel-jose-alencar-de-carvalho-pires-sinhozinho-alencar-1

coronel-jose-alencar-de-carvalho-pires-sinhozinho-alencar-1
José Alencar de Carvalho Pires (Sinhozinho Alencar), na época do ataque dos cangaceiros era 2º sargento e comandante do destacamento de Belmonte. Não conseguiu impedir a morte do coronel Gonzaga – Fonte – Valdir José Nogueira de Moura

Ante o tiroteio realizado pelo grupo chefiado por Ioiô Maroto, o sargento Alencar, que não fora ao casamento do filho do fazendeiro Franco Lopes de Carvalho, na Santa Cruz, reagiu, com o seu destacamento e alguns paisanos, contra os atacantes.

Desde as 4 horas da manhã daquele dia, o mesmo acordara alarmado por forte tiroteio. Pernoitara em casa de João Lopes, seu sogro, pois ali se encontrava doente uma filha. Levantou-se aos primeiros tiros e seguiu para a sua casa, situada na mesma rua.

Ali chegando, armou-se. Abrindo o depósito de munição, verificou que existiam cerca de 4.000 mil balas, e carregando o seu fuzil correu a cidade. Observou que toda a Rua do Açougue estava tomada pelos cangaceiros, e das casas do velho Quintino Guimarães e seu genro, Pedro Vítor, especialmente do Açougue, partia forte fuzilaria. Deitando-se, então, atrás de uma antiga cajazeira que havia no meio da rua que, por sinal, servia de casa-de-feira, detonou cerca de 50 tiros, visando especialmente às casas de Quintino Guimarães e Pedro Vítor.

Todavia, não chegando, portanto, nenhum soldado para auxiliá-lo, o destemido Sinhozinho Alencar foi procurá-los no quartel e em suas próprias residências, somente encontrando dois, Severino Eleutério da Silva e José Francisco da Silva. Com essas praças resistiu até às 5 horas e meia, quando se apresentaram mais três soldados: Manoel Rodrigues de Carvalho, José Antônio de Oliveira e Luiz Mariano da Cruz; o primeiro, do destacamento local, e os dois últimos, do de Vila Bela, os quais haviam chegado no dia anterior com licença daquele destacamento.

Às 6 horas apareceu o soldado José Miguel dos Anjos. Contando, no entanto seis praças, o imbatível comandante fez a seguinte distribuição: Luiz Mariano da Cruz, na esquina da casa de Neco Medeiros; José Miguel dos Anjos, em casa de seu sogro, João Lopes Gomes Ferraz, e os demais lutando com ele, ora no meio da rua, ora entrincheirados em sua casa ou no portão do muro da mesma, fazendo cessar forte fuzilaria que partia do cemitério, onde se entrincheirara grande número de bandidos.

bd9ccd73a166f8d923bfe693d345b7a7
Bando de Lampião em 1922 – Fonte – Rostand Medeiros

Às 8 da manhã, mais ou menos, o sargento Alencar, temendo o fracasso por falta de munição, pois dos quatro cunhetes existentes, apenas um restava, e os soldados Severino Eleutério e José Francisco da Silva estavam já com armas curtas, pois seus fuzis haviam deflagrado pela culatra, consequência da intensidade do fogo, retirou-se então com os soldados José Antonio de Oliveira e Manoel Rodrigues de Carvalho. O dito sargento deixou os demais resistindo, e com dois companheiros assaltou o cemitério, pondo em debandada o grupo que ali estacionara. depois, pela retaguarda, atacou o Açougue Público e suas adjacências, causando verdadeiro pânico no meio dos bandidos que julgaram estar sendo atacados por grande número de soldados, e colocou em fuga os bandidos a quem seguira em perseguição até um quilômetro fora da cidade.

dsc_4566
Outra imagem do interior da casa de Gonzaga – Fonte – Alex Gomes.

Ao retornar pelo beco do Açougue, gritou ao coronel Gonzaga que estava tudo salvo, pois que os bandidos haviam fugido. Porém, nesse momento, para surpresa sua, ouviu de Quintino Guimarães que, nessa ocasião, apareceu à porta de sua residência, as seguintes palavras: “Gonzaga está morto desde muito cedo, os cangaceiros entraram em sua casa antes de haver tiros; os primeiros foram dados nele”. Angustiado com tal notícia, Sinhozinho Alencar entrou sozinho na casa do coronel Gonzaga, encontrando-o morto, banhado em sangue, em um quarto próximo à sala de visitas, e a sua família presa em outro quarto.

Da reação oposta pela polícia, ajudada por alguns civis, tiveram os atacantes alguns mortos. Foi essa reação que, certamente, conseguiu impedir que as consequências do assalto se estendessem para o estabelecimento comercial de Gonzaga, a Rosa do Monte, que ficava no mesmo correr de sua residência, porém com certa distância, pois havia de permeio outros prédios. A não ser pela frente e por uma porta do único oitão que deitava para um beco, o estabelecimento comercial se acabava, por sua vez, no campo de mira de alguns defensores do coronel Gonzaga, como o civil Manoel Gomes de Sá Ferraz, junto aos seus filhos João e Antônio, que devotados a ele, atiravam em posição fronteira.

 13902636_1198205296905864_8279828272064360198_n
Soldado Heleno Tavares de Freitas – FonteValdir José Nogueira de Moura

Além do coronel Gonzaga, cujo assassínio era o fito principal do ataque, a ação dos criminosos vitimou ainda o soldado Heleno Tavares de Freitas, que caiu em poder dos bandidos quando acudia o chamado para a defesa; o velho Joaquim Gomes de Lira; e João Gomes de Sá, que foi saqueado, roubado e ferido. Da parte dos atacantes, morreram o famoso Baliza e Antonio da Cachoeira (este, após o tiroteio, faleceu de parada cardíaca), e entre os inúmeros feridos estavam Zé Bizarria, Cícero Costa e o próprio Ioiô Maroto, que ficara aquartelado na casa do velho Quintino Guimarães.

Entre as joias roubadas durante o saque, estava um anel de brilhante pertencente e usado pelo coronel Luiz Gonzaga, que dizem ter sido visto depois em um dos dedos do bandoleiro Lampião. Daí aquela famosa quadra de larga divulgação no sertão:

“A aliança de Gonzaga
Custou um conto de réis

Lampião botou no dedo
Sem custar nenhum derréis.”


familia-do-coronel-luiz-gonzaga-gomes-ferraz-morto-por-lampiao-em-1922
Família do coronel Luiz Gonzaga Gomes Ferraz , morto por Lampião em 1922 – Fonte – Valdir José Nogueira de Moura

Em 1928, foi aberto inquérito para apurar os acontecimentos que tiveram lugar em 20 de outubro de 1922, no Município de Belmonte. Em 7 de outubro de 1929 era publicada no Diário Oficial do Estado de Pernambuco a sentença de pronúncia proferida nos autos do Processo criminal daquele trágico acontecimento que resultou entre outros, na morte do coronel Luiz Gonzaga Gomes Ferraz, diante da denúncia do Promotor Público de Olinda, em comissão no Município de Belmonte: Crispim Pereira de Araújo (Ioiô Maroto), Virgulino Ferreira da Silva (Lampião), José Terto (Cajueiro), Antonio Cornélio, José Bizarria, José Teotôneo da Silva (José Preto), João Porfírio, Feliciano de Barros, Antônio Padre(irmão de Luiz Padre), Pedro José Clemente(Pedro Caboclo), Francisco José (Varêda), Tiburtino Inácio (filho do Major José Inácio do Barro-CE), Antônio Moxotó, José Dedé (Baliza). Meia Noite, José Ovídio, Papagaio, José de Tal (Caneco), Miguel Cosmo, Raimundo Soares do “Barro”, Antonio Ferreira da Silva, Livino Ferreira da Silva, José de Tal (Caboré), Cícero Costa, Terto Barbosa, José Benedito, Manoel Barbosa, Olímpio Benedito (Olimpio Severino Rodrigues do Nascimento), Francisco Barbosa, Dé Araújo, José Flor (Manjarra), Antonio Caboclo (Pente Fino), Laurindo Soares (Fiapo), Manoel Benedito, Antonio pereira da Silva (Tonho da Cachoeira), João Cesário (Coqueiro), Sebastião de Tal (Sebasto), Manoel Saturnino, Beija Flor, Pilão, Lino José da Rocha. Quanto aos outros indivíduos que tomaram parte do ataque, ignora-se ao certo o nome ou sinais característicos de cada um.

VEJA NO TOK DE HISTÓRIAhttps://tokdehistoria.com.br/2011/06/05/o-ataque-de-lampiao-a-belmonte/a-provincia-pe1-03-1923pag-2-ataque-de-lampiao-a-belmonte

a-provincia-pe1-03-1923pag-2-ataque-de-lampiao-a-belmonte
Carta da viúva do coronel Gonzaga, contando sua dor e as ocorrências que envolveram seu finado esposa e publicada no jornal recifense A Província, de 1 março de 1923, pag.2 – Fonte – Coleção Rostand Medeiros

Publicado originalmente no Blog Tok de História

quarta-feira, 5 de outubro de 2016

O cangaço em imagens

Fotografias post mortem

O cangaceiro Cirylo de Engrácia, morto.


Um dos hábitos mais macabros atualmente que acompanha o ser humano é o de guardar em seu celular fotos de pessoas mortas. Mas, este hábito não é tão jovem assim. Acompanhem este segundo episódio que tirará sua dúvida sobre o ato de fotografar pessoas mortas.

No programa Verdade ou mentira? #2 o professor e pesquisador Robério Santos, entre outros períodos trata dos registros fotográficos na história do Cangaço Lampiônico.

Assista este e outros programas do confrade Robério a partir do vídeo abaixo


quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Reedição na praça

Cicinato relançou "A Misteriosa Vida de Lampião"
 

Já está disponível a nova edição revista e ampliada do livro "A Misteriosa Vida de Lampião" de Cicinato Ferreira Neto. agora em capa dura e papel pólen.

Virgulino Ferreira, o Lampião, teve uma vida – e uma morte – cheias de mistérios.
 Por que entrou no cangaço ? Como conseguiu resistir a mais de vinte anos de perseguições policiais ? Como estabelecia a sua rede de colaboradores ? Como a polícia conseguiu chegar ao seu esconderijo? 

São indagações que tornam cada vez mais apaixonante tudo o que se refere à Lampião e ao mundo dos cangaceiros. No livro “A Misteriosa Vida de Lampião”, a trajetória do rei dos cangaceiros é acompanhada com detalhes, ano a ano, desde a sua entrada no cangaço até o massacre de Angico.

Episódios são apresentados em versões diferentes, informando e estimulando o leitor à análise do que realmente pode ter ocorrido.

352 páginas. Valor R$ 40 (Quarenta reais) com frete incluso Para adquirir, basta entrar em contato com o autor através do e-mail cicinatoneto@zipmail.com.br ou através do Perfil do autor no Facebook

quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Novo Livro na Praça

"O Patriarca: Crispim Pereira de Araújo, Ioiô Maroto".


O livro "O Patriarca: Crispim Pereira de Araújo, Ioiô Maroto" de Venício Feitosa Neves será lançado em no próximo dia 4 de setembro as 20h durante o Encontro da Família Pereira em Serra Talhada.

A obra traz um conteúdo bem fundamentado de Genealogia da família Pereira do Pajeú e parte da família Feitosa dos Inhamuns.

Mas vem também, recheado de informações de Cangaço, Coronelismo, História local dos municípios de Serra Talhada, São José do Belmonte, São Francisco, Bom Nome, entre outros) e a tão badalada rixa entre Pereira e Carvalho, no vale do Pajeú.

O livro tem 710 páginas. Você já pode adquiri este lançamento com o Professor Pereira ao preço de R$ 85,00 (com frete incluso) Contato: franpelima@bol.com.br / fplima1956@gmail.com

terça-feira, 23 de agosto de 2016

Uma noite no cenário do fim

Impressões sobre a Visita Técnica à Grota do Angico
Por Camilo Lemos.

À pedido do pesquisador e conselheiro do Cariri Cangaço Jorge Remígio, vou tentar descrever as minhas impressões sobre a VISITA TÉCNICA À GROTA DO ANGICO, município de Poço Redondo-SE, realizada na madrugada do dia 27 para o dia 28 de julho de 2016. E assim poder ajudar de alguma forma nas discussões em torno do que aconteceu na madrugada do dia 28 de Julho de 1938. Mesmo sabendo que qualquer conclusão será relativa, será aproximada do que de fato ocorreu. São apenas as minhas impressões.

Por ocasião do CARIRI CANGAÇO realizado durante a semana do cangaço em PIRANHAS-AL, entre os dias 28 e 30 de Julho de 2016. Cheguei à véspera em Piranhas, pois pretendia assistir a Missa em homenagem aos mortos na Grota do Angico-SE na manhã do dia 28. À Convite de Petrúcio Rodrigues e Celsinho Rodrigues (idealizador da experiência), fui incorporado ao grupo de pesquisadores que contava com: Ivanildo Silveira, (pesquisador, Conselheiro do Cariri Cangaço e membro da SBEC), João de Sousa Lima (historiador, escritor, membro da ALPA – academia de letras de Paulo Afonso), Lourival Telles (pesquisador de grande experiência), eu (Camilo Lemos) cuja única certeza é de ser Vascaíno (pesquisador), os já citados conhecedores da região desde o berço, Celsinho Rodrigues (pesquisador, conselheiro do Cariri Cangaço e bisneto de Chiquinho Rodrigues), Petrúcio Rodrigues (pesquisador, gente muito boa e sobrinho de Chiquinho Rodrigues).

 Da esquerda para a direita: João de S. Lima, Petrúcio Rodrigues, 
Celsinho Rodrigues, Ivanildo Silveira, Louro Teles e Camilo Lemos.

Obs.:As anotações de horário foram feitas por João de Sousa Lima, que escreveu esta experiência no seu blog. Embarcamos no Catamarã SERTÃO, comandado por Hugo Araújo Gonçalves, experiente navegador do São Francisco.

 Catamarã Sertão do comandante Hugo Araújo Gonçalves.

23h00min Começa a experiência de repetir o mesmo trajeto feito pela volante comandada pelo TEN. João Bezerra, 78 anos antes. No percurso foram desligadas as luzes da embarcação para verificar a visibilidade,

23h45min Na altura da fazenda Remanso, as luzes e o motor do SERTÃO foram desligados. Na noite fria, na imensidão do São Francisco, as estrelas apareceram dando uma visão deslumbrante e inesquecível da paisagem, deu uma ideia do que João Pernambuco e Catulo da Paixão Cearense quiseram dizer na sua “LUAR DO SERTÃO”. Ouvimos perfeitamente o som dos animais vindo das margens. Na água e entre os paredões ouve-se perfeitamente. Na escuridão é possível ver as duas margens do rio. Segue o barco.


 Rompendo a escuridão nas águas do São Francisco 
e desembarque na margem sergipana.

00h00min Atracamos

00h15min Desembarcamos

Experiência de disparo de arma de fogo curta, calibre 38, efetuado por LOURO TELLES na entrada da trilha, ainda na margem do rio. Fiquei a uma distância de aprox. 10 metros do disparo. Depois do estampido seco e metálico característico de um revolver e, dentro de um intervalo entre um a dois segundos, o eco produzido nos paredões se aproxima ao som de um trovão, sentimos a onda sonora retornando como um longo “ronco”, “mais parecia uma rajada”, como descreveu João de Sousa Lima.

 Entrada da trilha utilizada pela Força Volante 
comandada por João Bezerra 78 anos antes.

Às 00h25min Entramos na trilha, a mesma utilizada pelo Ten. João Bezerra, Aspirante Ferreira de Melo, SGT. Aniceto e mais 45 policiais volantes, orientados pelo coiteiro Pedro de Cândida e seu irmão Durval Rosa 78 anos antes. Em fila, intercalada pelas lanternas, entramos em terras sergipanas. Essa trilha tem aprox. 800m. A Visibilidade é muito baixa. Desligamos as lanternas e esperamos a visão se adaptar ao escuro. Repetimos este procedimento em diversos pontos. Em todas às vezes a visibilidade era quase nula.

A Trilha hora estreita, hora íngreme e em certos trechos com terreno  acidentado de pedras soltas, torna a caminhada difícil. Mesmo com a s lanternas acesas, o caminho é difícil.  No trajeto imaginava como teria sido à 78 anos. 48 homens com armamento, munição, sob uma forte tensão, o corpo em alerta, olhos e ouvidos no silêncio e na escuridão, um caminho tortuoso e apenas uma certeza (?). Iriam encontrar um forte grupo armado cujo líder era “nada mais nada menos” que LAMPIÃO. Meu corpo começou a reagir, veio o instinto de sobrevivência aguçando todos os meus sentidos: o ouvido treinado de músico não procurava mais acordes, mas qualquer ruído; meus olhos procuravam o caminho, meus pés, a melhor pedra.  Embora já acostumado a trilhas noturnas, essa tinha um sabor especial, a história envolvia todos nós.


Alto das Perdidas, local onde foram divididas as frentes da Volante.

No Alto das Perdidas, uma pausa para debate envolvendo dúvidas, conclusões, fatos. Repetimos a experiência de ficar totalmente no escuro. Um céu de lua minguante nos dava pouquíssima luminosidade. Desse local onde o Ten. João Bezerra dividiu a volante, ouvimos o primeiro grupo de pesquisadores que havia chegado à tarde. Uma observação: diferente das condições climáticas da mesma data em 1938, não chovia. Portanto, nem o grupo que já estava acampado, nem nós estávamos “Encobertos” pelo som da chuva, tampouco o acampamento estava em surdina.  Ouvíamos os sons vindos da grota.

01h15min Chegada na Grota
 
 Chegada ao local das cruzes

 – “Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo”
 – “Para sempre seja louvado”
Cristiano Ferraz, José Lopes Tavares, Giovane Macário Gomes de Sá foram os primeiros a nos receber. Além dos citados acima, Já estavam no local os pesquisadores: Cícero Rodrigues, Richard Torres Pereira, Romilson Santos, Vaneildo Bispo, Maria Oliveira e Sálvio Siqueira.

Dois fatos me causaram uma grande surpresa, perguntado ao grupo que encontramos se teriam ouvido disparo feito por nós no início da trilha. A resposta foi negativa.  Em seguida  deparamo-nos com uma desagradável cena, a ausência da placa e da cruz posta em homenagem ao soldado Adrião Pedro de Souza. Lamentavelmente arrancada, em desrespeito a esse ser humano, a historia e a todos os pesquisadores do tema. Devo confessar, a cruz do soldado causou-me estranheza ao vê-la pela primeira vez. Estranheza maior foi notar naquele momento sua ausência. Neste instante, veio-me na lembrança o escritor e historiador, Antônio Vilela, um dos que homenageou o soldado Adrião com a placa e a cruz.


O acampamento estava montado.  Armamos nossas redes, tive o auxilio de José Lopes Tavares que teve a atenção de verificar se estava tudo certo. Coisa de quem tem nobreza. Resolvi passar a noite em claro, conversei individualmente com alguns dos que estavam acordados e em pequenos grupos que se formaram em torno da fogueira. A lua já estava sob nossas cabeças, já passavam das 01h50min.

Entramos no dia 28 de julho.

 E o tempo passou na grota.

Entre 04h30min e 04h45min, Cristiano Ferraz (policial, escritor e pesquisador) efetuou uma série de disparos com pistola calibre 380 dentro da Grota, próximo do local onde estão as cruzes. Minha localização era a uma distância de um metro à esquerda de Cristiano. Segundo ele, recebi o maior impacto sonoro devido a minha posição. No terceiro disparo, meu tímpano estalou, ressoando um apito contínuo. Mas foi possível observar a diferença do som e do eco nesse local. O ambiente agora era uma baixa cercada de pedras com vegetação alta. O som teve menos eco e foi mais brilhante do que o disparo efetuado no início da trilha. A visibilidade ainda era baixa.

Como nos informou Fábio Carvalho (pesquisador e especialista em armas de fogo): as armas curtas que geram 115 decibéis podem atingir uma altura superior e essa intensidade é considerada uma zona de ruído perigosa.  Armas classificadas como Sub Sônicas atuam na área abaixo de 330m\s ex. revolver CAL.38. Armas classificadas como Super Sônicas, a exemplo do Fuzil, ultrapassam os 330 m\s gerando estampidos muito mais altos. Seria preciso um decibelimetro para termos uma medição precisa. Com esses dados é possível ter uma ideia do volume sonoro gerado pelos disparos de dezenas de fuzis e três metralhadoras. Por maior que seja a experiência em combate, os efeitos do impacto sonoro geram uma “desorientação”. Embora se tenha treinamento para manter o foco, como por exemplo, os lutadores de MMA são condicionados a “ouvir” apenas a voz do seu treinador durante a luta. A questão é a diferença entre pessoas gritando e fuzis disparando. O que torna a tarefa mais difícil.

 
Transformação da paisagem no amanhecer do dia.

Nas primeiras luzes do dia, vi a GROTA sair das trevas e se transformar numa paisagem lunar, parecia encoberta por uma leve poeira cinzenta. Até 04h20min aproximadamente não se distingue a silhueta humana a mais de cinco ou oito metros. Por volta das 05h00min, Celsinho Rodrigues, Cristiano Ferraz, Ivanildo Silveira, Lourinaldo Teles e eu fomos checar prováveis locais como o Poço do Tamanduá e a Mesa, bem como Árvores Centenárias “testemunhas” daquele tempo e pedras marcadas pelos disparos feitos no amanhecer de 28 de julho de 1938.


 


Pedras marcadas pelas balas.

Com as explicações sobre movimentação em combate dadas por Cristiano Ferraz, além das indicações de locais, rotas usadas e distância entre elas, feitas por Celsinho Rodrigues e complementadas por Ivanildo Silveira mais Louro Teles, podemos ter ideia de prováveis trajetos feitos por Volantes e Cangaceiros. 

Dessa forma, encerramos a Visita Técnica por volta das 06h00min e permanecemos no local onde assistimos a MISSA.

Foi uma experiência, ainda incompleta, porém, muito rica. Um verdadeiro privilégio poder contar e aprender com pessoas de vasto conhecimento e acima de tudo de coração bom. Abraço Jorge Remígio! Agradeço pela oportunidade de poder compartilhar com todos vocês.

Valiosa troca de experiências.

 
 
 Valiosa troca de conhecimento e levantando acampamento. Um abraço à Marcos de Carmelita!

 
 
 
 Momentos antes e durante a missa.


Agradeço também:

A Prof. Múcio Prócopio, Kydelmir Dantas, Alexandre Wagner e Vera Oliveira, sem o apoio de vocês não seria possível minha participação.

A Ivanildo Silveira e Louro Teles pelo companheirismo e aprendizagem.

E aos meus velhos novos amigos Petrucio e Celsinho Rodrigues, pelo convite mais que especial.